Skip navigation
Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unb.br/handle/10482/35224
Files in This Item:
File Description SizeFormat 
2019_LissyanneFleurySantosVieira.pdf2,53 MBAdobe PDFView/Open
Full metadata record
DC FieldValueLanguage
dc.contributor.advisorCosta, Alexandre Florian da-
dc.contributor.authorVieira, Lissyanne Fleury Santos-
dc.date.accessioned2019-08-02T21:34:38Z-
dc.date.available2019-08-02T21:34:38Z-
dc.date.issued2019-08-02-
dc.date.submitted2019-02-26-
dc.identifier.citationVIEIRA, Lissyanne Fleury Santos. Influência da composição química de quatro espécies amazônicas na resistência natural ao ataque de fungos apodrecedores. 2019. 85 f., il. Dissertação (Mestrado em Ciências Florestais)—Universidade de Brasília, Brasília, 2019.pt_BR
dc.identifier.urihttp://repositorio.unb.br/handle/10482/35224-
dc.descriptionDissertação (mestrado)—Universidade de Brasília, Faculdade de Tecnologia, Departamento de Engenharia Florestal, Programa de Pós-Graduação em Ciências Florestais, 2019.pt_BR
dc.description.abstractEste estudo teve como objetivo avaliar a influência da composição química de quatro espécies da Amazônia, Simarouba amara, Ceiba pentandra, Micropholis melinoniana e Amburana cearensis, submetidas aos fungos apodrecedores Gloeophyllum trabeum (podridão parda) e Trametes versicolor (podridão branca). O ensaio de apodrecimento foi embasado na norma ASTM D 2017, com algumas modificações descritas. A análise química de espectroscopia de reflectância difusa no infravermelho médio (DRIFT-MIR) juntamente com a análise gravimétrica foram utilizadas para avaliar as alterações na composição químicas das espécies. Em ambas as podridões, a madeira Simarouba amara e Ceiba pentandra foram consideradas pouco ou não resistentes, a Micropholis melinoniana moderadamente resistente, e Amburana cearensis, resistente. O fungo de podridão parda, Gloeophyllum. trabeum, metabolizou mais intensamente as cadeias de celulose, representado pela vibração do grupamento -CH, representada pela banda 899 cm-1, e reduziu o teor de holocelulose residual. Enquanto que a podridão branca, Trametes versicolor, apresentou diferentes comportamentos entre as espécies estudas, ora demonstrando preferência pela lignina, frequência de vibração em 1510 cm-1, assinalado na redução do teor de lignina, ora agindo indistintamente na degradação dos componentes químicos. As duas análises multivariadas, realizadas com as intensidades das bandas e a outra com os dados de perda de massa e os teores dos componentes químicos, permitiram agrupar os tratamentos de maneiras diferentes, de acordo, respectivamente, com os fungos apodrecedores e com a espécie de madeira, mesmo após a deterioração. As duas análises químicas mostraram ser capazes de detectar as alterações na composição química da madeira deteriorada.pt_BR
dc.description.sponsorshipCoordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES).pt_BR
dc.language.isoPortuguêspt_BR
dc.rightsAcesso Abertopt_BR
dc.titleInfluência da composição química de quatro espécies amazônicas na resistência natural ao ataque de fungos apodrecedorespt_BR
dc.title.alternativeAssessment of the chemical composition of four amazonian species in natural resistance to the attack of rotting fungipt_BR
dc.typeDissertaçãopt_BR
dc.subject.keywordMadeira - biodegração - fungospt_BR
dc.subject.keywordBiodeterioraçãopt_BR
dc.subject.keywordMadeira - Amazôniapt_BR
dc.subject.keywordFungos apodrecedorespt_BR
dc.subject.keywordInfravermelho/DRIFTpt_BR
dc.rights.licenseA concessão da licença deste item refere-se ao termo de autorização impresso assinado pelo autor com as seguintes condições: Na qualidade de titular dos direitos de autor da publicação, autorizo a Universidade de Brasília e o IBICT a disponibilizar por meio dos sites www.bce.unb.br, www.ibict.br, http://hercules.vtls.com/cgi-bin/ndltd/chameleon?lng=pt&skin=ndltd sem ressarcimento dos direitos autorais, de acordo com a Lei nº 9610/98, o texto integral da obra disponibilizada, conforme permissões assinaladas, para fins de leitura, impressão e/ou download, a título de divulgação da produção científica brasileira, a partir desta data.pt_BR
dc.contributor.advisorcoMoreira, Alessandro Cézar de Oliveira-
dc.description.abstract1The present study aimed to evaluate the influence of the chemical composition of four different Amazonian species woods, Simarouba amara, Ceiba pentandra, Micropholis melinoniana and Amburana cearensis, submitted to Gloeophyllum trabeum (brown rot) and Trametes versicolor (white rot). The accelerated decay test was based on the ASTM D 2017 standard, with modifications. The chemical analysis of both diffuse reflection mid-infrared spectroscopy (DRIFT-MIR) and the gravimetric analysis were used to evaluate the changes in the chemical composition of the wood species. In both types of rot, Simarouba amara and Ceiba pentandra were considered non-resistant, the Micropholis melononiana was moderately resistant, and Amburana cearensis was resistant. The brown rot fungus, Gloeophyllum. trabeum, metabolized the cellulose intensively, that was represented by vibration of the -CH group (899 cm-1), and reduced the residual holocellulose content. While white rot, Trametes versicolor, showed different behaviors among the species studied, sometimes showing a preference for lignin, a frequency of vibration at 1510 cm-1, indicated in the reduction of the residual lignin content, sometimes acting indifferently in the degradation of the chemical components. The two multivariate analyzes, performed one with the band intensities and the other with the mass loss data and contents of the chemical components, grouped the treatments in different ways according to the rotting fungi and the wood species, respectively, even after deterioration. The two chemical analyzes showed to be able to detect changes in the chemical composition of deteriorated wood.pt_BR
Appears in Collections:EFL - Mestrado em Ciências Florestais (Dissertações)

Show simple item record Recommend this item " class="statisticsLink btn btn-primary" href="/handle/10482/35224/statistics">



Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.