Skip navigation
Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unb.br/handle/10482/35144
Files in This Item:
File Description SizeFormat 
2018_LucilaMonteirodeSouza.pdf6,81 MBAdobe PDFView/Open
Full metadata record
DC FieldValueLanguage
dc.contributor.advisorSantucci, Rodrigo Miloni-
dc.contributor.authorSouza, Lucila Monteiro de-
dc.date.accessioned2019-07-26T18:09:26Z-
dc.date.available2019-07-26T18:09:26Z-
dc.date.issued2019-07-26-
dc.date.submitted2018-08-09-
dc.identifier.citationSOUZA, Lucila Monteiro de. Variação do tamanho corporal em répteis marinhos e sua relação com as extinções do Mesozoico. 2018. 108 f., il. Tese (Doutorado em Geologia)—Universidade de Brasília, Brasília, 2018.pt_BR
dc.identifier.urihttp://repositorio.unb.br/handle/10482/35144-
dc.descriptionTese (doutorado)—Universidade de Brasília, Instituto de Geociências, Programa de Pós-Graduação em Geologia, 2018.pt_BR
dc.description.abstractOs répteis predadores marinhos desenvolveram-se na Era Mesozoica e tornaram-se componentes dominantes dos ecossistemas marinhos mundiais. Ao longo do Mesozoico vários grupos com afinidades filogenéticas distintas apresentaram sucesso evolutivo como predadores de topo e estiveram expostos a flutuações ambientais, stress climático e extinções em massa. O tamanho corporal é uma das propriedades biológicas mais básicas e significantes para a compreensão da história evolutiva de um grupo. Identificar padrões de tamanho corporal de grupos extintos como os répteis marinhos pode ampliar a interpretação sobre a estruturação dos ecossistemas marinhos atuais, auxiliando na diferenciação entre perturbações antropológicas e padrões resultantes de processos ecológicos e evolutivos em um grande espaço de tempo. Os répteis marinhos têm sido estudados com foco na descrição de novas espécies, revisão taxonômica e análises cladísticas. A busca por padrões paleoecológicos em larga escala tem sido de interesse recente entre os biólogos/paleontólogos, porém ainda pouco estudada. Este trabalho integra pela primeira vez dados de tamanhos corporais de plesiossauros, mosassauros e notossauros, juntamente com os ictiossauros, sob a óptica tanto de fatores biológicos (e.g. variação do tamanho corporal, morfologia dentária e preferências alimentares), como fatores abióticos relacionados aos eventos de extinção e variações do nível do mar, carbono, oxigênio, temperatura e distribuição geográfica das espécies de cada grupo. Nós testamos para Ichthyosauria, Nothosauria, Mosasauroidea e Plesiosauria mudanças direcionais do tamanho corporal usando análises filogenéticas e não filogenéticas, para verificar se estes grupos possuem uma tendência para a mudança evolutiva do tamanho corporal ao longo do tempo (aumento ou diminuição) e como os tamanhos variaram (ou foram afetados) através das extinções em massa. As análises não filogenéticas não indicaram nenhuma correlação entre aumento ou diminuição de tamanho e tempo para Ichthyosauria, Plesiosauria, Nothosauria e Mosasauroidea. Por outro lado, verificou-se uma tendência de seleção de espécies de tamanhos médios para Ichthyosauria e Plesiosauria, sendo estes tamanhos os sobreviventes frente aos eventos de extinção. As estratégias alimentares e a competição entre os grupos são fatores determinantes para compreender este padrão evolutivo.pt_BR
dc.language.isoPortuguêspt_BR
dc.rightsAcesso Abertopt_BR
dc.titleVariação do tamanho corporal em répteis marinhos e sua relação com as extinções do Mesozoicopt_BR
dc.typeTesept_BR
dc.subject.keywordRépteis marinhospt_BR
dc.subject.keywordHistória evolutivapt_BR
dc.subject.keywordTamanhos corporaispt_BR
dc.subject.keywordGeologiapt_BR
dc.rights.licenseA concessão da licença deste item refere-se ao termo de autorização impresso assinado pelo autor com as seguintes condições: Na qualidade de titular dos direitos de autor da publicação, autorizo a Universidade de Brasília e o IBICT a disponibilizar por meio dos sites www.bce.unb.br, www.ibict.br, http://hercules.vtls.com/cgi-bin/ndltd/chameleon?lng=pt&skin=ndltd sem ressarcimento dos direitos autorais, de acordo com a Lei nº 9610/98, o texto integral da obra disponibilizada, conforme permissões assinaladas, para fins de leitura, impressão e/ou download, a título de divulgação da produção científica brasileira, a partir desta data.pt_BR
dc.description.abstract1Marine predatory reptiles evolved in the Mesozoic Era and became dominant components of the world's marine ecosystems. Throughout the Mesozoic, several groups with distinct phylogenetic affinities showed evolutionary success as top predators and were exposed to environmental fluctuations, climatic stress and mass extinctions. Body size is one of the most basic and significant biological properties for understanding the evolutionary history of a group. Identifying body size patterns of extinct groups such as marine reptiles can broaden the interpretation of the structuring of current marine ecosystems, aiding in the differentiation between anthropological disturbances and patterns resulting from ecological and evolutionary processes over a large span of time. Marine reptiles have been studied with a focus on the description of new species, taxonomic revision and cladistic analyzes. The search for paleoecological patterns on a large scale has been of recent interest among biologists / paleontologists, but still little studied. This work includes, for the first time, data on body sizes of plesiosaurs, mosasaurs and notossaurs, together with ichthyosaurs, under the optics of biological factors (eg body size variation, dental morphology and food preferences), and abiotic factors related to extinction and variations in sea level, carbon, oxygen, temperature and geographical distribution of the species of each group. We tested for Ichthyosauria, Nothosauria, Mosasauroidea, and Plesiosauria directional changes in body size using phylogenetic and non-phylogenetic analyzes to verify if these groups have a tendency for evolutionary change in body size over time (increase or decrease) and how the sizes varied (or were affected) through mass extinctions. Non-phylogenetic analyzes indicated no correlation between increase or decrease in size and time for Ichthyosauria, Plesiosauria, Nothosauria and Mosasauroidea. On the other hand, there was a tendency of selection of species of average sizes for Ichthyosauria and Plesiosauria, being these sizes the survivors before the extinction events. Food strategies and competition between groups are determining factors in understanding this evolutionary pattern.pt_BR
Appears in Collections:IG - Doutorado em Geologia (Teses)

Show simple item record Recommend this item " class="statisticsLink btn btn-primary" href="/handle/10482/35144/statistics">



Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.