Skip navigation
Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unb.br/handle/10482/35076
Files in This Item:
File Description SizeFormat 
2019_FernandaBartolyGonçalvesdeLima.pdf2,78 MBAdobe PDFView/Open
Title: Emancipação humana e educação escolar : perspectivas para a formação de professores
Authors: Lima, Fernanda Bartoly Gonçalves de
Orientador(es):: Silva, Kátia Augusta Curado Pinheiro Cordeiro da
Assunto:: Professores - formação
Educação emancipadora
Educação escolar
Emancipação humana
Professores - aspectos sociais
Issue Date: 12-Jul-2019
Citation: LIMA, Fernanda Bartoly Gonçalves de. Emancipação humana e educação escolar: perspectivas para a formação de professores. 2019. 350 f., il. Tese (Doutorado em Educação)—Universidade de Brasília, Brasília, 2019.
Abstract: A expectativa de realizar uma educação emancipadora se constitui como uma emblemática aspiração que circunda as diferentes esferas do campo educativo, permeando o ideário sobre as possibilidades escolares que incidem sobre a formação de professores. Porém, procurando definições acerca do que significaria essa emancipação no cenário educacional e formativo, surgem conceituações diversas, que não necessariamente convergem a uma mesma concepção da própria emancipação. Essa configuração dificulta a possibilidade do encaminhamento de uma atuação e formação docente no sentido da emancipação. Buscando consolidar uma compreensão sobre a emancipação que abarque desde o livre acesso a todos os bens produzidos pela humanidade até uma relação subjetiva autônoma e consciente com o mundo, se estabelece a emancipação humana, no sentido marxiano, como a emancipação total e radical a ser almejada pela humanidade, que requer, para sua plena realização, a superação da sociedade capitalista. Procurando traçar uma perspectiva consistente sobre a possibilidade de a formação de professores fazer parte dos fatores que coadunam com a emancipação humana, buscou-se apresentar pressupostos teórico-práticos para uma formação de professores que se orienta pela perspectiva da emancipação humana. Ressalta-se que, mesmo com a aspiração de trazer contribuições gerais, as elaborações apresentadas possuíram como base contextual e preocupação premente a educação brasileira. Para atender esse objetivo, a pesquisa se caracteriza como uma análise teórica, se estruturando a partir do método dialético, na perspectiva materialista histórica. Compreende-se que quando se tem a emancipação humana como objetivo, se fortalece e substancia a formação educacional de volta a seu próprio objetivo ontológico, que se materializa na humanização. Com este princípio, deslinda-se uma formação de professores que pressupõe: o conhecimento da realidade concreta em sua totalidade, mediação e contradição; a compreensão do ser humano em sua ontologia potencialmente emancipadora; uma profunda base teórica científica; a constituição profissional sobre a base da docência; uma formação que se volta para a realização de um trabalho que é essencialmente coletivo; apropriação dos conhecimentos de forma dialética; organização da formação docente tendo o ensino do conhecimento como eixo norteador; superação da relação dual do como e o que ensinar pela epistemologia da práxis; formação para a pesquisa científica; compreensão lógico-histórica do conhecimento a ser ensinado no sentido de produzir o conhecimento didaticamente transformado; apreensão filosófico-histórica acerca do estudante concreto com o qual se depara em sua atividade enquanto professor; compreensão de que seu trabalho docente no capitalismo significa um constante embate; manutenção do horizonte revolucionário no processo de trabalhar para o próprio desenvolvimento do capitalismo em suas contradições; participação ativa em questões políticas relativas a educação no âmbito da sociedade civil; capacidade de argumentar com a diversidade sem perder o foco da problemática infraestrutural capitalista; compreender e problematizar a forma escolar; e formação pedagógica a partir de autores considerados contra-hegemônicos. Em síntese, é preciso que o professor compreenda a relação entre a escola e seu entorno político-econômico-social, e entenda, ainda, que a solução não está na escola, mas que a escola pode e deve fornecer uma formação humana em prol de da luta revolucionária. Nesse sentido, o professor não é formado sobre a pressão de ter que encontrar um meio de emancipar seus estudantes, pois este já compreendeu que não cabe à educação essa tarefa. E, por isso mesmo, este conhece os caminhos que levam sua atividade para um viés subversivo, sendo capaz de realizar um trabalho docente que forme os sujeitos revolucionários que, de forma autônoma, concentram as condições subjetivo-objetivas para lutar pela emancipação humana.
Abstract: The expectation of an emancipatory education constitutes an emblematic aspiration that surrounds the different spheres of the educational field, permeating the ideas about school possibilities that affect the teachers formation. However, looking for definitions of what this emancipation would mean in the educational and formative scenario, diverse conceptualizations emerge that do not necessarily converge to the same conception of emancipation. This configuration hinders the possibility of accomplish a teachers action and formation in the sense of emancipation. Seeking to consolidate an understanding of emancipation that means from the free access to all the goods produced by humanity until an autonomous and conscious subjective relation with the world, human emancipation is established, in the Marxian sense, as the total and radical emancipation to be sought for humanity, which requires, for its full realization, the overcoming of capitalist society. Looking to draw a consistent perspective on the possibility of teachers formation being part of the factors that collaborate with human emancipation, we sought to present theoretical-practical assumptions for a teachers formation that is guided by the perspective of human emancipation. It is noteworthy that, even with the aspiration to bring general contributions, the elaborations presented had as a contextual basis and pressing concern the Brazilian education. To meet this objective, the research is characterized as a theoretical analysis, structuring from the dialectical method, in the historical materialist perspective. It is understood that when one has human emancipation as an objective, one strengthens and substantiates the educational formation back to its own ontological goal, which materializes in humanization. With this principle, we demarcate a teachers formation that presupposes: the knowledge of the concrete reality in its totality, mediation and contradiction; the understanding of the human being in his potentially emancipatory ontology; a deep scientific theoretical basis; the teaching as the basis of the professional constitution; a formation that turns to the accomplishment of a work that is essentially collective; appropriation of the knowledge in a dialectical way; organization of teachers formation with teaching of the knowledge as the guiding principle; overcoming the dual relation of how and what to teach by the epistemology of praxis; formation for scientific research; logical-historical understanding of the knowledge to be taught in order to produce didatically transformed knowledge; philosophical-historical apprehension about the concrete student with whom he encounters in his activity as a teacher; understanding that his teaching work in capitalism means a constant clash; maintenance of the revolutionary horizon in the process of working for the very development of capitalism in its contradictions; active participation in policy issues related to education in the civil society; ability to argue with diversity without losing the focus of capitalist infrastructural problems; understand and problematize the school form; and pedagogical formation from authors considered counter-hegemonic. In summary, the teacher must understand the relationship between the school and its political-economic-social environment, and also understands that the solution is not in school, but that the school can and should provide human formation for of the revolutionary struggle. In this sense, the teacher is not formed on the pressure of having to find a way to emancipate his students, since he has already understood that it is not up to education to do this task. And for this reason, he knows the paths that lead his activity to a subversive bias, being able to carry out a teaching work that forms the revolutionary subjects that, in an autonomous way, concentrate the subjective-objective conditions to fight for the human emancipation.
Resumen: La expectativa de realizar una educación emancipadora se constituye como una emblemática aspiración que circunda las diferentes esferas del campo educativo, permeando el ideario sobre las posibilidades escolares que inciden en la formación de profesores. Sin embargo, buscando definiciones acerca de lo que significa esa emancipación en el escenario educativo y formativo, surgen conceptualizaciones diversas, que no necesariamente convergen a una misma concepción de la propia emancipación. Esta configuración dificulta la posibilidad del encaminamiento de una actuación y formación docente en el sentido de la emancipación. Buscando consolidar una comprensión sobre la emancipación que abarque desde el libre acceso a todos los bienes producidos por la humanidad hasta una relación subjetiva autónoma y consciente con el mundo, se establece la emancipación humana, en el sentido marxiano, como la emancipación total y radical a ser anhelada por la humanidad, que requiere, para su plena realización, la superación de la sociedad capitalista. Al desear trazar una perspectiva consistente sobre la posibilidad de que la formación de profesores forme parte de los factores que coadyuvan con la emancipación humana, se buscó presentar presupuestos teórico-prácticos para una formación de profesores que se orienta por la perspectiva de la emancipación humana. Se resalta que, aun con la aspiración de traer aportes generales, las elaboraciones presentadas poseyeron como base contextual y preocupación apremiante la educación brasileña. Para atender ese objetivo, la investigación se caracteriza como un análisis teórico, estructurándose a partir del método dialéctico, en la perspectiva materialista histórica. Se comprende que cuando se tiene la emancipación humana como objetivo, se fortalece y sustancia la formación educativa de vuelta a su propio objetivo ontológico, que se materializa en la humanización. Con este principio, se desliza una formación de profesores que presupone: el conocimiento de la realidad concreta en su totalidad, mediación y contradicción; la comprensión del ser humano en su ontología potencialmente emancipadora; una profunda base teórica científica; la constitución profesional sobre la base de la docencia; una formación que se vuelve hacia la realización de un trabajo que es esencialmente colectivo; apropiación de los conocimientos de forma dialéctica; organización de la formación docente teniendo la enseñanza del conocimiento como eje orientador; superación de la relación dual del cómo y qué enseñar por la epistemología de la praxis; formación para la investigación científica; comprensión lógico-histórica del conocimiento a ser enseñado en el sentido de producir el conocimiento didáctico transformado; la aprehensión filosófico-histórica acerca del estudiante concreto con el cual se depara en su actividad como profesor; comprensión de que su trabajo docente en el capitalismo significa un constante embate; mantenimiento del horizonte revolucionario en el proceso de trabajar para el propio desarrollo del capitalismo en sus contradicciones; participación activa en cuestiones políticas relativas a la educación en el ámbito de la sociedad civil; capacidad de argumentar con la diversidad sin perder el foco de la problemática infraestructural capitalista; comprender y problematizar la forma escolar; y formación pedagógica a partir de autores considerados contrahegemónicos. En síntesis, es necesario que el profesor comprenda la relación entre la escuela y su entorno político-económico-social, y entienda, aún, que la solución no está en la escuela, pero que la escuela puede y debe proporcionar una formación humana en pro de la lucha revolucionaria. En ese sentido, el profesor no está formado sobre la presión de tener que encontrar un medio de emancipar a sus estudiantes, pues éste ya comprendió que no cabe a la educación esa tarea. Y, por eso mismo, éste conoce los caminos que llevan su actividad hacia un sesgo subversivo, siendo capaz de realizar un trabajo docente que forme a los sujetos revolucionarios que, de forma autónoma, concentran las condiciones subjetivo-objetivas para luchar por la emancipación humana.
Description: Tese (doutorado)—Universidade de Brasília, Faculdade de Educação, Programa de Pós-Graduação em Educação, 2019.
Licença:: A concessão da licença deste item refere-se ao termo de autorização impresso assinado pelo autor com as seguintes condições: Na qualidade de titular dos direitos de autor da publicação, autorizo a Universidade de Brasília e o IBICT a disponibilizar por meio dos sites www.bce.unb.br, www.ibict.br, http://hercules.vtls.com/cgi-bin/ndltd/chameleon?lng=pt&skin=ndltd sem ressarcimento dos direitos autorais, de acordo com a Lei nº 9610/98, o texto integral da obra disponibilizada, conforme permissões assinaladas, para fins de leitura, impressão e/ou download, a título de divulgação da produção científica brasileira, a partir desta data.
Agência financiadora: Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior - Brasil (CAPES).
Appears in Collections:FE - Doutorado em Educação (Teses)

Show full item record Recommend this item " class="statisticsLink btn btn-primary" href="/handle/10482/35076/statistics">



Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.