Skip navigation
Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unb.br/handle/10482/34491
Files in This Item:
File Description SizeFormat 
2018_ClariceAlvesdeAlmeidaBeckmann.pdf966,4 kBAdobe PDFView/Open
Title: Família e primeira crise do tipo psicótica : um estudo a partir do Rorschach no sistema compreensivo
Authors: Beckmann, Clarice Alves de Almeida
Orientador(es):: Costa, Ileno Izídio da
Assunto:: Pródromos
Crise psicótica
Teoria sistêmica da família
Rorschach, Teste de
Família - aspectos psicológicos
Issue Date: 29-Apr-2019
Citation: BECKMANN, Clarice Alves de Almeida. Família e primeira crise do tipo psicótica: um estudo a partir do Rorschach no sistema compreensivo. 2018. 68 f., il. Dissertação (Mestrado em Psicologia Clínica e Cultura)—Universidade de Brasília, Brasília, 2018.
Abstract: Famílias com um indivíduo em primeiras crises do tipo psicótico se encontram em um momento de sofrimento psíquico grave, ou seja, em momento da vivência intensa de manifestações que diferenciam muito do padrão da própria pessoa e, neste momento específico, ainda estão preservados potenciais de retorno a uma vivência menos sofrida, não se tratando de um estado psicótico a priori. De forma a reduzir e prevenir os efeitos psiquiátricos, psicológicos e sociais dessas crises, é fundamental a intervenção o mais breve possível, nos chamados pródromos, sinais e sintomas que as prenunciam. Com o intuito de trazer para o Brasil a possibilidade da intervenção precoce, foi criado o Grupo de Intervenção Precoce nas Primeiras Crises do Tipo Psicótico (GIPSI). No grupo, são feitos atendimentos tanto individuais quanto familiares, utilizando diferentes abordagens psicológicas e diferentes ferramentas de avaliação e intervenção, destacando-se o uso do Método de Rorschach. Ele vem sendo utilizado em diferentes contextos, como na identificação de sujeitos psicóticos e compreensão de suas dinâmicas psicológicas, visando alcançar um melhor prognóstico. Na avaliação de famílias, contudo, o Método de Rorschach tende a ser menos utilizado que em avaliações individuais e, menos ainda, explorando a relação família e psicose. Baseado nas teorias familiares sistêmicas, em que a família é entendida como um sistema no qual os membros mudam ao interagir com os outros, além de aprenderem padrões relacionais, comportamentais e de pensamento, é pressuposto que o padrão psicológico dos membros se interrelacionem. No presente trabalho, buscou-se explorar a relação entre as dinâmicas tanto individuais quanto familiares e fatores de risco e proteção para o engendramento de uma crise do tipo psicótica, utilizando-se entrevistas, genograma, mapa de rede e aplicações individuais do Método de Rorschach no Sistema Compreensivo. A partir da análise dos protocolos de uma jovem mulher com sintomatologia sugerindo psicose de forma proeminente e seus familiares, foi possível observar a presença de alguns índices tipicamente associados à psicose e de outros que podem se relacionar à fase prodrômica de crises do tipo psicótica, como derrapagens cognitivas e comunicacionais. Além da análise individual, a análise dos protocolos de forma conjunta permitiu a observação de uma interação entre as estruturas psíquicas e dinâmicas relacionais dos diferentes familiares, a qual pode contribuir para o engendramento de uma crise do tipo psicótica. Essa análise conjunta dos protocolos de Rorchach dos integrantes de uma família, bem como dos registros clínicos, genograma e mapa de rede, se mostrou útil para a melhor compreensão do caso em questão, observando-se padrões de funcionamento dos familiares que se relacionam mutuamente e podem contribuir para o engendramento e curso da crise.
Abstract: Families with an individual in early psychotic-type crises find themselves in a time of severe psychic distress, that is, at the moment of intense experiencing of manifestations that differ greatly from the pattern of the person himself, and at this particular time, are still preserved return potentials to a less experienced experience, not being an a priori psychotic state. In order to reduce and prevent the psychiatric, psychological and social effects of these crises, it is essential to intervene as soon as possible, in the so-called prodromes, signs and symptoms that foreshadow them. With the intention of bringing to Brazil the possibility of early intervention, the Early Intervention Group in the First Crises of the Psychotic Type (GIPSI) was created. In the group, both individual and family care are done, using different psychological approaches and different assessment and intervention tools, highlighting the use of the Rorschach Method. It has been used in different contexts, such as the identification of psychotic subjects and understanding of their psychological dynamics, aiming to achieve a better prognosis. In the evaluation of families, however, the Rorschach Method tends to be less used than in individual evaluations, and even less, exploring the relation family and psychosis. Based on the systemic family theories, in which the family is understood as a system in which the members change when interacting with the others, besides learning relational, behavioral and thought patterns, it is assumed that the psychological pattern of the members interrelate. In the present work, we sought to explore the relationship between individual and family dynamics and risk and protection factors for the generation of a psychotic type crisis, using interviews, genogram, network map and individual applications of the Rorschach Method in the Comprehensive System. From the analysis of the protocols of a young woman with symptomatology suggesting prominent psychosis and their relatives, it was possible to observe the presence of some indices typically associated with psychosis and others that may be related to the prodromal phase of psychotic type crises, such as cognitive and communication derangements. In addition to the individual analysis, the analysis of the protocols together allowed the observation of an interaction between the psychic structures and the relational dynamics of the different relatives, which may contribute to the generation of a psychotic crisis. This joint analysis of the Rorchach protocols of family members, as well as clinical records, genogram and network map, proved useful for a better understanding of the case in question, observing patterns of functioning of family members who relate to one another and can contribute to the engendering and course of the crisis.
Description: Dissertação (mestrado)—Universidade de Brasília, Instituto de Psicologia, Programa de Pós-graduação em Psicologia Clínica e Cultura, 2018.
Licença:: A concessão da licença deste item refere-se ao termo de autorização impresso assinado pelo autor com as seguintes condições: Na qualidade de titular dos direitos de autor da publicação, autorizo a Universidade de Brasília e o IBICT a disponibilizar por meio dos sites www.bce.unb.br, www.ibict.br, http://hercules.vtls.com/cgi-bin/ndltd/chameleon?lng=pt&skin=ndltd sem ressarcimento dos direitos autorais, de acordo com a Lei nº 9610/98, o texto integral da obra disponibilizada, conforme permissões assinaladas, para fins de leitura, impressão e/ou download, a título de divulgação da produção científica brasileira, a partir desta data.
Appears in Collections:PCL - Mestrado em Psicologia Clínica e Cultura (Dissertações)

Show full item record Recommend this item " class="statisticsLink btn btn-primary" href="/handle/10482/34491/statistics">



Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.