Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.unb.br/handle/10482/33765
Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
2018_RildoAlexandreFernandesdaSilva.pdf3,4 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir
Título: Caracterização morfo-molecular de Gliocephalotrichum em diferentes hospedeiros
Autor(es): Silva, Rildo Alexandre Fernandes da
Orientador(es): Pinho, Danilo Batista
Assunto: Filogenia molecular
Podridão
Fungos
Data de publicação: 8-Jan-2019
Referência: SILVA, Rildo Alexandre Fernandes da. Caracterização morfo-molecular de Gliocephalotrichum em diferentes hospedeiros. 2018. 56 f., il. Dissertação (Mestrado em Fitopatologia)—Universidade de Brasília, Brasília, 2018.
Resumo: Gliocephalotrichum pertence à família Nectriaceae, pertence ao grupo dos Calonectria -like por possuir similaridades morfológicas, ecológicas e epidemiológicas ao gênero Calonectria dificultando a precisa identificação. Até o momento o gênero Gliocephalotrichum permanece pouco estudado. Embora esse gênero seja responsável por causar podridão pós-colheita em diversos frutos, poucas espécies fúngicas foram completamente caracterizadas. Trabalhos recentes revelaram novas espécies e novos relatos desses fitopatógenos em diversos países. No Brasil, o estudo sobre esse fungo é restrito a cinco espécimes encontrados em dois Estados da Federação. Portanto, neste contexto o objetivo desse estudo é caracterizar morfo-molecularmente as espécies de Gliocephalotrichum associadas a diferentes hospedeiros. Foram obtidos 54 isolados de Gliocephalotrichum a partir de frutos sintomáticos de Caryocar brasiliense (pequi), Cyrtostachys renda (palmeira vermelha), Dypsis madagascariensis (palmeira locuba), Garcinia mangostana (mangostin), Spondias mombin (cajazinho), Spondias purpurea (seriguela), Syagrus romanzoffiana (gueroba), Syzygium cumini (jamelão), e Syzygium jambos (jambo amarelo), nos Estados Goiás, Minas Gerais, Piauí, Tocantins e no Distrito Federal. Culturas monohifais foram utilizadas para a extração do DNA genômico e amplificação da região fator de elongação para todos os isolados. Análises filogenéticas por Inferência Bayesiana dos 54 isolados revelaram seis clados distintos. Para a identificação precisa, isolados representativos de cada clado, hospedeiro e localidade foram selecionados para a caracterização morfológica e o sequenciamento adicional das regiões ITS (Ineternal Transcription Spacer), Histona e β-tubulina. A combinação da análise multigênica com comparações morfológicas revela a existência de três potenciais novas espécies associadas ao cajazinho, gueroba, pequi, seriguela, mangostin e palmeira locuba, que serão propostas seguindo as normas do Código Internacional de Nomenclatura para Algas, Fungos e Plantas. Gliocephalotrichum longibrachium foi encontrado pela primeira vez no país e em associação com pequi. Adicionalmente, G. bulbilium e G. simplex, anteriormente relatadas no Brasil a partir de amostras de solo, foram relatadas pela primeira vez em associação com jambo amarelo, jamelão, palmeira locuba, palmeira vermelha e seriguela. Comprova-se nesse estudo que espécimes representativos das seis espécies identificadas são capazes de causar podridão em frutos de pequi e seriguela. Esse é o primeiro trabalho abrangente sobre Gliocephalotrichum no Brasil. Estudos complementares são necessários para (i) coletar um número maior de isolados, (ii) examinar os espécimes por caracteres morfológicos e moleculares, (iii) descrever os espécimes considerados como novos, e (iv) relatar as novas ocorrências para o hospedeiro/substrato ou o novo registro de distribuição geográfica.
Abstract: Gliocephalotrichum belongs to the family Nectriaceae, belongs to the group of Calonectria-like for it possesses morphological, ecological and epidemiological similarities to the genus Calonectria, hindering the precise identification of this genus. So far the genus Gliocephalotrichum remains little studied. Although this genus is responsible for causing post-harvest rot in several fruits, few fungal species have been completely characterized. Recent works have revealed new species and new reports of these phytopathogens in several countries. In Brazil, the study on this fungus is restricted to five specimens found in two States of the Federation. Therefore, in this context, the objective of this study is to characterize morpho-molecularly Gliocephalotrichum species associated with different hosts. A total of 54 isolates of Gliocephalotrichum were obtained from symptomatic fruits of Caryocar brasiliense (pequi), Cyrtostachys renda (red palm), Dypsis madagascariensis (palm of locuba), Garcinia mangostana (mangostin), Spondias mombin (Cajazinho), Spondias purpurea (seriguela), Syagrus romanzoffiana (gueroba), Syzygium cumini (jamelão), and Syzygium jambos (yellow jambo), in the States of Goiás, Minas Gerais, Piauí, Tocantins and in the Distrito Federal. Monophalic cultures were used for genomic DNA extraction and amplification of the elongation factor region for all isolates. Phylogenetic analysis by Bayesian Inference of 54 isolates revealed six distinct clades. For the precise identification, representative isolates of each clade, host, and locality were selected for the morphological characterization and the additional sequencing of the ITS (Internal Transcription Spacer), histone and β-tubulin regions. The combination of multigenic analysis with morphological comparisons reveals the existence of three potentially new species associated with cajazinho, gueroba, pequi, seriguela, mangostin and palm locuba, which will be proposed following the International Code of Nomenclature for Algae, Fungi and Plants. Gliocephalotrichum longibrachium was first found in the country and in association with pequi. In addition, G. bulbilium and G. simplex, previously reported in Brazil from soil samples, were first reported in association with yellow jambo, jamelão, palm of locuba, red palm and seriguela. It is verified in this study that representative specimens of the six species identified are capable of causing rot in small and seriguela fruits. This is the first comprehensive work on Gliocephalotrichum in Brazil. Further studies are needed to (i) collect a larger number of isolates, (ii) examine specimens by morphological and molecular characters, (iii) describe specimens considered novel, and (iv) report as new occurrences for the host/substrate or the new geographical distribution record.
Informações adicionais: Dissertação (mestrado)—Universidade de Brasília, Instituto de Ciências Biológicas, Departamento de Fitopatologia, Programa de Pós-Graduação em Fitopatologia, 2018.
Licença: A concessão da licença deste item refere-se ao termo de autorização impresso assinado pelo autor com as seguintes condições: Na qualidade de titular dos direitos de autor da publicação, autorizo a Universidade de Brasília e o IBICT a disponibilizar por meio dos sites www.bce.unb.br, www.ibict.br, http://hercules.vtls.com/cgi-bin/ndltd/chameleon?lng=pt&skin=ndltd sem ressarcimento dos direitos autorais, de acordo com a Lei nº 9610/98, o texto integral da obra disponibilizada, conforme permissões assinaladas, para fins de leitura, impressão e/ou download, a título de divulgação da produção científica brasileira, a partir desta data.
Agência financiadora: Fundação de Apoio a Pesquisa do Distrito Federal (FAP-DF); Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES).
Aparece nas coleções:FIT - Mestrado em Fitopatologia (Dissertações)

Mostrar registro completo do item Recomendar este item Visualizar estatísticas



Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.