Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.unb.br/handle/10482/33749
Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
2018_MarinaTeixeiraMendesdeSouzaCosta.pdf2,06 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir
Título: A unidade corpo-mente nas atividades criadoras de brincar, narrar e desenhar das crianças cegas ou com baixa visão
Autor(es): Costa, Marina Teixeira Mendes de Souza
Orientador(es): Silva, Daniele Nunes Henrique
Assunto: Crianças - desenvolvimento
Cegos - educação
Baixa-visão
Desenvolvimento infantil
Brincadeiras - educação
Data de publicação: 7-Jan-2018
Referência: COSTA, Marina Teixeira Mendes de Souza. A unidade corpo-mente nas atividades criadoras de brincar, narrar e desenhar das crianças cegas ou com baixa visão. 2018. 216 f., il. Tese (Doutorado em Processos de Desenvolvimento Humano e Saúde)—Universidade de Brasília, Brasília, 2018.
Resumo: O presente estudo, fundamentado na perspectiva histórico-cultural, tem como premissa basilar que a imaginação é especificamente humana e, tanto na filogênese quanto na ontogênese, o ser humano produz cultura e cria a si mesmo. Ao tratar o desenvolvimento infantil, a pesquisa tem como objetivo central compreender – a partir da unidade corpo-mente – as atividades criadoras de brincar, narrar e desenhar das crianças cegas ou com baixa visão. Em um desdobramento, intentamos: a) analisar quais e como os recursos expressivos e o uso do objeto-pivô configuram os processos criadores na brincadeira, na narrativa e/ou no desenho das crianças com deficiência visual; b) discutir a articulação da linguagem, imaginação e a produção de imagem no processo criador das crianças cegas ou com baixa visão; e c) caracterizar as especificidades das atividades criadoras de brincar, narrar e desenhar das crianças em questão. Para tanto, foi realizado um trabalho investigativo no ano de 2015 em uma escola pública na região centro-oeste do Brasil, própria para crianças cegas (congênita e adquirida) ou com baixa visão. Foi analisada uma turma de alunos com seis anos de idade, durante o turno matutino, com duração média de cinco horas semanais, entre os meses de maio e dezembro. Os modos de construção dos dados foram estruturados da seguinte forma: a) Parte 1 (imersão no campo): observações; b) Parte 2 (sensibilização investigativa): realização de oficinas videogravadas; c) Parte 3 (construção investigativa dos dados): videogravação da rotina escolar; e d) Parte 4 (culminância investigativa): retorno da pesquisa para os participantes e responsáveis. Para a análise microgenética dos dados, as observações foram registradas em diário de campo e as videogravações transcritas após suas realizações. Os dados foram divididos em três eixos de análise, quais sejam: Eixo 1) A indissociabilidade entre corpo-mente: os recursos expressivos das crianças cegas ou com baixa visão em suas atividades criadoras de brincar, narrar e/ou desenhar no cotidiano escolar; Eixo 2) A articulação da linguagem, imaginação e a produção de imagem no processo criador das crianças cegas ou com baixa visão: o tempo e o espaço; Eixo 3) As especificidades das brincadeiras, narrativas e desenhos das crianças cegas ou com baixa visão. Em linhas gerais, destacamos os principais resultados: a) as crianças se expressaram por meio de diferentes recursos linguísticos articulados a movimentos e expressões corporais específicos durante suas atividades criadoras; b) as crianças cegas ou com baixa visão não se ativeram, necessariamente, às características dos objetos, mas à ação a ser realizada com eles; c) os movimentos corporais que pareceram bizarros durante a atividade se atrelaram à maneira como as crianças perceberam o mundo de que participam; c) a linguagem oral ocupou centralidade na atividade imaginativa e criadora das crianças pesquisadas; e) foram criados diferentes tempos/espaços como constitutivos do faz de conta, da narrativa e do desenho; f) as crianças revelaram outras formas de visibilidade e, consequentemente outros modos de significação.
Abstract: This study is conducted from a historical-cultural perspective and is based on the assumption that imagination is human-specific. In both phylogeny and ontogeny, the human being produces culture and creates himself/herself. When addressing children's development, the research chiefly aims to understand – considering the body-mind unit – the creative activities of playing, narrating and drawing by blind or visually impaired children. As a further development, we attempt to: a) analyze which expressive resources represent the creative processes (and how they represent them) and the use of the pivot object in the play, in the narrative and/or in the drawing of visually impaired children; b) discuss the interconnection of language, imagination and production of images in the creative process of blind or visually impaired children, and c) characterize the specifics of the creative activities of playing, narrating and drawing performed by the children in question. To this end, a study was conducted in 2015 in a public school located in the Center-West of Brazil for children with congenital and acquired blindness or vision impairment. A morning class of six-year-old students was observed for an average of five hours a week between May and December. The data gathering method was structured as follows: a) Part 1 (field immersion): observations; b) Part 2 (investigative sensitization): video workshops; c) Part 3 (investigative data gathering): recording the school routine on video, and d) Part 4 (investigative culmination): returning the research results to participants and to those in charge. For the microgenetic analysis of data, the observations were recorded in a field journal and the video recordings were transcribed after completion. The data were divided into three analytical axes, namely: Axis 1) The inseparability of body and mind: the expressive resources of blind or visually impaired children in their creative activities of playing, narrating and/or drawing in daily school life; Axis 2) The interconnection of language, imagination and image production in the creative process of blind or visually impaired children: the space and time; Axis 3) The specificities of the plays, narratives and drawings of blind or visually impaired children. In general, we highlight the main results: a) the children expressed themselves through different linguistic resources interconnected with specific movements and bodily expressions during their creative activities; b) blind or visually impaired children did not necessarily focus on the characteristics of the objects, but on the activity to be performed with them; c) the bodily movements that seemed bizarre during the activity were linked to how the children perceive the world they are in; c) oral language was core in the imaginative and creative activity of the children surveyed; e) creation of different times/spaces as part of make believe, narratives and drawings; f) children revealed other forms of visibility and, consequently, other modes of signification.
Informações adicionais: Tese (doutorado)—Universidade de Brasília, Instituto de Psicologia, Programa de Pós-graduação em Processos de Desenvolvimento Humano e Saúde, 2018.
Licença: A concessão da licença deste item refere-se ao termo de autorização impresso assinado pelo autor com as seguintes condições: Na qualidade de titular dos direitos de autor da publicação, autorizo a Universidade de Brasília e o IBICT a disponibilizar por meio dos sites www.bce.unb.br, www.ibict.br, http://hercules.vtls.com/cgi-bin/ndltd/chameleon?lng=pt&skin=ndltd sem ressarcimento dos direitos autorais, de acordo com a Lei nº 9610/98, o texto integral da obra disponibilizada, conforme permissões assinaladas, para fins de leitura, impressão e/ou download, a título de divulgação da produção científica brasileira, a partir desta data.
Aparece nas coleções:PED - Doutorado em Processos de Desenvolvimento Humano e Saúde (Teses)

Mostrar registro completo do item Recomendar este item Visualizar estatísticas



Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.