Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.unb.br/handle/10482/33252
Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
2018_RodrigoBezerraFernandes.pdf22,85 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir
Título: Realidade virtual em Arquitetura : alternativa de baixo custo
Autor(es): Fernandes, Rodrigo Bezerra
Orientador(es): Silva, Neander Furtado
Assunto: Realidade virtual
Smartphone
Projeto arquitetônico
Data de publicação: 20-Dez-2018
Referência: FERNANDES, Rodrigo Bezerra. Realidade virtual em Arquitetura: alternativa de baixo custo. 2018. xvii, 136 f., il. Dissertação (Mestrado em Arquitetura e Urbanismo)—Universidade de Brasília, Brasília, 2018.
Resumo: A evolução das tecnologias digitais trouxe diversos dispositivos, como celulares, tablets, computadores, cada vez mais acessíveis e presentes no cotidiano das pessoas. Isso gerou uma série de facilidades, como conectividade, capacidade de armazenamento e manipulação de arquivos pesados, e esse impacto tecnológico atingiu rapidamente as mais diversas profissões, inclusive os arquitetos. O projeto arquitetônico é mentalmente concebido e diversas formas de representação podem ser utilizadas para a sua comunicação, bem como para melhor visualização em termos de proporção e escala. A realidade virtual aplicada à visualização de modelo arquitetônico tridimensional mostra-se como mais um recurso possível para a percepção do espaço. A realidade virtual vem se popularizando e tem sido considerada um ramo promissor, atraindo muitas empresas para a produção de aplicativos. Contudo, os periféricos do segmento high-end são consideravelmente caros e necessitam de computadores muito potentes para serem capazes de renderizar as imagens em tempo real. Observando os empecilhos financeiros dessa modalidade de uso de realidade virtual, pretende-se investigar uma alternativa de baixo custo, com a utilização de smartphones acoplados a periféricos óticos de custo consideravelmente mais baixo, bem como avaliar se essa alternativa proporciona uma experiência imersiva capaz de passar noções de escala e profundidade do modelo tridimensional arquitetônico. O trabalho conta com a análise dos periféricos concorrentes que mais facilmente são encontrados no Brasil e comparação dos respectivos preços para a escolha do que será utilizado no experimento. Além disso, é necessário optar por um aplicativo de celular que é capaz de abrir o modelo arquitetônico com o uso da estereoscopia, fundamental para melhorar a sensação de imersão do usuário no espaço tridimensional digital. O experimento foi realizado com alunos graduandos em Arquitetura e Urbanismo da Universidade de Brasília com a aplicação de dois questionários, um antes e outro depois da visualização do modelo tridimensional arquitetônico de demonstração presente no aplicativo escolhido, o BIMx (Graphisoft, Nemetschek Group). Os dados coletados mostraram que no grupo participante há um alto índice de utilização prévia da realidade virtual, em jogos ou em cinemas 3D. Além disso, todos os participantes possuem smartphone e a grande maioria negou sentir efeitos adversos do uso. Em relação à experiência de visualização, os indivíduos afirmaram que a experiência não teve grandes problemas quanto à fluidez, além de ter gerado imersão e noções de escala e profundidade significativas na grande maioria dos participantes. Quanto à movimentação, os resultados não apontam problemas, com a grande maioria dos participantes considerando eficiente o controle de direção do olhar e a maioria afirmando que os controles de caminhada e de velocidade de caminhada oferecem intuitividade mediana. A pesquisa realizada pôde detectar fortes tendências positivas em relação ao uso de óculos de realidade virtual de baixo custo. Apesar de algumas ressalvas em relação à movimentação, ligada ao software utilizado no experimento, a grande maioria dos participantes percebeu a imersão e a percepção de escala e proporção do projeto arquitetônico significativas, indicador deste recurso como uma importante ferramenta na visualização de projetos, além de não considerar o custo dos óculos um problema ou impedimento.
Abstract: Digital technology evolution has brought many devices to people’s lives, as smartphones, tablets, computers, becoming more accessible. It has led to increased and eased connectivity, bigger storage and manipulation capacity, impacting rapidly many professions, including architecture. Architectural design is mentally conceived and many ways of representation can be used to its communication and better visualization and perception of scale and proportions. Virtual reality used for architectural tridimensional models visualization might be considered as another alternative to space perception. Virtual reality has been becoming more popular and is also considered a promising field, attracting many companies to applications development. However, high-end peripheral hardware is expensive in Brazil and also need very powerful computers to be able to render images in real time. Acknowledging the high cost of today’s virtual reality solution, it’s intended to investigate a low cost alternative, using smartphones with viewers as headmounted displays as a lot cheaper solution, and also evaluate if this alternative solution provides a good immersive experience capable of communicating scale and depth of architectural tridimensional models. This research explores availability of virtual reality peripherals in Brazil and compares its prices to choose which one will be used on trial. Besides that, application alternatives will be studied to choose one that supports architectural tridimensional model stereoscopic visualization, which is primordial to enhance immersion sensation in digital tridimensional space. Trial has been realized with Architecture and Urbanism graduating students of University of Brasília administrating 2 surveys: 1 before and 1 after visualizing a demonstration architectural model of BIMx application (Graphisoft, Nemetschek Group). Collected data show high rates of previous experience with virtual reality in games of 3d movies. Nevertheless, all participants have a smartphone and most of them didn’t report health issues. Regarding visualization experience, participants affirmed that it had no big problems about fluidity apart from being able to generate distinguished sensations of immersion and depth perception to most subjects. Concerning mobility, data show no problems, with large majority of participants considered view direction control efficient and most of them affirmed that walk and speed walking controls were regular. This research could detect strong positive evidence regarding using a low cost virtual reality alternative. Despite some notes about mobility, due to the application used in trial, the large majority of the subjects reported substantial immersion and scale and depth perception on visualizing architectural tridimensional model besides not considering its cost an obstruction.
Informações adicionais: Dissertação (mestrado)—Universidade de Brasília, Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo, 2018.
Licença: A concessão da licença deste item refere-se ao termo de autorização impresso assinado pelo autor com as seguintes condições: Na qualidade de titular dos direitos de autor da publicação, autorizo a Universidade de Brasília e o IBICT a disponibilizar por meio dos sites www.bce.unb.br, www.ibict.br, http://hercules.vtls.com/cgi-bin/ndltd/chameleon?lng=pt&skin=ndltd sem ressarcimento dos direitos autorais, de acordo com a Lei nº 9610/98, o texto integral da obra disponibilizada, conforme permissões assinaladas, para fins de leitura, impressão e/ou download, a título de divulgação da produção científica brasileira, a partir desta data.
Agência financiadora: Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq).
Aparece nas coleções:FAU - Mestrado em Arquitetura e Urbanismo (Dissertações)

Mostrar registro completo do item Recomendar este item Visualizar estatísticas



Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.