Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.unb.br/handle/10482/33213
Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
2018_PatríciaColmeneroMoreiradeAlcântara_PARCIAL.pdf622,65 kBAdobe PDFVisualizar/Abrir
Título: Eu, Frosina : comunicação romanesca como reconstrução de memórias cinematográficas
Autor(es): Alcântara, Patrícia Colmenero Moreira de
Orientador(es): Sá, Sérgio Araújo de
Assunto: Cinema
Literatura
Ficção
Romance
Análise do discurso narrativo
Filme e literatura
Data de publicação: 17-Dez-2018
Referência: ALCÂNTARA, Patrícia Colmenero Moreira de. Eu, Frosina: comunicação romanesca como reconstrução de memórias cinematográficas. 2018. 317 f., il. Tese (Doutorado em Comunicação)—Universidade de Brasília, Brasília, 2018.
Resumo: Poderia uma vida se alinhar a partir de ranhuras e esboços de uma lembrança? Petra, Naomi, Clarissas e Clarices — autoras, narradoras e personagens — se reclinaram diante do peso da memória. O passado parece conduzir, poderoso, o ritmo de narrativas literárias, cinematográficas e familiares. Este trabalho propõe como metodologia que a ficção é forma única de libertar a vontade da prisão do tempo. O texto é um híbrido de memória e criação assim como funde a investigação do romance à da pesquisa acadêmica. A partir das perguntas e propostas encontradas em Mrs Dalloway, de Virginia Woolf; Elena e Olmo e a Gaivota, de Petra Costa; Sinfonia em branco, de Adriana Lisboa, e Tarachime, de Naomi Kawase, e com o auxílio de pensadores como Gilles Deleuze, Félix Guattari e Friedrich Nietzsche, o romance-tese sobre quatro gerações de mulheres busca responder como o artista pode superar o fardo do eterno retorno.
Abstract: Could someone’s entire existence be aligned from the grooves and drafts of a memory? Petra, Naomi, Clarissas e Clarices — writers, storytellers and characters —were bent over the weight of a memory. The past seems to lead the way, all-mighty, of the rhythm of literary, cinematographic and family narratives. This thesis proposes as a method that fiction is an unique way of freeing oneself from time’s will to imprison us all. The text is a hybrid between memory and creation, like the merge of the romance novel’s investigation to the academic research. From the questions and proposals found in Mrs Dalloway, by Virginia Woolf; Elena and Olmo and the Seagull by Petra Costa; Symphony in White, by Adriana Lisboa, and Tarachime, by Naomi Kawase, with help from philosophers like Gilles Deleuze, Félix Guattari and Friedrich Nietzsche, the romance-thesis about four generations of women searches for the answer to how an artist can overcome the burden of the eternal recurrence.
Informações adicionais: Tese (doutorado)—Universidade de Brasília, Faculdade de Comunicação, Programa de Pós-graduação em Comunicação, 2018.
Texto parcialmente liberado pelo autor. Conteúdo liberado: Resumo, abstract e referências.
Licença: A concessão da licença deste item refere-se ao termo de autorização impresso assinado pelo autor com as seguintes condições: Na qualidade de titular dos direitos de autor da publicação, autorizo a Universidade de Brasília e o IBICT a disponibilizar por meio dos sites www.bce.unb.br, www.ibict.br, http://hercules.vtls.com/cgi-bin/ndltd/chameleon?lng=pt&skin=ndltd sem ressarcimento dos direitos autorais, de acordo com a Lei nº 9610/98, o texto integral da obra disponibilizada, conforme permissões assinaladas, para fins de leitura, impressão e/ou download, a título de divulgação da produção científica brasileira, a partir desta data.
Aparece nas coleções:FAC - Doutorado em Comunicação (Teses)

Mostrar registro completo do item Recomendar este item Visualizar estatísticas



Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.