Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.unb.br/handle/10482/33180
Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
2018_MarianaVelosoMeireles_PARCIAL.pdf5,32 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir
Título: Fatores associados à resposta virológica inicial em pessoas vivendo com HIV que iniciaram terapia antirretroviral em 2014-2015
Autor(es): Meireles, Mariana Veloso
Orientador(es): Duarte, Elisabeth Carmen
Coorientador(es): Pascom, Ana Roberta Pati
Assunto: HIV - infecção
Pessoas HIV-positivo
AIDS (Doença) - tratamento
Terapia antirretroviral
Data de publicação: 11-Dez-2018
Referência: MEIRELES, Mariana Veloso. Fatores associados à resposta virológica inicial em pessoas vivendo com HIV que iniciaram terapia antirretroviral em 2014-2015. 2018. 113 f., il. Dissertação (Mestrado em Medicina Tropical)—Universidade de Brasília, Brasília, 2018.
Resumo: INTRODUÇÃO: Em 2013, foi implementado um novo protocolo para o manejo clínico das pessoas vivendo com HIV/aids (PVHA) no Brasil, no qual recomendou-se o início imediato da terapia antirretroviral (TARV) para todas as PVHA, independente da contagem de limfócitos T CD4+ ou estágio clínico. A carga viral (CV) circulante é o principal marcador utilizado para mensurar a resposta à TARV. Neste trabalho, os objetivos foram: i. descrever a coorte de PVHA adultas que iniciaram TARV em 2014-2015 e ii. identificar fatores - clínicos, sociodemográficos e relacionados ao tratamento - associados à resposta virológica inicial nestes indivíduos. MÉTODOS: Dados de quatro sistemas de informação foram combinados para reconstruir a coorte histórica dos pacientes da população de estudo. Na primeira parte do trabalho descreve-se o perfil de todas as PVHA adultas (15+ anos) e na segunda é avaliada a supressão viral inicial e seus fatores associados, apenas para as PVHA que fazem seguimento laboratorial no Sistema Único de Saúde (SUS). Modelos de regressão logística não-condicional foram utilizados para avaliar fatores associados à probabilidade de não se alcançar a supressão viral (SV), definida como uma mensuração de CV > 200 cópias/mL ou óbito por aids registrados em 180±90 do início da TARV. RESULTADOS: Foram identificadas 133.666 PVHA adultas que iniciaram TARV no Brasil no período de estudo. Estas eram, em sua maioria, do sexo masculino (68,0%), com 20 a 39 anos de idade (63,8%, mediana de 34 anos). A mediana de CD4 basal observada foi 379 (Q1 190 – Q3 561) células/μL. Um total de 76.950 PVHA (57,6%) tiveram seguimento laboratorial no SUS e, destas, 85,2% alcançaram SV. Na análise múltipla, tiveram maiores chances de não-SV as PVHA com: contagens mais baixas de CD4+ e mais altas de CV ao início da terapia, idade mais jovem, categorias de exposição heterossexual ou de uso de drogas injetáveis (em relação aos homens que fazem sexo com homens), menor nível educacional, raça preta/parda, maiores número de comprimidos diários prescritos e frequência de dosagem (2 vezes/dia), residência em municípios distantes (>100 km) das unidades dispensadoras de medicamentos e nas regiões Norte e Sul do país (em relação ao Centro-Oeste). A probabilidade de SV de indivíduos em esquemas contendo inibidores de protease com booster foi semelhante à dos que receberam prescrição de inibidores não nucleosídeos da transcriptase reversa, e superior à dos que continham inibidores de protease sem booster (todos os p-valores <0,001). Não houve diferença na probabilidade de SV entre pacientes com CD4+ inicial de 350-499 e 500 células/μL. CONCLUSÕES: Os achados endossam a decisão tomada no Brasil em 2013 de recomendar o início imediato da TARV para todas as pessoas vivendo com HIV/aids, independentemente do estágio clínico ou CD4+. Vários fatores associados à resposta virológica inicial foram identificados; o papel destes fatores deve ser reconhecido para maximizar a adesão à TARV e ampliar as taxas de sucesso do tratamento.
Abstract: BACKGROUND: In 2013, new guidelines were implemented for the clinical management of people living with HIV/AIDS (PLWH) in Brazil, in which the immediate initiation of antiretroviral therapy (ART) was recommended for all PLHW regardless of T CD4+ cell counts or clinical stage. HIV RNA viral load (VL) is the most important marker used to assess the response to ART. In this study, the objectives were: i. to describe the cohort of adult PLWH who started ART in 2014 and 2015 and ii. to identify clinical, sociodemographic and treatment-related factors associated with the initial virological response in these individuals. METHODS: Data from four national information systems were combined to reconstruct the historical cohort of patients in the study population. In the first part of this study the profile of all adult PLWH (15+ years) is described and in the second, the initial virological response to ART is assessed only for those that perform CD4 and VL counts in the Unified Health System (SUS). Unconditional logistic regression models were used to evaluate factors associated with the probability of not achieving initial virological suppression, defined as a VL count >200 copies/mL or death recorded at 180±90 days after ART initiation. RESULTS: A total of 133,666 adult PLWH who started ART in Brazil during the study period were identified. They were mostly males (68.0%), with 20-39 years of age (63.8%, median of 34 years). Median baseline CD4 count was 379 (ranging from 1st quartile of 190 to 3rd quartile of 561) cells/μL. A total of 76,950 PLWH (57.6%) had their laboratory follow-up in SUS, and of these, 85.2% achieved virologic suppression. In the multiple regression analysis, individuals with the following characteristics showed higher odds of non-virological suppression: lower CD4 + and higher CV counts at treatment initiation, younger age, heterosexual or injection drug use exposure categories (relative to men who have sex with men), lower educational level, black/brown race/color, higher pill burden and higher dosing frequency (twice daily, relative to once daily), residence in municipalities far (>100 km) from the ARV pick-up pharmacy and in the North and South regions of the country (relative to those in the Center-west). Odds of virological suppression in PLWH on regimens containing boosted protease inhibitors was similar to that of those on regimens containing non-nucleoside reverse transcriptase inhibitors and higher than those containing unboosted protease inhibitors (all p-values <0.001). There was no difference in the probability of virological suppression among patients with baseline CD4+ counts of 350-499 and 500 cells/μL. CONCLUSIONS: The findings support the decision made in Brazil in 2013 to recommend the immediate initiation of ART for all PLWH, regardless of clinical stage or CD4+ counts. Several factors associated with the initial virological response were identified; the role of these factors should be recognized to maximize adherence to ART and to increase treatment success rates.
Informações adicionais: Dissertação (mestrado)—Universidade de Brasília, Faculdade de Medicina, Pós-graduação em Medicina Tropical, 2018.
Texto parcialmente liberado pelo autor. Conteúdo restrito: Capítulo 5. Resultados.
Licença: A concessão da licença deste item refere-se ao termo de autorização impresso assinado pelo autor com as seguintes condições: Na qualidade de titular dos direitos de autor da publicação, autorizo a Universidade de Brasília e o IBICT a disponibilizar por meio dos sites www.bce.unb.br, www.ibict.br, http://hercules.vtls.com/cgi-bin/ndltd/chameleon?lng=pt&skin=ndltd sem ressarcimento dos direitos autorais, de acordo com a Lei nº 9610/98, o texto integral da obra disponibilizada, conforme permissões assinaladas, para fins de leitura, impressão e/ou download, a título de divulgação da produção científica brasileira, a partir desta data.
Aparece nas coleções:FMD - Mestrado em Medicina Tropical (Dissertações)

Mostrar registro completo do item Recomendar este item Visualizar estatísticas



Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.