Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.unb.br/handle/10482/33133
Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
ARTIGO_DiversidadeCulturalReconhecimento.pdf665,58 kBAdobe PDFVisualizar/Abrir
Título: Diversidade cultural e reconhecimento no quadro de políticas de comunicação e cultura no Brasil : desafios e perspectivas para concretização da Convenção da Unesco de 2005
Autor(es): Leal, Sayonara de Amorim Gonçalves
Assunto: Multiculturalismo
Reconhecimento
Política de comunicação de massa
Política cultural
Data de publicação: 2017
Editora: Programa de Pós-Graduação em Sociologia Política da Universidade Federal de Santa Catarina
Referência: LEAL, Sayonara. Diversidade cultural e reconhecimento no quadro de políticas de comunicação e cultura no Brasil: desafios e perspectivas para concretização da Convenção da Unesco de 2005. Política e Sociedade, Santa Catarina, v. 16, n. 35, p. 94-131, 2017. DOI: http://dx.doi.org/10.5007/2175-7984.2017v16n35p94. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/politica/article/view/2175-7984.2017v16n35p94/34239. Acesso em: 06 dez. 2018.
Resumo: Este trabalho discute as políticas de comunicação e cultura no Brasil voltadas para radiodifusão, especialmente para a televisão e o audiovisual (cinema), em (des)compasso com o princípio de diversidade cultural, conforme a Convenção sobre a Proteção e a Promoção da Diversidade das Expressões Culturais da Unesco de 2005. Partimos de uma reflexão acerca da diversidade cultural como um problema construído no seio das sociedades multiculturais onde as demandas por reconhecimento operam a partir tanto da ideia de estima de si e respeito mútuo como daquela de justiça social, desembocando em lutas sociais permanentes dos membros das sociedades em suas rotinas de vida. Em seguida, vislumbramos o problema da diversidade cultural em cenários de monopólios dos meios de comunicação de largo alcance, como é o caso do Brasil, onde elementos de uma ética democrática como a liberdade de expressão encontram resistências em função da vigência de um modelo cultural hegemônico e reificante de produção e comercialização da cultura e da comunicação. Neste sentido, advogamos que a concretização dos princípios democratizantes do fazer cultural postos pela Convenção da Unesco de 2005 exige reformas em nosso marco legal para as comunicações a partir do tripé cidadania, reconhecimento e diversidade cultural. A emergência de um espaço simbólico cosmopolita que envolva a visibilidade das narrativas e formas estéticas do universal e do particular que habitam a nossa diversidade cultural depende de amparo institucional e da rotinização do “reconhecimento normativo” como prática em nosso agir no mundo da vida.
Licença: Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional. (CC BY). Fonte: https://periodicos.ufsc.br/index.php/politica/article/view/2175-7984.2017v16n35p94. Acesso em: 20 out. 2017.
DOI: http://dx.doi.org/10.5007/2175-7984.2017v16n35p94
Aparece nas coleções:SOL - Artigos publicados em periódicos

Mostrar registro completo do item Recomendar este item Visualizar estatísticas



Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.