Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.unb.br/handle/10482/32789
Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
2018_MariaLuciaCamposGonçalves.pdf1,25 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir
Título: Influência do exercício físico moderado na atividade eletromiográfica do biofeedback da musculatura do assoalho pélvico de mulheres não atletas
Autor(es): Gonçalves, Maria Lúcia Campos
Orientador(es): Sousa, João Batista de
Assunto: Assoalho pélvico
Exercício físico
Biofeedback
Eletromiografia
Data de publicação: 8-Out-2018
Referência: GONÇALVES, Maria Lúcia Campos. Influência do exercício físico moderado na atividade eletromiográfica do biofeedback da musculatura do assoalho pélvico de mulheres não atletas. 2018. [65] f., il. Tese (Doutorado em Ciências Médicas)—Universidade de Brasília, Brasília, 2018.
Resumo: Introdução: Os músculos do assoalho pélvico atuam como suporte dos órgãos pélvicos, estabilizam a articulação sacroilíaca e contribuem como fator esfincteriano nos mecanismos de continência, micção e evacuação. Diversos pesquisadores documentaram a repercussão dos exercícios físicos em atletas como causa ou agravante para as disfunções dos músculos do assoalho pélvico. Objetivo: Estudar os efeitos da prática do exercício físico moderado no ganho funcional da musculatura do assoalho pélvico de mulheres não atletas, por meio do biofeeedback eletromiográfico. Material e método: Participaram 90 mulheres com idade ≥18 anos, que constituíram três grupos, cada um com 30 mulheres: Grupo de Estudo (E) - mulheres que iniciaram a prática regular de exercício físico assim que ingressaram na pesquisa. Grupo Exercício físico (EF) - mulheres que já praticavam exercício físico e Grupo Controle (C) - mulheres que se mantiveram sedentária durante todo o estudo. Todas foram avaliadas por biofeedback de eletromiografia dos músculos do assoalho pélvico, realizadas em dois momentos: ao ingressar na pesquisa (T1) e ao final do 3º mês subsequente a primeira mensuração (T2). Resultado: A média de idade das participantes foi de 35,7±9,75 anos sem diferença estatística entre os grupos (grupo E 34,70±10,07, grupo C 35,73±9,67 e grupo EF 36,67±9,75 - p=0,7412). Os valores médios do biofeedback eletromiográfico dos músculos do assoalho pélvico no T1 apresentaram diferença estatística significante entre os três grupos (grupo E 13,12±1,96μv, grupo C 13,43±12,8μv; 14,1 e grupo EF 15,00 ±2,44 μv p = 0,0013). Os valores de T1 nos grupos E e C foram menores do que no grupo EF (valores de p = 0,0020 e p = 0,0127, respectivamente). Não houve diferença estatisticamente significante entre os grupos E e C (valor de p = 1,0000). Na comparação entre os grupos para os valores obtidos no T2, o grupo E foi o que apresentou maior valor quando comparado aos grupos C e EF (Grupo E18,5μv X Grupo C 15,3μv valor de p < 0,0001, Grupo E X Grupo EF 16,1μv p = 0,0008). Não houve diferença estatisticamente significante entre os grupos S e EF. O grupo E apresentou a maior variação entre T1 e T2 para análise ajustada para idade, seguidos dos grupos EF e grupo C (Grupo E 4,7μv p<0,0001, Grupo EF 2,1μv p<0,0001 e C 1,5 p=0,0002). Conclusão: É possível concluir que mulheres praticantes de exercício físico moderado apresentam melhor função muscular do assoalho pélvico do que as mulheres sedentárias.
Abstract: Introduction: Several investigators have documented physical exercise as a cause of pelvic floor muscle dysfunction in female athletes. However, studies in non-athletes are lacking. Objective: To assess the influence of moderate physical exercise on pelvic floor muscle electromyographic (EMG) biofeedback signal in female non-athletes. Material and Method: Prospective, non-randomized design. The sample comprised 90 adult women (age ≥18 years), divided into three groups: Intervention (I), women who began physical exercise upon study enrollment; Moderate Exercise (ME), women who already engaged in physical activity; and Sedentary (S), women who led a sedentary lifestyle. All underwent EMG biofeedback of the pelvic floor muscles upon study enrollment (T1) and at the end of the 3rd subsequent month (T2). Results: Mean age was 35.7 (SD: 7.5) years, with no significant difference across groups. T1 values in groups I and S were lower than in group ME (p=0.0020 and p=0.0127, respectively). There was no statistically significant difference between groups S and I (p=1.0000). On comparison across groups at T2, values were highest in group I (18.5 μV vs. 15.3 μV in group S, p<0.0001; vs. 16.1 μV in group ME, p=0.0008). There was no statistically significant difference between groups S and ME. On age-adjusted analysis, group I exhibited the greatest change between T1 and T2 (I, 4.7 μV, p<0.0001; ME, 2.1 μV, p<0.0001; S, 1.5 μV, p=0.0002). Conclusion: Women who exercise exhibit better pelvic floor muscle function than women who do not engage in physical activity.
Informações adicionais: Tese (doutorado)—Universidade de Brasília, Faculdade de Medicina, Programa de Pós-Graduação em Ciências Médicas, 2018.
Licença: A concessão da licença deste item refere-se ao termo de autorização impresso assinado pelo autor com as seguintes condições: Na qualidade de titular dos direitos de autor da publicação, autorizo a Universidade de Brasília e o IBICT a disponibilizar por meio dos sites www.bce.unb.br, www.ibict.br, http://hercules.vtls.com/cgi-bin/ndltd/chameleon?lng=pt&skin=ndltd sem ressarcimento dos direitos autorais, de acordo com a Lei nº 9610/98, o texto integral da obra disponibilizada, conforme permissões assinaladas, para fins de leitura, impressão e/ou download, a título de divulgação da produção científica brasileira, a partir desta data.
Aparece nas coleções:FMD - Doutorado em Ciências Médicas (Teses)

Mostrar registro completo do item Recomendar este item Visualizar estatísticas



Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.