Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.unb.br/handle/10482/32766
Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
2018_JulianaRibeirodaSilva.pdf1,19 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir
Título: Retórica e literatura em : O mal de Montano (2005), Dublinesca (2011) e Paris não tem fim (2007), de Enrique Vila Matas
Autor(es): Silva, Juliana Ribeiro da
Orientador(es): Amaro, José Luis Martinez
Assunto: Retórica
Metaliteratura
Romantismo
Literatura - crítica e interpretação
Data de publicação: 5-Out-2018
Referência: SILVA, Juliana Ribeiro da. Retórica e literatura em: O mal de Montano (2005), Dublinesca (2011) e Paris não tem fim (2007), de Enrique Vila Matas. 2018. 123 f., il. Dissertação (Mestrado em Literatura)—Universidade de Brasília, Brasília, 2018.
Resumo: Esta dissertação propõe uma valorização do conceito de retórica; ao tratá-la como a arte do falar bem e não de falar o Bem ou a verdade, tratá-la como uma qualidade, um adjetivo (HANSEN, 2013); no qual a leitura dos textos O mal de Montano, Dublinesca e Paris não tem fim produz uma escrita que relativiza o absoluto literário estabelecido pelo romantismo do século XIX, coloca a ficção, a ironia, a biografia e autobiografia no literário ao romper com a perspectiva platônica de verdade e verossimilhança. A partir do terceiro gênero do discurso retórico, o epidítico, que trata de elogiar e vituperar, a literatura é colocada como o centro do discurso dos personagens Rosario Girondo, Riba e o escritor sem nome, e produz uma escrita lida como metaliterária, ou metaficção. Propõe, ainda, ler os enunciados dos personagens citados como sofistas, que ora exaltam e ora criticam, relativizar o conceito de originalidade (BARTHES, 1999), ao sugerir a obra como um processo, e não um produto, e reafirmar o papel do leitor na recepção das obras literárias.
Abstract: This dissertation proposes an appreciation of the concept of rhetoric; in treating it as the art of speaking good and not of the speaking the well or truth, treating it as a quality, an adjective (Hansen, 2013); in which the reading of the texts O mal de Montano, Dublinesca and Paris não tem fim produces a writing that relativizes the literary absolute established by the romanticism of the nineteenth century, puts the fiction, irony, biography and autobiography in the literary by breaking with platonic’s perspective of truth and verisimilitude. As from the third genre of rhetorical discourse, the epideictic, which tries to praise and vituperate, literature is placed as the center of the discourse of the personages Rosario Girondo, Riba and the writer without name, and produces a writing read as metaliterary, or metafiction. It proposes, further, to read the statements of the characters quoted as sophists who at times extol and at times criticize, relativize the concept of originality (BARTHES, 1999), treating the work as a process, not a product, and reaffirm the role of the reader in the reception of literary works.
Informações adicionais: Dissertação (mestrado)—Universidade de Brasília, Instituto de Letras, Departamento de Teoria Literária e Literaturas, Programa de Pós-Graduação em Literatura, 2018.
Licença: A concessão da licença deste item refere-se ao termo de autorização impresso assinado pelo autor com as seguintes condições: Na qualidade de titular dos direitos de autor da publicação, autorizo a Universidade de Brasília e o IBICT a disponibilizar por meio dos sites www.bce.unb.br, www.ibict.br, http://hercules.vtls.com/cgi-bin/ndltd/chameleon?lng=pt&skin=ndltd sem ressarcimento dos direitos autorais, de acordo com a Lei nº 9610/98, o texto integral da obra disponibilizada, conforme permissões assinaladas, para fins de leitura, impressão e/ou download, a título de divulgação da produção científica brasileira, a partir desta data.
Aparece nas coleções:TEL - Mestrado em Literatura (Dissertações)

Mostrar registro completo do item Recomendar este item Visualizar estatísticas



Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.