Skip navigation
Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unb.br/handle/10482/32439
Files in This Item:
File Description SizeFormat 
2018_GilmarPereiraSilva.pdf4,57 MBAdobe PDFView/Open
Title: Efeito da inflamação sistêmica na qualidade do sêmen de pacientes renais crônicos submetidos à hemodiálise : análise dos níveis de ferritina e transferrina seminal
Authors: Silva, Gilmar Pereira
Orientador(es):: Carneiro, Fabiana Pirani
Assunto:: Doença renal crônica
Disfunção gonadal
Sêmen - qualidade
Infertilidade
Inflamação sistêmica
Hemodiálise - pacientes
Issue Date: 17-Aug-2018
Citation: SILVA, Gilmar Pereira. Efeito da inflamação sistêmica na qualidade do sêmen de pacientes renais crônicos submetidos à hemodiálise: análise dos níveis de ferritina e transferrina seminal. 2018. [94] f., il. Tese (Doutorado em Ciências da Saúde)—Universidade de Brasília, Brasília, 2018.
Abstract: Introdução: a disfunção gonadal instala-se no curso de muitas doenças agudas ou crônicas como resultado da ação de toxinas endógenas ou exógenas, processos inflamatórios e oxidativo agudos ou crônicos. A disfunção gonadal promove alterações nos níveis de hormônios sexuais e na qualidade seminal, manifestando-se clinicamente por alterações de fertilidade (sub/infertilidade). Mesmo não se encontrado estudos que avaliem o percentual de portadores de doença renal crônica hemodialítica no sexo masculino com alterações na qualidade seminal, admite-se que não seja desprezível o percentual daqueles com alterações importantes de qualidade seminal manifestada por oligospermia, teratospermia e azoospermia. Os estudos até então existentes atribuem estas alterações neste grupo de doentes predominantemente a fatores urêmicos e oxidativo comumente associados aos mesmos. Considerando que cerca de 40-60% dos doentes renais crônicos em hemodiálise apresentam processo inflamatório sistêmico crônico, resolveu-se verificar se inflamação sistêmica interfere nos níveis de ferritina seminal (Fts) e transferrina seminal (Tfs) e se estas estão associadas aos parâmetros seminais(PS) e índice de fertilidade(IF), considerando a possível propriedade antioxidativa atribuída a estas proteínas. Metodologia: estudo transversal realizado no Setor de Hemodiálise do Hospital Universitário da Universidade de Brasília entre julho de 2016 e dezembro de 2016 em homens com idade entre 18 e 60 anos, sem hepatopatia aguda ou crônica e eugonádicos. Aqueles com diagnóstico de hemocromatose ou doenças do metabolismo do ferro foram excluídos. Amostra composta de 60 casos de doença renal hemodialítica crônica subdividida em três subgrupos de acordo com o nível sérico de proteína C-reativa (PCR) ultra-sensível: grupo 1 ("com inflamação" n = 30, CRP> 5 ng / ml), grupo 2 (sem inflamação, n = 30, PCR ≤ 5ng / ml), grupo 3 (grupo 1 + grupo 2) e grupo 4 (controle saudáveis, n = 30, PCR ≤ 1 ng / ml). Foram utilizadas amostras de sangue e colheita de esperma para analisar os parâmetros bioquímicos e hematológicos (ureia, creatinina, frações de albumina, globulina e hemograma completo), parâmetros hormonais (hormônio folículo estimulante (FSH), hormônio luteinizante (HL), testosterona total (TT), prolactina (PRL), Fts e Tfs, PCR sérica, parâmetro seminal (espermograma - método manual), cálculo de IF e preparação de fluido seminal por centrifugação. Resultados: parâmetros hematológicos e bioquímicos (hemoglobina, ureia, creatinina e albumina); PS; parâmetros hormonais (FSH, LH, TT e PRL); IF e Tfs foram significativamente menores no grupo 3 que no grupo 4. Não houve diferenças significativas para variáveis idade, globulina e Fts. O fator inflamatório analisado isoladamente parece não interferir nos subgrupos casos (grupos 1 e 2), mas houve diferenças significativas (P<0,05) encontrados entre grupos 3 e 4 para as variáveis (parâmetros bioquímicos, seminal, hormonal, IF e Tfs). A Fts não se correlacionou (p>0,05) com IF, PS, FSH, TT e Tfs, independentemente do status inflamatório. A Tfs correlacionou-se positivamente (p≤0,001), independente do status inflamatório, com IF e parâmetros seminais, exceto a morfologia espermática no grupo sem inflamação (r=0,272; p=0,146) e hormônios. A PCR correlacionou-se com Fts e motilidade espermática no grupo sem inflamação. Conclusões: sendo a inflamação sistêmica crônica prevalente nos pacientes renais crônicos, o presente estudo tem sua importância por ser o primeiro a verificar o possível efeito do fator inflamatório, definido pelos níveis de PCR sérica, sobre a qualidade seminal, considerando que estudos prévios atribuem estas alterações predominantemente a fatores uréticos, oxidativos e hormonais. Os resultados aqui obtidos sugerem que a inflamação sistêmica parece não interferir significativamente nos níveis de ferritina/transferrina seminal. Mas a transferrina seminal parece útil na avaliação inicial destes pacientes com suspeita de infertilidade por alteração na qualidade seminal por se mostrar associada a todos os parâmetros seminais e índice de fertilidade.
Abstract: Introduction: gonadal dysfunction occurs in the course of many acute or chronic diseases as a result of the action of endogenous or exogenous toxins, acute or chronic inflammatory and oxidative processes. The gonadal dysfunction promotes changes in sex hormone levels and seminal quality, manifested clinically by changes in fertility (sub / infertility). Even if we did not find studies that evaluate the percentage of patients with chronic hemodialytic kidney disease in males with changes in seminal quality, it is admitted that the percentage of such as important seminal quality changes manifested by oligospermia, teratospermia and azoospermia is not negligible. Previous studies have attributed these changes in this group of patients, predominantly to uremic and oxidative factors commonly associated with them. Considering that about 40-60% of chronic renal patients undergoing hemodialysis present a chronic systemic inflammatory process, it was decided to verify if systemic inflammation interferes in the levels of seminal ferritin (Fts) and seminal transferrin (Tfs) and whether these are associated with seminal parameters and fertility index (IF), considering the possible antioxidative property attributed to these proteins. Methodology: a cross-sectional study carried out in the Hemodialysis Sector of the University Hospital of the University of Brasília between July 2016 and December 2016 in men aged between 18 and 60 years, without acute or chronic hepatopathy and eugonadic. They were excluded those with a diagnosis of hemochromatosis or diseases of iron metabolism. Sample composed of 60 cases of patients on chronic hemodialysis subdivided into three subgroups according ultrasensitive c-reactive protein (CRP) serum level: group 1 (“with inflammation”, n = 30, CRP> 5 ng / ml), group 2(without inflammation, n = 30, PCR ≤ 5ng / ml), group 3 (group 1 + group 2) and group 4 (healthy controls, n = 30, PCR ≤ 1ng / ml). Blood samples and sperm harvested to indicate biochemical and hematological parameters (urea, creatinine, albumin and globulin fractions and complete blood count), hormonal parameters (follicle stimulating hormone(FSH), luteinizing hormone(LH), total testosterone(TT), prolactin(PRL), SF and ST, serum CRP and SP(spermogram - manual method), calculation of fertility index(FI) and preparation of seminal fluid by centrifugation. Results: hematological and biochemical parameters (hemoglobin, urea, creatinine and albumin); SP; hormonal parameters (FSH, LH, TT and PRL); FI and ST were significantly lower in the group 3 compared to the group 4. There were no significant differences for age, globulin and SF variables (P <0.05). The inflammatory factor analyzed alone does not seem to interfere in the subgroups cases (groups 1 and 2), but there were significant differences (P <0.05) found between groups 3 and 4 for the variables (biochemical, seminal and hormonal parameter, FI and ST. SF did not correlate (p> 0.05) with FI, SP, FSH, TT and ST, independently of the inflammatory status. ST was positively correlated (p≤0.001), independently of inflammatory status, with FI and seminal parameters, except the sperm morphology of the without inflammation group (r = 0.272, p = 0.146) and hormones. CRP correlated with SF and sperm motility in the without inflammation group. Conclusions: since chronic systemic inflammation is prevalent in chronic renal patients, the present study is important because it is the first to verify the possible effect of the inflammatory factor defined by serum CRP levels on seminal quality, whereas that previous studies have attributed these changes predominantly to the uremic and oxidative factors commonly associated with these patients. The results obtained here suggest that systemic inflammation does not appear to significantly interfere with seminal ferritin / transferrin levels. But seminal transferrin seems useful in the initial evaluation of these patients with suspected infertility by alteration in seminal quality because it is associated with all seminal parameters and fertility index.
Description: Tese (doutorado)—Universidade de Brasília, Faculdade de Ciências da Saúde, Programa de Pós-Graduação em Ciências da Saúde, 2018.
Licença:: A concessão da licença deste item refere-se ao termo de autorização impresso assinado pelo autor com as seguintes condições: Na qualidade de titular dos direitos de autor da publicação, autorizo a Universidade de Brasília e o IBICT a disponibilizar por meio dos sites www.bce.unb.br, www.ibict.br, http://hercules.vtls.com/cgi-bin/ndltd/chameleon?lng=pt&skin=ndltd sem ressarcimento dos direitos autorais, de acordo com a Lei nº 9610/98, o texto integral da obra disponibilizada, conforme permissões assinaladas, para fins de leitura, impressão e/ou download, a título de divulgação da produção científica brasileira, a partir desta data.
Appears in Collections:FS - Doutorado em Ciências da Saúde (Teses)

Show full item record Recommend this item " class="statisticsLink btn btn-primary" href="/handle/10482/32439/statistics">



Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.