Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.unb.br/handle/10482/32385
Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
2018_ArijMohamadRadwanOmarChabrawi.pdf1,75 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir
Título: Psicodinâmica do trabalho presidiário : do reconhecimento à emancipação social
Autor(es): Chabrawi, Arij Mohamad Radwan Omar
Orientador(es): Mendes, Ana Magnólia Bezerra
Assunto: Psicodinâmica do trabalho
Economia solidária
Cooperação
Data de publicação: 7-Ago-2018
Referência: CHABRAWI, Arij Mohamad Radwan Omar. Psicodinâmica do trabalho presidiário: do reconhecimento à emancipação social. 2018. 177 f., il. Dissertação (Mestrado em Psicologia Social, do Trabalho e das Organizações)—Universidade de Brasília, Brasília, 2018.
Resumo: No contexto de exploração e dessubjetivação do indivíduo pela via do trabalho, a economia solidária surge como uma alternativa ao modo de produção vigente. Contudo, a experiência dos empreendimentos de economia solidária (ES) tem demonstrado ser difícil promover a cooperação, haja vista a impossibilidade de cumpri-la como algo imposto ou prescrito. Neste aspecto, a Psicodinâmica do Trabalho assume papel fundamental por aportar a cooperação e a solidariedade como elementos essenciais ao preenchimento do hiato entre o real e o prescrito do trabalho e permitir a transformação da alienação em trabalho vivo, a partir da aplicação das inteligências práticas. Além disso, a teoria prevê que a ocorrência de reconhecimento possui o potencial de gratificar simbolicamente aos sujeitos, fornecendo-lhes subsídios de suma importância para a dinâmica da integração social e construção identitária. No bojo da análise sobre o trabalho como transformador do ethos social dos indivíduos, surge a questão do trabalho penitenciário, estimulado pela Lei de Execuções Penais. Entretanto, dispõe de mecanismos e programas falhos e insuficientes para promover a ressocialização de presidiários e egressos prisionais. Atualmente, no Brasil, a massa carcerária apenas se avoluma e em péssimas condições de infraestrutura, saúde, opressão e assujeitamento – o que cria um cenário de suma precariedade e desumanização desses indivíduos. Neste contexto, a pesquisa analisou a psicodinâmica do trabalho cooperado de presidiários em regime semiaberto e egressos, associados a uma cooperativa brasiliense de reciclagem de resíduos de construção. Assim, a PdT foi empregada como objeto de estudo e como abordagem teórico-metodológica. Realizou-se a pré-pesquisa, quatro reuniões de discussão com os trabalhadores e observações clínicas. Participaram das discussões 10 trabalhadores: nove homens e uma mulher. Entre eles, sete eram presidiários e três ex-presidiários. A idade média dos participantes foi de 36,9a anos. A pesquisa decorreu integralmente na organização para oportunizar o envolvimento dos presidiários em regime semiaberto. Os resultados indicaram que a organização não atua plenamente como um empreendimento de economia solidária (EES), devido a diversas condicionalidades de precarização do mercado e do trabalho. Não obstante, identificou-se grande flexibilização do prescrito, cessão de autonomia e liberdade aos trabalhadores para desenvolver o prescrito e as regras do viver juntos, baseados na solidariedade e cooperação, tanto sob a perspectiva dejouriana, quanto da ES. O espaço de discussão oferta ambiente democrático, palco de discussões estratégicas e operacionais, de acesso livre a todos. Identificou-se que, a despeito das condições desfavoráveis nas instalações da cooperativa e dos riscos e danos oriundos do trabalho, a fonte de sofrimento patogênico deriva da organização penitenciária, onde a inserção na cooperativa permite a transformação em sofrimento criativo e ressignificar o histórico de opressão e vulnerabilidade em autonomia e empoderamento. Diversas tipologias de reconhecimento foram averiguadas sendo, de fato, o elemento central para a transformação do sentido do trabalho e do direcionamento de vida aos presidiários e egressos, indicando que – não apenas a mera oportunidade de trabalho permite a ressocialização, mas um contexto que promova o empoderamento, a cooperação, a solidariedade e, por fim, a emancipação social desses indivíduos.
Abstract: In a context of exploitation and desubjectivation through labour, the solidarity economy emerges as an alternative to the current production model. However, the experience from the solidarity economy enterprises exposes the difficulty in promoting cooperation, since it is impossible to comply with it as something imposed or prescribed. In this aspect, the Psychodynamics of Labour (PoL) assumes a fundamental role for bringing cooperation and solidarity as main principles to fill the gap between the real and the prescribed work and allow the transformation of alienation into a living labour, by applying the practical intelligences. In addition, the theory foresees that recognition has the potential to symbolically reward subjects and providing them with extremely important subsidies for the social integration and identity building dynamics. Within the analysis of work as an element to transform the individuals’ social ethos, the issue of penitentiary work arises as it has been stimulated by the Law of Penal Executions in Brazil. However, it has insufficient and flawed mechanisms and programs to promote the resocialization of former and current inmates. Currently, in Brazil, the prison population only increases and in poor conditions of infrastructure, health, and oppression - what creates a scenario of extreme precariousness and dehumanization of these people. In this regard, the research analyzed the psychodynamics of the cooperative labour of semi-open inmates and former inmates associated to a Brazilian cooperative dedicates to recycling construction waste. Thus, the PoL was applied as an object of analysis and as a theoretical-methodological approach. Pre-research and four discussion meetings with workers and clinical observations were carried out, ten workers participated in the discussions: nine men and one woman. Among them, seven were inmates and three former offenders. The participants’ average age was 36, 9 years. The research was held entirely in the organization to allow the involvement of inmates in semi-open regime. The results indicated that the organization is not fully run as a solidarity economy enterprise due to several precariousness conditionalities of market and labour. Nonetheless, it was identified a great flexibility of the prescribed, the granting of autonomy and liberty to workers develop the prescribed and the rules of living together based on solidarity and cooperation, both under the perspective of PoL and the solidarity economy. The discussion space offers a democratic environment, being a stage for strategic and operational discussions with free access to all workers. It was identified that despite the unfavorable conditions in the cooperative's premises and the damages and risks implied by working, the source of the pathogenic suffering derives from the penitentiary organization, whereas being part of the cooperation allows the transformation of the pathological suffering into the creative one and resignifying the historical of oppression and vulnerability into autonomy and empowerment. Several types of recognition have been investigated demonstrating that it is, in fact, the central element for transforming the sense of work and a life guidance to prisoners and former offenders, indicating that - not only the mere opportunity of work allows resocialization, but a context that promotes empowerment, cooperation, solidarity and finally, the social emancipation of these individuals.
Resumen: En el contexto de exploración y desubjetivación del individuo por la via del trabajo, la economía solidaria surge como una alternativa al modo de producción vigente. Sin embargo, la experiencia de emprendimiento de economía solidaria (ES) ha demostrado la dificultad de promover la cooperación debido a la imposibilidad de cumplirla como algo impuesto o prescrito. En este aspecto la Psicodinámica del Trabajo (PdT) asume un rol fundamental por aportar la cooperación y la solidaridad como elementos esenciales a la reducción de la brecha entre lo real y lo prescrito del trabajo, y permitir la transformación de la alienación en trabajo vivo, a partir de la aplicación de las inteligencias prácticas. Junto con eso, la teoría prevé que la emergencia de reconocimiento posee el potencial de gratificar simbólicamente a los sujetos, entregándoles herramientas de suma importancia para la dinámica de integración social y construcción identitaria. En el marco del análisis sobre el trabajo como transformador del ethos social de los individuos, surge la cuestión del trabajo penitenciario, estimulado por la Ley de Ejecuciones Penales. Sin embargo, esta dispone de mecanismos y programas defectuosos e insuficientes para promover la reinserción de presidiarios y ex presidiarios. Actualmente, en Brasil, la masa carcelaria solo aumenta, y en pésimas condiciones de infraestructura, salud, opresión y subyugación – lo que crea un escenario de suma precariedad y deshumanización de los individuos. En este contexto, la investigación analizó la psicodinámica de trabajo colaborativo de presidiarios en régimen semiabierto y ex presidiarios, asociados a una cooperativa brasiliense de reciclaje de residuos de construcción. Así, la PdT fue empleada como objeto de estudio y como abordaje teórico metodológico. Se realizó la pre investigación, cuatro reuniones de discusión con los trabajadores y observaciones clínicas. Participaron de las discusiones 10 trabajadores: (nueve hombres y una mujer). De estos, siete eran presidiarios y tres ex presidiarios. La edad media de los participantes fue de 36,9 años. La investigación se llevó a cabo integralmente en la organización para crear oportunidades de participación de los presidiarios en régimen semiabierto. Los resultados indicaron que la organización no actúa plenamente como un emprendimiento de economía solidaria (EES) debido a diversas condiciones de precarización del mercado y del trabajo. No obstante, se identificó gran flexibilización de lo prescrito, los trabajadores ganaron autonomía y libertad para desarrollar lo prescrito y las reglas de convivencia, basadas en la solidaridad y cooperación, tanto bajo la perspectiva dejouriana, como de la ES. El espacio de discusión ofrece un ambiente democrático, escenario de discusiones estratégicas e operacionales, de acceso libre a todos. Se identificó que a pesar de las condiciones desfavorables en las instalaciones de la cooperativa y de los riegos y daños propios del trabajo, la fuente de sufrimiento patológico deriva de la organización penitenciaria, en donde la inserción en la cooperativa permite la transformación en sufrimiento creativo y la resignificación de lo histórico de la opresión y la vulnerabilidad en autonomía y empoderamiento. Diversas tipologías de reconocimiento fueron comprobadas, siendo, de hecho, el elemento central para la transformación del sentido y del direccionamiento de la vida de los presidiarios y ex presidiarios, indicando que – no solo la mera oportunidad de trabajo permite la reinserción social, sino un contexto que promueva el empoderamiento, la cooperación, la solidaridad y finalmente la emancipación social de los individuos.
Informações adicionais: Dissertação (mestrado)—Universidade de Brasília, Instituto de Psicologia, Programa de Pós-Graduação em Psicologia Social, do Trabalho e das Organizações, 2018.
Licença: A concessão da licença deste item refere-se ao termo de autorização impresso assinado pelo autor com as seguintes condições: Na qualidade de titular dos direitos de autor da publicação, autorizo a Universidade de Brasília e o IBICT a disponibilizar por meio dos sites www.bce.unb.br, www.ibict.br, http://hercules.vtls.com/cgi-bin/ndltd/chameleon?lng=pt&skin=ndltd sem ressarcimento dos direitos autorais, de acordo com a Lei nº 9610/98, o texto integral da obra disponibilizada, conforme permissões assinaladas, para fins de leitura, impressão e/ou download, a título de divulgação da produção científica brasileira, a partir desta data.
Agência financiadora: Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES).
Aparece nas coleções:PSTO - Mestrado em Psicologia Social, do Trabalho e das Organizações (Dissertações)

Mostrar registro completo do item Recomendar este item Visualizar estatísticas



Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.