Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.unb.br/handle/10482/32306
Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
2018_KarineWlasenkoNicolau.pdf5,71 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir
Título: Grupalidade como dispositivo tecnológico em saúde mental : discursos e representações em análise
Autor(es): Nicolau, Karine Wlasenko
Orientador(es): Escalda, Patrícia Maria Fonseca
Coorientador(es): Furlan, Paula Giovana
Assunto: Saúde mental
Técnicas grupais
Serviços de saúde
Data de publicação: 16-Jul-2018
Referência: NICOLAU, Karine Wlasenko. Grupalidade como dispositivo tecnológico em saúde mental: discursos e representações em analise. 2018. xii, 78 f., il. Tese (Doutorado em Ciências e Tecnologias em Saúde)—Universidade de Brasília, Brasília, 2018.
Resumo: Grupalidade refere-se ao dispositivo tecnológico que orienta a utilização das diversas técnicas grupais, especialmente a partir do século XX. Ao direcionar ações, comporta elementos dos quais as representações sociais fazem parte. No contexto da Reforma Psiquiátrica brasileira, a grupalidade apresenta-se central e não se restringe ao manejo técnico dos grupos. A tese reúne quatro artigos e a discussão geral dos mesmos, com conteúdos que se fundamentam na premissa comum de que as transformações pretendidas pela Reforma Psiquiátrica em curso exigem a participação de seus agentes e a inclusão de elaborações cotidianas de representações e de sentidos relativos as praticas desenvolvidas. O conjunto de artigos objetivou refletir a respeito da grupalidade nos serviços substitutivos de Saúde Mental denominados Centros de Atenção Psicossocial, com base em discursos e representações de profissionais de saúde e usuários(as). O primeiro artigo reporta-se a importância dos estudos de representações sociais na Saúde Mental. Baseado em revisão de literatura, considerou as aproximações com o cotidiano de profissionais e usuários(as). O segundo artigo enfatiza a usabilidade de programas como o Qualiquantisoft e o DSCsoft na produção do Discurso do Sujeito Coletivo em pesquisas qualiquantitativas em saúde. O terceiro artigo sinaliza a importância da Analise de Discurso na ampliação do contexto de pesquisa, para alem dos dados produzidos. O quarto artigo relata a pesquisa de campo realizada nos quatro CAPS do Distrito Federal para pessoas em sofrimento psíquico grave e persistente. O percurso metodológico envolveu questionários, observação participante, grupos de discussão com profissionais de saúde e entrevistas com usuários(as). Pesquisa de abordagem qualitativa e tipo descritivo-exploratorio, ocorrida entre fevereiro de 2016 a junho de 2017. Processamento das informações: elaboração de Discursos do Sujeito Coletivo com o auxilio do programa Qualiquantisoft, fundamentado na Teoria das Representações Sociais. Baseando-se em aportes teóricos da Psicologia Social e da Saúde Coletiva no âmbito da Reforma Psiquiátrica, a analise dos resultados sugeriu sentidos nos quais o imperativo da socialização se destaca como meta a ser alcançada pelos grupos; e, paradoxalmente, para representações que identificaram o grupo como “nao-lugar” a ser desessencializado pela convivência e pela participação democrática. Verificou-se ancoragens iniciais de uma grupalidade fractal, orientada pelos desvios das trajetórias vivas, ainda não objetivada nos discursos, porem atuante na expansão e na renovação das ações em Saúde Mental. Defende-se o estatuto tecnológico da grupalidade, considerando sua relação com o caráter produzido e subjetivo da realidade social no cuidado em Saúde Mental.
Abstract: Groupality refers to technological device that guides the use of various group techniques, especially from the twentieth century. When directing actions, it includes elements as social representations. In the context of the Brazilian Psychiatric Reform, groupality presents itself as a central theme and is not restricted to the technical management of groups. The thesis brings together four articles whose contents are based on the common premise that the transformations intended by the ongoing Psychiatric Reform require the participation of its agents and the inclusion of daily constructions of representations and meanings related to the practices developed. The first article refers to the importance of studies of social representations in Mental Health. Based on a literature review, it considered approximations with the daily life of professionals and users. The second article emphasizes the usability of programs such as Qualiquantisoft and DSCsoft in the production of Discourses of the Collective Subject in qualitative health research. The third article indicates importance of Discourse Analysis in broadening research context, in addition to data produced. The fourth article reports results of field research carried out in four Psychosocial Care Centers (CAPS) of the Federal District (DF) for people in severe and persistent psychic suffering, aiming to reflect on the grouping in these substitutive services of Mental Health. The methodological course involved questionnaires, participant observation, discussion groups with health professionals and interviews with users. The research, with a qualitative approach and descriptive-exploratory type, occurred between February 2016 and June 2017. The information processing took place through elaboration of Discourses of the Collective Subject with the aid of the program Qualiquantisoft, based on the Theory of Social Representations. Based on theoretical contributions of Social Psychology and Colective Health in scope of Psychiatric Reform, the analysis of results points to directions in which the imperative of socialization stands out as a goal to be achieved by the groups; and, paradoxically, to representations that identify group as a "non-place" to be de-emphasized by coexistence and democratic participation. There were initial anchorages of a fractal group, oriented by the deviations of the living trajectories, not yet consolidated in discourses, but active in the expansion and renewal of actions in Mental Health. Technological status of the groupality is defended by relation with produced and subjective character of the social reality in Mental Health care.
Informações adicionais: Tese (doutorado)—Universidade de Brasília, Faculdade de Ceilândia, Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Ciências e Tecnologias e Saúde, 2018.
Licença: A concessão da licença deste item refere-se ao termo de autorização impresso assinado pelo autor com as seguintes condições:Na qualidade de titular dos direitos de autor da publicação, autorizo a Universidade de Brasília e o IBICT a disponibilizar por meio dos sites www.bce.unb.br, www.ibict.br, http://hercules.vtls.com/cgi-bin/ndltd/chameleon?lng=pt&skin=ndltd sem ressarcimento dos direitos autorais, de acordo com a Lei nº 9610/98, o texto integral da obra disponibilizada, conforme permissões assinaladas, para fins de leitura, impressão e/ou download, a título de divulgação da produção científica brasileira, a partir desta data.
Aparece nas coleções:PGCTS - Doutorado em Ciências e Tecnologias em Saúde

Mostrar registro completo do item Recomendar este item Visualizar estatísticas



Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.