Skip navigation
Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unb.br/handle/10482/32200
Files in This Item:
File Description SizeFormat 
2017_ZuleideOliveiraFeitosa.pdf4,42 MBAdobe PDFView/Open
Title: Modelo conceitual das motivações conscientes e não conscientes do comportamento de uso do automóvel com base na teoria do comportamento planejado -TCP
Authors: Feitosa, Zuleide Oliveira
Orientador(es):: Gonzales Taco, Pastor Willy
Assunto:: Automóveis - uso excessivo
Teoria do comportamento planejado
Mobilidade urbana
Issue Date: 3-Jul-2018
Citation: FEITOSA, Zuleide Oliveira. Modelo conceitual das motivações conscientes e não conscientes do comportamento de uso do automóvel com base na teoria do comportamento planejado -TCP. 2017. xiv, 153 f., il. Tese (Doutorado em Transportes)—Universidade de Brasília, Brasília, 2017.
Abstract: O objetivo da tese foi desenvolver um modelo conceitual do uso do automóvel (MIH) com base na Teoria do Comportamento Planejado (Ajzen, 1991). O problema de pesquisa aborda o comportamento de uso do automóvel no contexto da mobilidade urbana (A Lei de Mobilidade Urbana de 12.587/12). No contexto internacional, a atenção dos pesquisadores muito tem se voltado para o problema do uso exacerbado do automóvel e muitos esforços têm sido feitos para se compreender e se reduzir o uso do automóvel. O estudo sobre as motivações instrumentais, afetivo-simbólicos e independência para explicar o uso do automóvel, no Brasil, está recebendo atenção pela primeira vez por meio do estudo empírico realizado no trabalho de tese. Dessa feita, foi elaborado um modelo conceitual composto por cinco variáveis do modelo original da TCP (Ajzen, 1991), e mais quatro agregadas, os motivos instrumentais, afetivo-simbólicos, independência e hábito. A aplicação do modelo foi conduzida em dois momentos: i) levantamento das evidências de validade do construto da motivação, realização do pré-teste do instrumento para medir a motivação relacionada ao uso do carro com N=208, Estudo 1. Após ter sido concluído esse passo; ii) construiu-se um questionário, que incorporou as subescalas da motivação, e do hábito, obtendo-se uma composição de 45 itens após a realização do pré-teste. O referido questionário foi aplicado a uma amostra de 409 condutores de automóvel no Distrito Federal (Estudo 2), destes, 254 completaram o questionário. Desse modo, as nove variáveis mencionadas compõem o Modelo Conceitual de Uso do Automóvel (MIH). A testagem do MIH, por meio de equações estruturais obedeceu 3 fases previamente estabelecidas: i) descrição do modelo; ii) validade e confiabilidade do modelo; iii) valoração do modelo estrutural. Os resultados mostraram que o modelo conceitual de uso do automóvel é baseado em motivações conscientes, que se referem à razoabilidade da consciência (os fatores antecedentes da intenção) e não conscientes, que se referem aos automatismos (o hábito). Concluiu-se que o modelo MIH é preditor de uso do automóvel com base na Teoria do Comportamento Planejado (TCP).
Abstract: The objective of the thesis was to develop a conceptual model of car use (MIH) based on the Theory of Planned Behavior (Ajzen, 1991). The research problem addresses the behavior of car use in the context of urban mobility (The Urban Mobility Act of 12,587 / 12). In the international context, the attention of researchers has largely addressed the problem of the exacerbated use of the automobile and many efforts have been made to understand and reduce its use. The study on the instrumental, affective-symbolic motivations and independence to explain the use of the automobile in Brazil is receiving attention for the first time through the empirical study carried out in the thesis. A conceptual model composed of five variables of the original TCP model (Ajzen, 1991) was elaborated, and four other aggregates, the instrumental, affective-symbolic, independence and habit motifs were elaborated. The application of the model was conducted in two moments: i) survey of evidence of validity of the construct of motivation, accomplishment of the instrument pre-test to measure the motivation related to the use of the car with N = 208, Study 1. After concluding this step; ii) a questionnaire was built, which incorporated the motivation and habit subscales, obtaining a composition of 45 items after the pre-test. This questionnaire was applied to a sample of 409 automobile drivers in the Federal District (Study 2), of which 254 completed the questionnaire. In this way, the nine mentioned variables make up the Conceptual Model of Use of the Automobile (MIH). The MIH test, through structural equations, followed 3 previously established phases: i) description of the model; ii) validity and reliability of the model; iii) valuation of the structural model. The results showed that the conceptual model of car use is based on conscious motivations, which refer to the reasonableness of consciousness (the antecedent factors of intention) and non-conscious ones, which refer to automatisms (habit). It was concluded that the MIH model is a predictor of car use based on the Theory of Planned Behavior (TCP).
Description: Tese (doutorado)—Universidade de Brasília, Faculdade de Tecnologia, Departamento de Engenharia Civil e Ambiental, 2017.
Licença:: A concessão da licença deste item refere-se ao termo de autorização impresso assinado pelo autor com as seguintes condições:Na qualidade de titular dos direitos de autor da publicação, autorizo a Universidade de Brasília e o IBICT a disponibilizar por meio dos sites www.bce.unb.br, www.ibict.br, http://hercules.vtls.com/cgi-bin/ndltd/chameleon?lng=pt&skin=ndltd sem ressarcimento dos direitos autorais, de acordo com a Lei nº 9610/98, o texto integral da obra disponibilizada, conforme permissões assinaladas, para fins de leitura, impressão e/ou download, a título de divulgação da produção científica brasileira, a partir desta data.
Appears in Collections:ENC - Doutorado em Transportes Urbanos (Teses)

Show full item record Recommend this item " class="statisticsLink btn btn-primary" href="/handle/10482/32200/statistics">



Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.