Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.unb.br/handle/10482/32155
Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
2018_RomeroGomesPereiradaSilva.pdf35,46 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir
Título: Cenários dos espaços verdes urbanos no Brasil
Autor(es): Silva, Romero Gomes Pereira da
Orientador(es): Saito, Carlos Hiroo
Assunto: Espaços urbanos
Espaços verdes urbanos
Desenvolvimento urbano
Desenvolvimento sustentável
Região Integrada de Desenvolvimento do Distrito Federal e Entorno (RIDE)
Data de publicação: 27-Jun-2018
Referência: SILVA, Romero Gomes Pereira da. Cenários dos espaços verdes urbanos no Brasil. 2018. 386 f., il. Tese (Doutorado em Desenvolvimento Sustentável)—Universidade de Brasília, Brasília, 2018.
Resumo: Dada a importância socioambiental dos espaços verdes no meio urbano, esta tese traz uma ampla discussão e contextualização sobre esses espaços nas cidades nos âmbitos histórico e socioeconômico. A busca do desenvolvimento urbano sustentável passa pela presença dos espaços verdes nas cidades, sobretudo nas áreas com maior vulnerabilidade social. A análise tomou como base o mapeamento dos espaços verdes urbanos (estabelecidos como maiores de 625 m2) considerando como estudo de caso as áreas urbanas de quatro Regiões Metropolitanas - RM (Manaus, Porto Alegre, Recife e São Paulo), além da RIDE-DF e Entorno. Além da ampla revisão de literatura, a análise utilizou-se dos Sistema de Informações Geográficas (SIGs) e softwares específicos como IDRISI, QGIS e GeoDa para a produção cartográfica, alicerce das análises. As principais bases de dados utilizadas foram: as imagens de satélite RapidEye (base para elaboração dos mapas dos espaços verdes urbanos), os setores censitários urbanos (IBGE, 2010) e os mapas de vulnerabilidade social segregados por Unidade de Desenvolvimento Humano – UDH (IPEA, 2015). O grande diferencial dos dados de vulnerabilidade social é que eles estão disponíveis na escala intramunicipal e reúnem em cada UDH um conjunto de setores censitários de mesmas características socioeconômicas, pontos essenciais para a análise que se propôs ir além dos ranqueamento de “cidades-verdes”. Tomando 2010 como ano base, foi elaborada uma metodologia para aferir se os espaços verdes urbanos estão situados em áreas de melhores índices socioeconômicos, sendo essa a hipótese da tese. Para investigá-la, analisouse a presença dos espaços verdes urbanos e sua relação com dados demográficos, assim como a correlação espacial entre o Índice de Vulnerabilidade Social (IVS – IPEA, 2015). O método de correlação espacial utilizado foi a Autocorrelação Espacial Local pelo Índice de Moran. Destacase que a hipótese foi refutada em grande parte. Os espaços verde urbanos não estão concentradas majoritariamente em áreas com melhores índices sociais. Nas quatro RM o mais observado foi o contrário, sendo o cenário mais representativo aquele onde a vulnerabilidade social é alta, assim como a quantidade dos espaços verdes, uma vez que a periferia nas metrópoles tende ocupar espaços ainda não urbanizados em sua plenitude. A RIDE-DF e Entorno foi o único caso onde o cenário mais representativo corroborou à hipótese. O planejamento urbano da capital federal favoreceu a concentração dos espaços verdes em áreas centrais, como no Plano Piloto e regiões circunvizinhas. Retomando o cenário mais representativo, verifica-se que o problema maior não é a carência dos espaços verdes e sim a ausência de política para sua implantação como equipamentos urbanos, as quais são fundamentais para torna-los locais de interação, contemplação, lazer e cultura. Ante o exposto, quando os espaços verdes se concretizam como equipamentos urbanos tornam-se promotores do desenvolvimento sustentável nas cidades.
Abstract: The socio-environmental importance of green spaces in the urban environment was considered fundamental for this thesis, reason for which it brings a wide discussion and contextualization about these spaces in the cities from the historical and socioeconomic aspects. The search for sustainable urban development involves the presence of green spaces in cities, especially in areas with high social vulnerability. The analysis was based on the mapping of urban green spaces considering as a case study the urban areas of four Metropolitan Regions - MR (Manaus, Porto Alegre, Recife and São Paulo), as well as RIDE-DF and surroundings. In addition to the extensive literature review, the analysis was based on the Geographic Information System (GIS) and specifics software’s such as IDRISI, QGIs and GeoDa for cartographic production, the basis of analyze. The main databases used were: RapidEye satellite images (the base for mapping of green spaces), urban census tracts (IBGE, 2010) and social vulnerability maps segregated by Human Development Unit - HDU (IPEA, 2015). The differential of social vulnerability data is that they are available at the intra-municipal scale and bring together in each HDU a set of census tracts with the same socioeconomic characteristics, essential points for the analysis that have been proposed to go beyond the ranking of "green cities". Chosen 2010 as the base year, a broad methodology was developed to assess if the urban green spaces are located in areas with better social indexes, which is the hypothesis of the thesis. In order to investigate it, we analyzed the presence of green spaces and their relationship with demographic data, as well as the spatial correlation between the Social Vulnerability Index (SVI - IPEA, 2015). The spatial correlation method used was Local Spatial Autocorrelation by the Moran Index. It is noteworthy that the hypothesis was refuted. Urban green spaces are not concentrated mainly in areas with better social indexes. In the four MR, the opposite was observed, the most representative scenario being was the one where social vulnerability is high, as well as the number of green spaces, since the periphery in metropolis tends to occupy spaces not yet urbanized in their fullness. RIDE-DF and surroundings was the only case where the most representative scenario corroborated the hypothesis. The urban planning of the federal capital made possible the concentration of green spaces in privileged areas, such as in the Pilot Plan and nearby areas. Back to the most representative scenario, it was verified that the major problem is not the lack of green spaces, but the absence of a policy for the implantation of green spaces such as urban equipment, which are fundamental to provide spaces for interaction, contemplation, leisure and culture. Therefore, when green spaces become urban equipment they become promoters of sustainable development in cities.
Informações adicionais: Tese (doutorado)—Universidade de Brasília, Centro de Desenvolvimento Sustentável, 2018.
Licença: A concessão da licença deste item refere-se ao termo de autorização impresso assinado pelo autor com as seguintes condições: Na qualidade de titular dos direitos de autor da publicação, autorizo a Universidade de Brasília e o IBICT a disponibilizar por meio dos sites www.bce.unb.br, www.ibict.br, http://hercules.vtls.com/cgi-bin/ndltd/chameleon?lng=pt&skin=ndltd sem ressarcimento dos direitos autorais, de acordo com a Lei nº 9610/98, o texto integral da obra disponibilizada, conforme permissões assinaladas, para fins de leitura, impressão e/ou download, a título de divulgação da produção científica brasileira, a partir desta data.
Aparece nas coleções:CDS - Doutorado em Desenvolvimento Sustentável (Teses)

Mostrar registro completo do item Recomendar este item Visualizar estatísticas



Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.