Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.unb.br/handle/10482/31950
Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
2017_JamilaGontijoPiffer.pdf4,79 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir
Título: Poéticas de um ventre antropofágico : um olhar simbólico sobre a Dança Tribal Fusion
Autor(es): Piffer, Jamila Gontijo
Orientador(es): Matsumoto, Roberta Kumasaka
Assunto: Corporalidade
Dança do ventre
Poética
Imaginário social
Dança
Data de publicação: 23-Mai-2018
Referência: PIFFER, Jamila Gontijo. Poéticas de um ventre antropofágico: um olhar simbólico sobre a Dança Tribal Fusion. 2018. 144 f., il. Dissertação (Mestrado em Arte)—Universidade de Brasília, Brasília, 2018.
Resumo: Poéticas de um Ventre Antropofágico é uma pesquisa que investigou a corporalidade, o imaginário social e inventividade da Dança Tribal Fusion, que surgiu nos anos de 1990, nos Estados Unidos e cuja principal referência estética é a Dança do Ventre. O Ventre Antropofágico explorou os limites da hibridação do Tribal Fusion nas experimentações com intérpretes-criadoras no Laboratório de Processos Criativos realizado no Núcleo de Dança da Universidade de Brasília. As atividades e montagens em dança realizadas durante o Laboratório forneceram grande parte do corpus desta pesquisa teórico-prática que observou a experiência do sujeito dançante considerando que o imaginário social integra sua corporalidade. A pesquisadora adotou a perspectiva do pensamento simbólico do psiquiatra suíço Carl Gustav Jung, cuja teoria tem no símbolo um de seus conceitos fundamentais, para elaborar um olhar simbólico sobre as práticas do Tribal Fusion. O imaginário social na dança Tribal Fusion foi investigado por meio das declarações, narrativas e imagens compartilhadas por praticantes e estudiosos das danças de matriz pélvica — assim chamadas nesta pesquisa por se constituírem em uma modalidade de dança cujo núcleo de movimentos de quadril e pélvis as distinguem. Nesta modalidade estão incluídas a Dança do Ventre, o Tribal Fusion e suas subcategorias. As reflexões deste estudo se basearam nas pistas metodológicas da Sociologia do Imaginário, em diálogo com a abordagem da teórica Laurence Louppe sobre a dança contemporânea, privilegiando o lugar de fala do sujeito dançante para observar a potência estética do Tribal Fusion. Esta abordagem pretendeu problematizar os estigmas que acompanham historicamente as danças de matriz pélvica, em particular os estereótipos ligados à imagem da mulher e do uso da dança como um instrumento de reificação do corpo de quem dança.
Abstract: Poetics of an Anthropophagic Womb is a research that investigated the corporality, the social imaginary and the inventiveness of the Tribal Fusion Dance, created in the 1990s in the United States of America, which main reference is the Belly Dance. The Anthropophagic Womb explored the limits of Tribal Fusion’s hybridism in the experiments with creating-interpreters on the Laboratory of Creative Processes that took place at the Universidade de Brasilia’s Dance Center. The Laboratory’s activities provided a big part of this research’s corpus. This is a theoretic-practical study to observe the dance being experience taking in consideration that the social imaginary integrates one’s corporality. The researcher has used the perspective of the symbolic thinking proposed by the Swiss psychiatric Carl Gustav Jung, whose theory has the symbol as one of the fundamental concepts, to elaborate a symbolic view upon Tribal Fusion practices. The social imaginary was investigated by the declarations, narratives and images shared by practitioners and scholars of the pelvic matrix dances — named so in this research due to its nature as a dancing modality that uses a group of pelvic and hips movement core that distinguishes it. This modality includes Belly Dance, Tribal Fusion and other subcategories. The reflections of this study were based on the methodological hints of the Sociology of the Imaginary and dialogued with Laurence Louppe, a contemporary dance theorist. It has highlighted the speaking position of the dance being to observe the aesthetic potency of Tribal Fusion. This approach aimed to discuss the stigmas that are historically related to the pelvic matrix dancing, in particular the stereotypes of women images and the use of dance as an instrument that reificates the body of the ones that dance.
Informações adicionais: Dissertação (mestrado)—Universidade de Brasília, Instituto de Artes, Programa de Pós-Graduação em Artes, 2018.
Licença: A concessão da licença deste item refere-se ao termo de autorização impresso assinado pelo autor com as seguintes condições: Na qualidade de titular dos direitos de autor da publicação, autorizo a Universidade de Brasília e o IBICT a disponibilizar por meio dos sites www.bce.unb.br, www.ibict.br, http://hercules.vtls.com/cgi-bin/ndltd/chameleon?lng=pt&skin=ndltd sem ressarcimento dos direitos autorais, de acordo com a Lei nº 9610/98, o texto integral da obra disponibilizada, conforme permissões assinaladas, para fins de leitura, impressão e/ou download, a título de divulgação da produção científica brasileira, a partir desta data.
Agência financiadora: Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES).
Aparece nas coleções:IdA - Mestrado em Artes (Dissertações)

Mostrar registro completo do item Recomendar este item Visualizar estatísticas



Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.