Skip navigation
Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unb.br/handle/10482/31822
Files in This Item:
File Description SizeFormat 
ARTIGO_ PreceFrantzFanon.pdf376,32 kBAdobe PDFView/Open
Title: A prece de Frantz Fanon : oh, meu corpo, faça sempre de mim um homem que questiona!
Other Titles: Frantz Fanon’s prayer : o my body, make of me always a man who questions!
Authors: Costa, Joaze Bernardino
Assunto:: Fanon, Frantz, 1925-1961
Colonialismo
Corpo
Issue Date: Sep-2016
Publisher: Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais da Pontíficia Universidade Católica do Rio Grande do Sul
Citation: COSTA, Joaze Bernardino. A prece de Frantz Fanon: oh, meu corpo, faça sempre de mim um homem que questiona!. Civitas: Revista de Ciências Sociais, Porto Alegre, v. 16, n. 3, p. 504-521, jul./set. 2016. Disponível em: <http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/civitas/article/view/22915/15069>. Acesso em: 24 nov. 2017. doi: http://dx.doi.org/10.15448/1984-7289.2016.3.22915.
Abstract: Baseado nas contribuições de Frantz Fanon, este artigo demonstra que o colonialismo, mediante o racismo, produz uma divisão maniqueísta do mundo entre a zona do ser e a zona do não-ser. Argumenta que os sujeitos coloniais, em geral, e os negros,em particular, habitam a zona do não-ser e, por isso, são invisibilizados pelo olhar imperial. Diante disto, restará ao negro tornar visível sua existência por meio da afirmação de sua identidade e de seu corpo. Concluímos que a afirmação do corpo permite a elaboração do conhecimento a partir de uma localização particular, assim como permite reinventar um projeto político humanista.
Abstract: Based on Frantz Fanon’s contributions, this article shows that colonialism – through racism – creates a polarized division of the world into a zone of being and a zone of non-being. We argue that colonial subjects in general and black people in particular live in a zone of non-being and, therefore, have been invisibilized by the imperial eye. Considering that, black people should make their existence visible by affirming their identity and body. We conclude that the black body’s affirmation allows one to elaborate knowledge from a particular standpoint as well as reinvent a humanistic political project.
Licença:: Civitas - Revista de Ciências Sociais - Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional (CC BY NC ND 4.0). Fonte: http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/civitas/article/view/22915/15069. Acesso em: 24 nov. 2017.
DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1984-7289.2016.3.22915
Appears in Collections:SOL - Artigos publicados em periódicos

Show full item record Recommend this item " class="statisticsLink btn btn-primary" href="/handle/10482/31822/statistics">



Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.