Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.unb.br/handle/10482/31707
Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
2017_AlcinéiadeSouzaSilva.pdf3,94 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir
Título: Juventudes e movimento de ocupação das escolas : caminhos e desafios para o ensino de Geografia
Autor(es): Silva, Alcinéia de Souza
Orientador(es): Leite, Cristina Maria Costa
Assunto: Cidadania
Geografia - estudo e ensino
Juventude
Ocupação de escolas
Geografia política
Data de publicação: 20-Abr-2018
Referência: SILVA, Alcinéia de Souza. Juventudes e movimento de ocupação das escolas: caminhos e desafios para o ensino de Geografia. 2017. 161 f., il. Dissertação (Mestrado em Geografia)—Universidade de Brasília, Brasília, 2017.
Resumo: Nos anos 2015 e 2016, o Brasil vivenciou um período marcado pelo expressivo movimento de ocupação das escolas na luta estudantil em prol da educação e efetivação da democracia no país. Neste contexto, em que se evidenciou a produção de campos fecundos para se refletir acerca do protagonismo juvenil e da dimensão política da escola, dentre outras questões sociais e educacionais, o presente estudo procurou destacar a importância da Geografia na formação para a cidadania, por entender que a leitura que os estudantes fizeram da conjuntura de crise sociopolítica brasileira, e a compreensão que obtiveram de como determinadas medidas políticas – a exemplo da Reforma do Ensino Médio, Escola sem Partido, Emenda Constitucional n.º 95/2016 – poderão se manifestar no espaço, sobretudo no espaço escolar, são expressões dos propósitos da educação geográfica, no âmbito da Educação Básica. Por constituir uma ferramenta intelectual para entender o mundo em que vivemos, a partir do reconhecimento da espacialidade dos fenômenos sociais (CALLAI, 2013), a Geografia enquanto disciplina escolar contribui fortemente para a construção da cidadania, na medida em que a atuação cidadã está relacionada à leitura e interpretação que se faz do espaço. Diante disso, o objetivo geral deste trabalho foi compreender o movimento de ocupação ocorrido em uma instituição de ensino localizada na cidade de Formosa-GO, e relacioná-lo à Geografia Escolar. Sustentada em três eixos teóricos centrais, a saber, Juventudes e Movimentos Sociais, Práticas Espaciais e Geografia Escolar, esta pesquisa, de natureza qualitativa, adotou como metodologias a construção de evidências empíricas por meio da formação de grupos focais com jovens partícipes do movimento, de entrevistas semiestruturadas com o professor de Geografia, observações das práticas cotidianas na ocupação, além de análises da página oficial do movimento na rede social Facebook, e também de análises documentais (Projetos Pedagógicos dos Cursos, Planos de Ensino da disciplina, Matrizes Curriculares, Estatuto Institucional e relatórios). Os resultados, obtidos a partir da leitura geográfica da ocupação e da compreensão do processo formativo dos estudantes, demonstraram que o movimento, além de revelar as características do novo sujeito escolar, produziu espacialidades e/ou geografias que traduzem a complexidade das experiências socioespaciais dos jovens contemporâneos, e indicam as bases da construção do conhecimento geográfico. Em sua luta, verificou-se que as juventudes revelaram autonomia e capacidade de reflexão, mostraram a dinamicidade das suas práticas, e sinalizaram que é necessária uma urgente reflexão acerca da efetivação dos princípios democráticos do país e da organização escolar do século XXI. A partir disso, e ao apontar a realidade singular da instituição estudada, a exemplo de suas boas condições pedagógicas, físicas e estruturais, boa qualificação do corpo docente e desenvolvimento de práticas críticas e reflexivas voltadas à formação cidadã do estudante, e portanto adequadas ao processo de ensino-aprendizagem em Geografia, os estudos evidenciaram caminhos e desafios tanto para a escola, de modo geral, quanto para a própria Geografia, de modo particular.
Abstract: In the years 2015 and 2016, Brazil experienced a period marked by the expressive movement of school occupation as students fought for education and effectiveness of democracy in the country. In this context, fertile fields to think about the youth protagonism and the school political dimension, among other social and educational issues, were produced. According to this, the present study sought to highlight the importance of Geography in the formation for citizenship, once the students' reading of the Brazilian sociopolitical crisis, and their understanding of how certain political measures - such as the Reform of Secondary Education, "Escola sem Partido", Constitutional Amendment No. 95/2016 - can show themselves in space, especially in the school space, are expressions of the purposes of geographic education, wihtin the scope of Basic Education. As an intellectual tool to understand the world, through the recognition of social phenomena spaciality (CALLAI, 2013), Geography as a school discipline contributes strongly to the construction of citizenship, insofar as the citizen action is related to space reading and interpretation. Therefore, the general objective of this work was to understand the occupation movement that took place in a teaching institution located in the city of Formosa-GO, and to relate it to School Geography. Based on three central theoretical axes, namely "Youth and Social Movements", "Space Practices" and "School Geography", this qualitative research adopted as methodologies (1) the construction of empirical evidences through the formation of focus groups with participants of the movement, (2) semi-structured interviews with the students and with the Geography teacher, (3) observations of the daily practices of the occupation movement, (4) documentary analyzes of Pedagogical Course Projects, Teaching Planning, Curricular Matrices, Institutional Statute and reports, and of the movement's official Facebook page. The results, obtained from the geographic reading of the occupation and the comprehension of the students' formative process, showed that the movement not only revelead characteristics of the new school subject, but also produced spatialities that reflect the complexity of the socio-spatial experiences of contemporary youth, and the construction basis of geographical knowledge. In their struggle, the students demonstrated their autonomy and capacity for reflection, the dynamicity of their practices, and still indicated that is ungently necessary to reflect on the effectiveness of Brazilian democratic principles, and on the 21st century school organization. From this, and pointing out the singular reality of the studied institution, considering its good pedagogical, physical and structural conditions, high-qualified teaching staff, and the development of critical and reflexive practices focused on the construction of citizenship, appropriate to the teaching-learning process in Geography, the studies showed paths and challenges both for the school, in general, and for Geography itself, in a particular way.
Informações adicionais: Dissertação (mestrado)—Universidade de Brasília, Instituto de Ciências Humanas, Departamento de Geografia, Programa de Pós-graduação, 2017.
Licença: A concessão da licença deste item refere-se ao termo de autorização impresso assinado pelo autor com as seguintes condições: Na qualidade de titular dos direitos de autor da publicação, autorizo a Universidade de Brasília e o IBICT a disponibilizar por meio dos sites www.bce.unb.br, www.ibict.br, http://hercules.vtls.com/cgi-bin/ndltd/chameleon?lng=pt&skin=ndltd sem ressarcimento dos direitos autorais, de acordo com a Lei nº 9610/98, o texto integral da obra disponibilizada, conforme permissões assinaladas, para fins de leitura, impressão e/ou download, a título de divulgação da produção científica brasileira, a partir desta data.
Aparece nas coleções:GEA - Mestrado em Geografia (Dissertações)

Mostrar registro completo do item Recomendar este item Visualizar estatísticas



Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.