Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.unb.br/handle/10482/31490
Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
2017_KareninaArraisGuidaModesto.pdf627,15 kBAdobe PDFVisualizar/Abrir
Título: Programa de treinamento com corrente russa e baixa frequência induzem adaptações neuromusculares similares no músculo quadríceps de jogadores de futebol
Autor(es): Modesto, Karenina Arrais Guida
Orientador(es): Durigan, João Luiz Quagliotti
Assunto: Estimulação elétrica neuromuscular
Treinamento de resistência
Fisioterapia
Esportes
Adaptação muscular
Corrente pulsada
Data de publicação: 26-Mar-2018
Referência: MODESTO, Karenina Arrais Guida. Programa de treinamento com corrente russa e baixa frequência induzem adaptações neuromusculares similares no músculo quadríceps de jogadores de futebol. 2017. 32 f., il. Dissertação (Mestrado em Ciências da Reabilitação)—Universidade de Brasília, Brasília, 2017.
Resumo: Desenho do estudo: Estudo randomizado, controlado e cego. Introdução. A estimulação elétrica neuromuscular (EENM) é amplamente utilizada para induzir aumento da força muscular, no entanto, nenhum estudo comparou os efeitos da corrente russa (CR) com uma corrente pulsada (CP) após um programa de treinamento. Objetivos. Avaliar os efeitos das correntes russa e pulsada no sistema neuromuscular após um período de treinamento de seis semanas. Métodos. Vinte e sete jogadores de futebol do sexo masculino foram randomizados em três grupos: 1) grupo controle, 2) CR (2500 Hz, burst 100 Hz, duração da fase 200 μs) e 3) CP (100 Hz e 200 μs). Os grupos experimentais foram treinados durante seis semanas, com três sessões por semana. Torque voluntário máximo e torque evocado, arquitetura muscular, desconforto sensorial e atividade eletromiográfica foram avaliados antes e após o período de seis semanas. Resultados. O torque evocado aumentou nos grupos CR (169,5 ± 78,2%, p<0,01) e CP (248,7 ± 81,1%, p<0,01) sem diferença entre eles. A espessura muscular e o ângulo de penação aumentaram em CR (8,7 ± 3,8% e 16,7 ± 9,0%, p<0,01) e CP (16,1 ± 8,0% e 27,4 ± 11,0%, p<0,01). CP demonstrou valores mais baixos para EVA (38,8 ± 17,1%, p<0,01). Não há diferença significativa para CIVM e RMS (p>0,05). Conclusão. Embora o uso generalizado de CR na prática clínica, os programas de treinamento de CR e CP produziram adaptações neuromusculares semelhantes em jogadores de futebol. No entanto, a CP gerou menor desconforto percebido.
Abstract: Study design: Blinded randomized controlled trial. Background. Neuromuscular electrical stimulation (NMES) is widely used to induce muscular strength increase, however, no study has compared Russian current (RC) with Pulsed current (PC) effects after a training program. Objectives. To evaluate the effects of RC and PC NMES currents on the neuromuscular system after a six-week training period. Methods. Twenty-seven male soccer players were randomized in three groups: 1) control group, 2) RC (2500 Hz, burst 100 Hz, phase duration 200 μs) and 3) PC (100 Hz and 200 μs). Experimental groups were trained during six weeks, with three sessions per week. Maximal voluntary and evoked torque, muscle architecture, sensory discomfort and electromyographic activity were evaluated before and after the six weeks period. Results. Evoked torque increased in RC (169.5±78.2 %, p<0.01) and PC groups (248.7±81.1 %, p<0.01) without difference amongst them. Muscle thickness and pennation angle increased in RC (8.7±3.8 % and 16.7±9.0%, p<0.01) and PC (16.1±8.0 % and 27.4±11.0 %, p<0.01). PC demonstrated lower values for VAS (38.8±17.1 %, p<0.01). There is no significant difference for MVIC and RMS (p>0.05). Conclusion. Although the widespread use of RC in clinical practice, RC and PC training programs produced similar neuromuscular adaptations in soccer players. Nonetheless, PC generated less perceived discomfort.
Informações adicionais: Dissertação (mestrado)—Universidade de Brasília, Faculdade de Ceilândia, Programa de Pós-Graduação em Ciências da Reabilitação, 2017.
Agência financiadora: Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES).
Aparece nas coleções:PPGCR - Mestrado em Ciências da Reabilitação

Mostrar registro completo do item Recomendar este item Visualizar estatísticas



Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.