Skip navigation
Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unb.br/handle/10482/3099
Files in This Item:
File Description SizeFormat 
2007_TaisBleicher.pdf1,09 MBAdobe PDFView/Open
Title: Arte e psicanálise : dos usos freudianos da arte à arte como terapêutica
Authors: Bleicher, Taís
Orientador(es):: Viana, Terezinha de Camargo
Assunto:: Psicanálise - tratamento
Criação artística
Arte - aspectos psicológicos
Arte - psicoterapia
Freud, Sigmund, 1856-1939
Issue Date: 25-May-2007
Citation: BLEICHER, Taís. Arte e psicanálise: dos usos freudianos da arte à arte como terapêutica. 2007. 121 f. Dissertação (Mestrado em Psicologia Clínica e Cultura)—Universidade de Brasília, Brasília, 2007.
Abstract: A relação da arte com a psicanálise é próxima desde os primórdios da última. A sociedade em que viveu o criador da psicanálise, Sigmund Freud, atribuía um forte valor à produção artística, assim como ele próprio. As produções artísticas foram entendidas como manifestações do Inconsciente, assim como os atos falhos e os sonhos. Portanto, a arte teve diversos usos entre os psicanalistas: como ilustração; como possibilidade de validação de descobertas clínicas; como elemento para a realização de psicobiografias; como forma de favorecer a associação livre, entre outros. A retomada desse percurso freudiano, de forma breve por diversos artigos relacionados à arte, e especificamente, nos artigos “Delírios e Sonhos na Gradiva de Jensen” e “Leonardo da Vinci e uma lembrança da sua infância” permite demonstrar esses usos e refletir sobre os mecanismos psíquicos da criação artística, pensados metapsicologicamente. O estudo do romance “López e eu”, de Carlos Cañeque, permite discutir sobre como podem ser pensadas a arte, a criatividade e o processo de criação artística, para refletir sobre a questão: é possível lançar mão do recurso artístico visando um tratamento psicanalítico? Entendemos que sim, respeitando o caráter de especificidade de cada sujeito no que diz respeito a se é possível ou não se beneficiar do uso da arte como técnica para um tratamento psicanalítico. _________________________________________________________________________________________ ABSTRACT
The relationship of art with psychoanalysis has been close since the first years of the latter. The society where the creator of psychoanalysis, Sigmund Freud, lived attributed great value to artistic production, and so did he. Artistic productions were understood as manifestations of the Unconscious as well as faulty actions and dreams. Thus, art had several uses among psychoanalysts: as illustration; as an element for the realization of psycho biographies; as a form of benefiting the free association, among others. The retaking of this Freudian course, in a brief form, by several articles related to art, and specifically, in the articles “Delírios e sonhos na Gradiva de Jensen” and “Leonardo da Vinci e uma lembrança de sua infância” permits to demonstrate these uses and think about the psychic mechanisms of the artistic creation, considered metapsychologically. The study of the novel “López e eu”, by Carlos Cañeque, permits to discuss how art, creativity and the process of artistic creation can be thought in order to consider the question: is it possible to make use of the artistic resource aiming a psychoanalytic treatment? We think so since the character of each subject is respected in what concerns if it is possible or not to benefit from the use of art as a technique for a psychoanalytic treatment.
Description: Dissertação (mestrado)—Universidade de Brasília, Instituto de Psicologia, Departamento de Psicologia Clínica, 2007.
Appears in Collections:PCL - Mestrado em Psicologia Clínica e Cultura (Dissertações)

Show full item record Recommend this item " class="statisticsLink btn btn-primary" href="/handle/10482/3099/statistics">



Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.