Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.unb.br/handle/10482/3086
Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
2006_BrunoMachadoTelesWalter.pdf2,02 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir
Título: Fitofisionomias do bioma Cerrado : síntese terminológica e relações florísticas
Autor(es): Walter, Bruno Machado Teles
Orientador(es): Ribeiro, José Felipe
Assunto: Cerrados
Plantas
Flora
Savanas
Data de publicação: Mar-2006
Referência: WALTER, Bruno Machado Teles. Fitofisionomias do bioma Cerrado: síntese terminológica e relações florísticas. 2006. 389 f., il. Tese (Doutorado em Ecologia)-Universidade de Brasília, Brasília, 2006.
Resumo: Neste trabalho são analisadas as fitofisionomias do bioma Cerrado e sua flora associada. Bioma que comporta a mais rica savana do planeta, há mais de duzentos anos que ele vem sendo alvo de investigações biológicas diversas, entre as quais aquelas que pretenderam desvendar e definir aspectos estruturais que caracterizam a sua vegetação, em termos de paisagens e de espécies. O presente estudo focalizou as feições da vegetação decorrentes da flora nela presente, analisando a contribuição daqueles que pretenderam definir suas fitofisionomias. As análises apoiaram-se na terminologia, nas definições, conceitos e sistemas nomenclaturais publicados, e procuraram colocar em destaque os problemas que a nomenclatura e as diferenças conceituais representam para a conservação do bioma. Dividido em quatro capítulos, no primeiro deles o Cerrado é contextualizado entre as savanas mundiais, analisando o termo savana e suas diversas interpretações. A discussão conceitual sobre savana não possui interesse meramente acadêmico, pois sua definição influencia as práticas de conservação da vegetação pelos continentes. Diferentes autores, em diferentes partes do mundo, imputam significados diferenciados ao termo, obscurecendo a noção precisa do tipo de vegetação tratado, o que dificulta quaisquer comparações. No segundo capítulo é analisada a nomenclatura utilizada para caracterizar a vegetação do bioma, incluindo sua área contínua, transições com outros biomas e disjunções. Considerando nomes usados desde o século XVIII até o presente, e sustentado em mais de 450 referências bibliográficas, foram compilados mais de 774 termos e expressões ou, em contagens conservadoras, 480 ou 438 nomes. A interpretação de vários autores e/ou trabalhos relevantes é comentada, aludindo os principais termos fitofisionômicos que cada um apontou, dando especial atenção aos autores mais antigos e às fontes efetivamente pouco consultadas por ecólogos e botânicos. Os nomes compilados não alcançam números exatos (774? 480? 438?) pela abertura nomenclatural que vários sistemas de classificação possibilitam. Na prática, são números ainda maiores. Porém, exatamente por serem muito altos é que se revelam numerosas redundâncias desnecessárias, cujas causas e conseqüências são analisadas, alertando-se para os prejuízos que esse "mar de palavras" pode acarretar para a causa da conservação do Cerrado. No terceiro capítulo é abordada a nomenclatura botânica e alguns sistemas de classificação, tendo por base nomes, números e casos da flora do bioma Cerrado. Apoiando-se na flora fanerogâmica e utilizando diretamente táxons altos (famílias, ordens e classes), dez sistemas de classificação foram comparados, cujo critério de escolha foi a sua proposição, adoção ou influência no Brasil no século XX, incluindo tendências atuais. As diferenças de interpretação respondem pelo altíssimo intervalo de variação encontrado, que fizeram os números de famílias variar entre 132 e 180. Trata-se de um intervalo de 48 famílias para o mesmo conjunto de 11.046 espécies. As diferenças entre sistemas são analisadas quanto à circunscrição dos táxons altos, discutindo também casos de gêneros, espécies e os problemas que surgem na construção de uma lista de plantas. São analisadas algumas fontes destes problemas, finalizando com uma discussão sobre espécies raras e ameaçadas. Buscou-se, com o exemplo destas espécies, evidenciar problemas práticos advindos dessas diferenças de interpretação taxonômica e suas conseqüências. No quarto capítulo é analisada a distribuição da flora do bioma nas suas diferentes formações e fitofisionomias. Também baseado naquele conjunto de 11.046 espécies, foram analisadas 37 fitofisionomias/ambientes quanto aos números de espécies e hábito de crescimento. O maior número ocorreu no Cerrado sentido amplo (6.223 espécies, 138 famílias), seguido por florestas (destaque para Mata de Galeria) e campos. Os números do Cerrado sentido restrito (1.855 espécies, 102 famílias) superaram todas as compilações anteriores. Quanto aos hábitos, foram analisadas as fitofisionomias/ambientes em que eles predominam e foi investigada a proporção de plantas arbustivo-herbáceas para as arbóreas. Essa proporção aumenta exponencialmente das formações florestais para as campestres, alcançando, no Campo Limpo, 131,1 espécies de arbustos e ervas para cada espécie arbórea. Ambientes de conceito amplo como Cerrado lato sensu, Mata ou Campo ainda relacionam diretamente 5.022 espécies, o que revela indicações de ocupação fitofisionômica excessivamente amplas ou incompletas. Faltam estudos florísticos nos Palmeirais, sendo insuficientes as informações sobre o Campo Rupestre (sentido restrito) e o Parque de Cerrado. Somente 6.024 espécies estão vinculadas a algum dos onze tipos fitofisionômicos de Ribeiro e Walter, das quais 282 são referidas para as três formações (florestais, savânicas e campestres) do bioma. Estas representam as plantas com maior amplitude de ocupação fitofisionômica. A análise geral da flora mostra a necessidade de continuar a alimentação de dados à atual lista do Cerrado, indicando-se aqui o longo caminho que ainda deverá ser percorrido para que haja um conhecimento pleno sobre a flora do bioma. Porém, considerando as idiossincrasias das nomenclaturas botânica e fitogeográfica, não se espera que este caminho seja retilíneo, muito menos harmonioso. Concordando com alguns autores que já se aventuraram a opinar, nomenclatura não é uma disciplina racional. ________________________________________________________________________________ ABSTRACT
The physiognomic vegetation of the Cerrado biome and its associated flora are analyzed in this study. This biome, which contains the richest savanna of the planet, is being the target of several biological investigations, such as the one that intended to identify and define structural aspects that characterize its vegetation. This study focus in the features of vegetation, caused by the flora, analyzing the contribution of those that intended to define its physiognomies. The analyses were carried on terminology, definitions, concepts and nomenclatural systems published, looking for problems that terminology and conceptual differences may represent for the biome conservation. The first of four chapters contextualized the Cerrado among the world’s savannas, analyzing the term savanna and its several interpretations. The conceptual discussion about savanna doesn’t possess merely academic interest, because its proper definition will influenciate vegetation conservation practices all over the planet. Different authors, in different parts of the world, impute differentiated meanings to the term, misleading readers about the type of studied vegetation, difficulting comparisons. In the second chapter the nomenclature used to characterize the biome vegetation is analyzed, including its continuous area, transitions and disjunctions with other biomes. Considering present and names used since the XVIII century it were compiled more than 774 terms and expressions (in conservative counting, 480 or 438 names) used in 450 bibliographical references. The interpretation of several authors’ and/or important works is commented, mentioning the main phytophysiognomic terms. Special attention was given to the oldest authors and references barely consulted by ecologists and botanists. The compiled names do not reach exact numbers (774? 480? 438?) due to the nomenclatural opening that several classification systems make possible. In practice, the numbers are still larger. Nevertheless, exactly because they are very high, numerous unnecessary redundancies are revealed, whose causes and consequences are analyzed. It is given an alert for possible consequences that this “sea of words” can entail in the conservation efforts of the Cerrado biome. In the third chapter, the approach was on botanical nomenclature and classification systems, analyzing names, numbers and cases on the Cerrado flora. Focusing on flowering plants and higher taxons (families, orders and classes), ten classification systems were compared, whose choice criteria was its proposition, adoption or influence in Brazil in the XX century, including current tendencies. Differences on authors interpretation where responsible for the high interval, whose numbers of families varied between 132 and 180. It is an interval of 48 families for the same group of 11.046 species. The differences among systems are analyzed concerning to the circumscription of the higher taxons, also discussing cases of genera, species and the problems that emerge in the construction of plant lists. Some sources of these problems are analyzed, leading to a discussion about rare and threatened species. The intention was to show practical problems that came from differences of taxonomic interpretation and its ecological consequences. The last chapter analyzed the distribution of the Cerrado biome floras concerning to different vegetation forms and phytophysiognomies. Based on the group of 11.046 species, 37 phytophysiognomies/environments were analyzed, relatively to the numbers of species and growth forms. The largest species number was reached by Cerrado sensu lato (6.223 species, 138 families), followed by forests (highlights for Gallery Forest) and Grasslands. The numbers of Cerrado sensu stricto (1.855 species, 102 families) surpassed all previous published lists. The growth forms occurrence in the phytophysiognomies-environments were analyzed and also the proportion of shrubs-herbaceous plants to the trees. This proportion increases exponentially from forest formations to grasslands, reaching, in the Campo Limpo, 131,1 shrubs and herbs species for each tree. Environments of wide concepts such as Cerrado in its broad sense, Forest or Grasslands, count for 5.022 species, suggesting physiognomic distribution excessively wide or incomplete. The vegetation types “Palmeiral”, Campo Rupestre (restricted sense) and Parque de Cerrado (Cerrado Parkland) lacks floristic studies. Only 6.024 species could be related to some of the eleven main phytophysiognomic types described by Ribeiro and Walter, of which 282 are referred as present on all three vegetation forms of the biome, forest, savanna and grassland. These 282 species represents the plants with larger capacity of physiognomic occupation in this biome. The analysis of the floras shows the need to continue feeding reliable data to the list of the Cerrado flora, indicating the long term studies that should be done so that we have a better and full knowledge on the biome flora. Even so, considering the idiosyncrasies of the botany and phytogeographic nomenclatures, it is not waited that this road would be straight, much less harmonious. Despite the reasoning for logical and rationality on classification procedures, and agreeing with some authors, nomenclature is not a rational discipline.
Informações adicionais: Tese (doutorado)—Universidade de Brasília, Instituto de Ciências Biológicas, Departamento de Ecologia, Programa de Pós-Graduação em Ecologia, 2006.
Aparece nas coleções:ECL - Doutorado em Ecologia (Teses)

Mostrar registro completo do item Recomendar este item Visualizar estatísticas



Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.