Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.unb.br/handle/10482/30030
Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
ARTIGO_SociodemographicProfileMedicines.pdf294,85 kBAdobe PDFVisualizar/Abrir
ARTIGO_PerfilSociodemograficoUsuarios.pdf274,27 kBAdobe PDFVisualizar/Abrir
Título: Sociodemographic profile of medicines users in Brazil : results from the 2014 PNAUM survey
Outros títulos: Perfil sociodemográfico dos usuários de medicamentos no Brasil : resultados da PNAUM 2014
Autor(es): Bertoldi, Andréa Dâmaso
Dal Pizzol, Tatiane da Silva
Ramos, Luiz Roberto
Mengue, Sotero Serrate
Luiza, Vera Lucia
Tavares, Noemia Urruth Leão
Farias, Mareni Rocha
Oliveira, Maria Auxiliadora
Arrais, Paulo Sergio Dourado
Assunto: Medicamentos - utilização
Aspectos socioeconômicos
Data de publicação: 2016
Editora: Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo
Referência: BERTOLDI, Andréa Dâmaso et al. Sociodemographic profile of medicines users in Brazil: results from the 2014 PNAUM survey. Revista de Saúde Pública, São Paulo, v. 50, supl. 2, 5s, 2016. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-89102016000300310&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 14 mar. 2018. doi: http://dx.doi.org/10.1590/s1518-8787.2016050006119. ___________________________________________________________________________________________________________________________________________
BERTOLDI, Andréa Dâmaso et al. Perfil sociodemográfico dos usuários de medicamentos no Brasil: resultados da PNAUM 2014. Revista de Saúde Pública, São Paulo, v. 50, supl. 2, 5s, 2016. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-89102016000300310&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 14 mar. 2018. doi: http://dx.doi.org/10.1590/s1518-8787.2016050006119.
Resumo: Objetivo: analisar a prevalência do uso de medicamentos pela população brasileira e sua distribuição segundo aspectos sociodemográficos. Métodos: estudo com dados da Pesquisa Nacional de Acesso, Utilização e Promoção do Uso Racional de Medicamentos (PNAUM), pesquisa nacional de base populacional, realizada entre setembro de 2013 e fevereiro de 2014 em residências de municípios urbanos. Avaliou-se o uso de todos os medicamentos (global), uso de medicamentos para doenças crônicas e uso de medicamentos para doenças agudas. As variáveis independentes utilizadas foram sexo, idade, classificação econômica e região do País. Foram calculados prevalências e intervalos de confiança de 95% (IC95%) e aplicado teste Qui-quadrado de Pearson para avaliação das diferenças entre os grupos, considerando o nível de significância de 5%. Resultados: a prevalência global de uso de medicamentos foi de 50,7% (IC95% 49,3–52,2), sendo 39,3% (IC95% 37,5–41,1) no sexo masculino e 61,0% (IC95% 59,3–62,6) no sexo feminino. Observou-se aumento nas prevalências de uso com a idade (exceto de zero a quatro anos). As menores prevalências de uso ocorreram no grupo mais pobre e na região Norte do País. A prevalência de uso de medicamentos para doenças crônicas foi de 24,3% (IC95% 23,3–25,4) e para doenças agudas foi de 33,7% (IC95% 32,1–35,4). Conclusões: existe grande variabilidade nas prevalências globais de uso de medicamentos por regiões brasileiras. As regiões consideradas mais pobres (Norte, Nordeste e Centro-Oeste) apresentam menores prevalências de uso de medicamentos para doenças crônicas, o que indica a necessidade de minimizar as desigualdades no acesso aos medicamentos dentro do País.
Abstract: Objective: to analyze the prevalence of medicine use by the Brazilian population and its distribution according to sociodemographic factors. Methods: study using data from the Pesquisa Nacional de Acesso, Utilização e Promoção do Uso Racional de Medicamentos (PNAUM – National Survey on Access, Use and Promotion of Rational Use of Medicines), a nationwide household survey of a representative sample of the Brazilian urban population. The data were collected between September 2013 and February 2014. The overall use of medicines, defined as the use of any medicine, use of medicines for treating chronic medical conditions and for acute health conditions, was evaluated. The independent variables included gender, age group, socioeconomic position, and region of Brazil. Analyzes included prevalence calculations, 95% confidence intervals (95%CI) and Pearson Chi-square tests to evaluate the differences between groups, considering a 5% level of significance. Results: the prevalence of medicines use was 50.7% (95%CI 49.3–52.2), with 39.3% (95%CI 37.5–41.1) accounting for men and 61.0% (95%CI 59.3–62.6) for women. Medicines use was observed to increase with increasing age, except among children within the zero to four years age group. The lowest prevalence for medicines use was found among those with a low socioeconomic position and those who reside in the North region of Brazil. The prevalence of medicine use to treat chronic diseases was 24.3% (95%CI 23.3–25.4), whereas it was 33.7% (95%CI 32.1–35.4) for treating acute diseases. Conclusions: we found extensive variability in the prevalence of medicines use across regions of Brazil. The poorest regions (North, Northeast, and Midwest) have a lower prevalence of medicines use to treat chronic diseases, indicating the need to minimize inequalities in access to medicines within the country.
Licença: Revista de Saúde Pública - This is an Open Access article distributed under the terms of the Creative Commons Attribution License, which permits unrestricted use, distribution, and reproduction in any medium, provided the original work is properly cited (CC BY 4.0). Fonte: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-89102016000300310&lng=en&nrm=iso&tlng=en&ORIGINALLANG=en. Acesso em: 14 mar. 2018.
DOI: http://dx.doi.org/10.1590/s1518-8787.2016050006119
Aparece nas coleções:FAR - Artigos publicados em periódicos

Mostrar registro completo do item Recomendar este item Visualizar estatísticas



Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.