Skip navigation
Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unb.br/handle/10482/24659
Files in This Item:
File Description SizeFormat 
2017_IsabelaCastelli.pdf1,89 MBAdobe PDFView/Open
Title: Comunicação de más notícias : a distância entre morte encefálica e a doação de órgãos
Authors: Castelli, Isabela
Orientador(es):: Costa Júnior, Áderson Luiz
Assunto:: Comunicação da má notícia
Doação de órgãos, tecidos, etc.
Morte encefálica
Transplante de órgãos, tecidos, etc.
Issue Date: 26-Sep-2017
Citation: CASTELLI, Isabela. Comunicação de más notícias: a distância entre morte encefálica e a doação de órgãos. 2017. xiii, 107 f., il. Dissertação (Mestrado em Psicologia Clínica e Cultura)—Universidade de Brasília, Brasília, 2017.
Abstract: O transplante de órgãos é uma modalidade de tratamento que consiste na substituição de um órgão doente por outro sadio, podendo proporcionar a cura a uma doença ou o aumento da qualidade de vida, de um paciente que já não responde às demais terapêuticas disponíveis. A doação de órgãos pode ser feita entre vivos ou pós mortem (doador cadáver), sendo esta última categoria a mais comum. A doação pós mortem ocorre a partir da declaração de morte, com a cessação das atividades biológicas necessárias à manutenção do sistema de vida. Atualmente em vigor, a Lei Federal No 10.211 prevê que a doação pós mortem deve ser realizada mediante autorização de parentes próximos (consentimento informado) e depende da confirmação do diagnóstico de morte encefálica, que se refere à cessação das funções cerebrais, mas, não necessariamente, à interrupção imediata de funções cardiorrespiratórias, sendo definida a partir de critérios pré-estabelecidos pelo Conselho Federal de Medicina. Todavia, a dificuldade de compreensão do conceito de morte encefálica, por parte dos familiares, constitui a principal causa referida para a não doação de órgãos. O objetivo do presente estudo foi analisar o processo de comunicação do diagnóstico de morte encefálica, no contexto da equipe de Organização de Procura de Órgãos (OPO), do principal hospital da Secretaria de Estado de Saúde do DF (SES/DF), bem como das equipes de Comissão Intra-hospitalar de Doação de Órgãos e Tecidos para Transplante (CIHDOTT) dos demais hospitais de ensino da SES/DF. Constituíram objetivos secundários: (a) investigar como os profissionais de saúde, que efetuam as comunicações de morte encefálica, percebem e realizam esta tarefa; (b) identificar os fatores (pessoais, profissionais, acadêmicos, sociais) apontados como favoráveis, ou desfavoráveis, para uma eficiente comunicação com os familiares; (c) investigar se os profissionais de saúde percebem carências em suas formações, acadêmicas e/ou profissionais, que limitem a tarefa de comunicação e a obtenção de consentimento para doação de órgãos e tecidos; (d) verificar os principais motivos, referidos pelos familiares, para recusa à doação; e (e) verificar possíveis discrepâncias no preenchimento dos prontuários dos pacientes em ME. Os profissionais convidados a participar, após assinarem TCLE, responderam, individualmente, a um roteiro de entrevista semiestruturado, que analisava o processo de comunicação de morte encefálica, os dados do contexto sociocultural da família entrevistada que eram levados em consideração no momento da comunicação e indicadores de percepção de sofrimento atrelados à execução da tarefa. O roteiro ainda continha questões sobre a natureza técnica dos critérios diagnósticos de morte encefálica. As entrevistas foram gravadas em áudio e transcritas na íntegra. As transcrições foram submetidas à análise de conteúdo, com criação de categorias funcionais temáticas. Outra etapa da coleta de dados consistiu na análise documental de prontuários de pacientes não doadores, do ano de 2014, por motivo de recusa familiar. Dos 20 profissionais entrevistados, cinco não souberam apontar quais funções cerebrais deveriam estar ausentes para diagnóstico de morte encefálica. Todos os profissionais souberam apontar, corretamente, o horário de óbito em caso de morte encefálica. Quanto à análise de conteúdo, a categoria com maior frequência foi a de foco no receptor como forma de enfrentamento, tendo sido referida em 19 entrevistas. A formação profissional foi citada pelos profissionais como ferramenta indispensável ao processo de comunicação (n = 18). Quanto às variáveis que influenciavam o modo de comunicação, a idade do paciente foi a mais referida (n = 14). No levantamento dos prontuários, a maioria dos pacientes (64 de 77) estava internado na rede pública de saúde. O principal motivo, apontado pelas famílias, para recusa à doação foi o paciente já ter declarado, em vida, não ser doador de órgãos e tecidos. Observou-se significativo preenchimento incorreto dos prontuários, dificultando a elaboração de conclusões. Os dados obtidos reproduzem indicações da literatura nacional e internacional, destacando-se, que os motivos referidos, pelos familiares, para recusa à doação, são passíveis de intervenção e manejo pelos profissionais, suscitando campo de trabalho potencial para psicólogos. Aponta-se que uma efetiva comunicação, não apenas no momento de declarar a morte encefálica, poderia aumentar a adesão familiar à doação. O trabalho destaca a necessidade de discussão da temática sobre morte ser incluída nos cursos de graduação da área de saúde. A formação continuada, particularmente, dos profissionais envolvidos no contexto de doação de órgãos para transplante, aparece como caminho a ser trilhado a fim de proporcionar processos comunicativos mais adequados e efetivos.
Abstract: Organ transplantation is a treatment modality that consists in the replacement of a diseased organ by a healthy one, being able to provide a cure to a disease or an increase in the quality of life of a patient who no longer responds to other available therapies. Organ donation can be done between live or postmortem (cadaver donor), the latter being the most common category. Postmortem donation occurs from the declaration of death, with the cessation of biological activities necessary to maintain the life system. Currently in force, Federal Law No. 10.211 provides that post-mortem donation must be performed by close relatives’ authorization (informed consent) and depends on the confirmation of brain death diagnosis, which refers to the cessation of brain functions, but not necessarily to the immediate interruption of cardiorespiratory functions, being defined based on criteria established by the Federal Medical Council. However, the difficulty of understanding the concept of brain death by relatives is the main cause of non-organ donation. The aim of the present study was to analyze the brain death’s communication process, in the context of the teams of publics hospitals in Distrito Federal (DF). Secondary objectives were: (a) to investigate how healthcare professionals, who perform brain death communications, perceive and perform this task; (b) identify factors (personal, professional, academic, social) that are considered propitious or adverse for efficient communication with family members; (c) to investigate whether healthcare professionals perceive academic or professional lacks that limit the task of communication and obtaining consent for organ donation; (d) verify the main reasons, referred by family members, for refusal to donate; and (e) verify possible discrepancies in the ME patient medical records. The professionals invited to participate, after signing TCLE, individually responded to a semi-structured interview script, which analyzed the brain death’s communication. Beside that, we sought to understand wich data from the sociocultural context of the interviewed family were taken into account at the time of communication; and perception of suffering linked to the tasks’ execution. The script still contained questions about the technical nature of brain death diagnostic criteria. The interviews were recorded in audio and transcribed in full. Transcripts were submitted to content analysis, with the creation of thematic functional categories. Another step in the collection of data consisted of documentary analysis of non-donor patients’ medical records, from the year 2014, due to family refusal. Of the 20 professionals interviewed, five did not know to indicate which brain functions should be absent to diagnose brain death. All the professionals knew how to correctly indicate the time of death in case of brain death. Regarding content analysis, the category with the highest frequency was focusing on the receiver as a form of coping, having been referred in 19 interviews. Professional training was cited by professionals as an indispensable tool for the communication process (n = 18). As for the variables that influenced the mode of communication, the patient's age was the most reported (n = 14). In the medical records, the majority of the patients (64 of 77) were hospitalized in the public health system. The main reason, as pointed out by the families, for refusal to donate was that the patient had already declared, in life, not to be a donor of organs and tissues. It was observed a significant incorrect filling of medical records, making it difficult to draw conclusions. The obtained data reproduce indications of the national and international literature, emphasizing that the reasons mentioned by the relatives for refusal to donation are susceptible of intervention and management by the professionals, provoking potential field of work for psychologists. It is pointed out that an effective communication, not only at the time of declaring brain death, could increase the family's adhesion to the donation. The work highlights the need to discuss the issue of death to be included in undergraduate courses in the health area. The continuing formation, particularly of the professionals involved in the context of organ donation for transplantation, appears as a path to be followed in order to provide more adequate and effective communicative processes.
Description: Dissertação (mestrado)—Universidade de Brasília, Instituto de Psicologia, Programa de Pós-Graduação em Psicologia Clínica e Cultura, 2017.
Licença:: A concessão da licença deste item refere-se ao termo de autorização impresso assinado pelo autor com as seguintes condições: Na qualidade de titular dos direitos de autor da publicação, autorizo a Universidade de Brasília e o IBICT a disponibilizar por meio dos sites www.bce.unb.br, www.ibict.br, http://hercules.vtls.com/cgi-bin/ndltd/chameleon?lng=pt&skin=ndltd sem ressarcimento dos direitos autorais, de acordo com a Lei nº 9610/98, o texto integral da obra disponibilizada, conforme permissões assinaladas, para fins de leitura, impressão e/ou download, a título de divulgação da produção científica brasileira, a partir desta data.
Appears in Collections:PCL - Mestrado em Psicologia Clínica e Cultura (Dissertações)

Show full item record Recommend this item " class="statisticsLink btn btn-primary" href="/handle/10482/24659/statistics">



Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.