Skip navigation
Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unb.br/handle/10482/24657
Files in This Item:
File Description SizeFormat 
2017_JéssicaMouraPacheco.pdf1,05 MBAdobe PDFView/Open
Full metadata record
DC FieldValueLanguage
dc.contributor.advisorRibeiro, Ana Paula Dias-
dc.contributor.authorPacheco, Jessica Moura-
dc.date.accessioned2017-09-26T19:27:48Z-
dc.date.available2017-09-26T19:27:48Z-
dc.date.issued2017-09-26-
dc.date.submitted2017-07-31-
dc.identifier.citationPACHECO, Jessica Moura. Avaliação da citotoxicidade do extrato de semente de uva em cultura de células pulpares. 2017. 62 f., il. Dissertação (Mestrado em Ciências da Saúde)—Universidade de Brasília, Brasília, 2017.pt_BR
dc.identifier.urihttp://repositorio.unb.br/handle/10482/24657-
dc.descriptionDissertação (mestrado)—Universidade de Brasília, Faculdade de Ciências da Saúde, Programa de Pós-Graduação em Ciências da Saúde, 2017.pt_BR
dc.description.abstractO presente estudo avaliou o efeito citotóxico do extrato de semente de uva (ESU) em contato direto e transdentinário com células de cultura primária de polpa humana, em diferentes concentrações e tempo de exposição. Células pulpares assim como discos de dentina foram obtidas a partir de terceiros molares de adultos com idades entre 18 e 25 anos. Culturas primárias foram estabelecidas e cultivadas até a obtenção do número adequado de células. O ESU foi diluído previamente ao início de cada experimento. Após a quarta passagem, no teste de contato direto, dez mil células foram semeadas em placas de 96 poços e após 24 horas receberam os tratamentos. Na primeira fase, testou-se diferentes concentrações formando os seguintes grupos: G1: controle negativo celular (D-MEM); G2: controle negativo de tratamento (Hepes); G3: 6,5% de ESU; G4: 0,65% de ESU; G5: 0,065% de ESU; G6: 0,0065% de ESU; G7: controle positivo com peróxido (H2O2 a 20%). Após uma hora de contato, as soluções experimentais foram removidas e novo meio de cultivo (DMEM) foi adicionado. Na segunda fase foram testados diferentes tempos de exposição das melhores concentrações da “fase 1” (0,65% ESU e 0,0065% ESU). Para tal os grupos experimentais foram: G1: controle celular (DMEM) por 1 hora, G2: controle de tratamento (Hepes) por 1 hora, G3: ESU por 1 hora, G4: ESU por 30 minutos, G5: ESU por 10 minutos, G6: ESU por 1 minuto, G7: controle peróxido (H2O2 a 20%) em contato por 1 hora. No teste transdentinário, foram semeadas cinquenta mil células em discos de dentina adaptados a um dispositivo de câmara pulpar artificial em placas de 24 poços. Os seguintes grupos permaneceram por 24h em contato com o ESU: G1: controle negativo celular (D-MEM); G2: controle negativo de tratamento (Hepes); G3: 0,65% de ESU; G4: controle peróxido (H2O2 a 20%). Transcorridos os tempos experimentais de contato, as soluções testadas foram removidas e novo meio de cultivo (DMEM) foi adicionado. Para compor a analise de citotoxicidade, o metabolismo celular foi avaliado por meio do teste de produção de desidrogenase succínica (MTT) 24 e 72 horas após o tratamento; o estresse oxidativo foi avaliado por meio do ensaio de óxido nítrico (ON) 24 e 72h após os tratamentos, e foi realizada microscopia eletrônica de varredura para ilustração dos melhores grupos. Os resultados foram analisados por testes paramétricos (ANOVA e Tukey) ou nao paramétricos (Kruskall-Wallis e Mann-Whitney; α=0,05). De acordo com os dados obtidos, foi possível observar que a menor concentração de extrato de uva testada (0.0065%) apresentou resultados favoráveis tanto para o metabolismo celular, com um aumento no período de 24 horas, quanto a produção de ON, com redução dessa produção no período de 72 horas. Nenhuma resultou em redução do metabolismo celular maior que 10% do controle, indicando a não toxicidade desse extrato tanto aplicado diretamente sobre a cultura primaria de células pulpares quanto na presença de barreira dentinária.O ESU foi capaz de estimular o metabolismo celular sem levar a um aumento do estresse oxidativo em todos os tempos avaliados e mesmo na menor concentração, sugerindo uma potencial bioatividade deste agente crosslinker sobre células pulpares.pt_BR
dc.language.isoPortuguêspt_BR
dc.rightsAcesso Abertopt_BR
dc.titleAvaliação da citotoxicidade do extrato de semente de uva em cultura de células pulparespt_BR
dc.typeDissertaçãopt_BR
dc.subject.keywordBiocompatibilidadept_BR
dc.subject.keywordSementes de uvapt_BR
dc.subject.keywordCitotoxidadept_BR
dc.rights.licenseA concessão da licença deste item refere-se ao termo de autorização impresso assinado pelo autor com as seguintes condições: Na qualidade de titular dos direitos de autor da publicação, autorizo a Universidade de Brasília e o IBICT a disponibilizar por meio dos sites www.bce.unb.br, www.ibict.br, http://hercules.vtls.com/cgi-bin/ndltd/chameleon?lng=pt&skin=ndltd sem ressarcimento dos direitos autorais, de acordo com a Lei nº 9610/98, o texto integral da obra disponibilizada, conforme permissões assinaladas, para fins de leitura, impressão e/ou download, a título de divulgação da produção científica brasileira, a partir desta data.pt_BR
dc.description.abstract1The present study evaluated the cytotoxic effect of grape seed extract (GSE) in direct and transdentinal contact with cells of primary culture of human pulp, in different concentrations and time of exposure. Pulp cells as well as dentin discs were obtained from adults at the age of 18 years and 25 years. Primary cultures were established and cultured until adequate numbers of cells were obtained. GSE containing 95% proanthocyanidin was diluted in Hepes buffer before each experiment. After a fourth passage, on direct contact test, ten thousand cells were seeded in 96-well plates and after 24 hours, received treatments. In the first phase, different concentrations were tested to form the following groups: G1: cell negative control (D-MEM); G2: negative control of treatment (Hepes); G3: 6.5% GSE; G4: 0.65% GSE; G5: 0.065% GSE; G6: 0.0065% GSE; G7: Positive control with peroxide (20% H2O2). After one hour of contact, as experimental solutions were removed and new culture medium (DMEM) was added. In the second phase, different exposure times of the best concentrations of "phase 1" (0.65% GSE and 0.0065% GSE) were tested. G4: GSE for 1 hour, G3: GSE for 1 hour, G3: GSE for 1 hour, G3: GSE for 1 hour, G4: GSE for 1 hour G6: GSE for 1 minute, G7: control peroxide (H2O2 at 20%) in contact for 1 hour. In the transdentinal test, fifty thousand cells were seeded in dentin discs adapted to an artificial pulp chamber device in 24-well plates. The following groups remained for 24 hours in contact with the GSE: G1: cellular negative control (D-MEM); G2: negative control of treatment (Hepes); G3: 0.65% GSE; G4: peroxide control (20% H2O2). After the experimental times of contact, as tested solutions were removed and new culture medium (DMEM) was added. To compose a cytotoxicity analysis, the cellular metabolism, evaluated by means of the succinic dehydrogenase (MTT) test 24 and 72 hours after the treatment; Oxidative stress was evaluated by means of the nitric oxide (ON) test 24h and 72h after the treatments, and scanning electron microscopy was performed to illustrate the best groups. The results were analyzed by parametric (ANOVA and Tukey) or non-parametric testicles (Kruskall-Wallis and Mann-Whitney; α = 0.05). According to the data obtained, it was possible to observe that the lowest concentration of grape extract tested (0.0065%) presented favorable results both for the cellular metabolism, with an increase in the period of 24 hours, and for a production of NO, as Reduction of production in the 72-hour period. Although different behaviors were observed for the different concentrations, they resulted in reduction of the cellular metabolism greater than 10% of the control, indicating the non-toxicity of this extract both applied directly on a primary culture of cellular cells in the presence of dentin barrier. The GSE was able to stimulate cell metabolism without increasing oxidative stress at all correct times and even at the lowest concentration, suggesting a potential bioactivity of this crosslinking agent on pulp cells.pt_BR
Appears in Collections:FS - Mestrado em Ciências da Saúde (Dissertações)

Show simple item record Recommend this item " class="statisticsLink btn btn-primary" href="/handle/10482/24657/statistics">



Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.