Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.unb.br/handle/10482/24578
Título: Não me considero um aprendiz autônomo em relação à Língua Japonesa : crenças e ações de aprendizagem de estudantes com baixo aproveitamento acadêmico
Autor(es): Nishihata, Saori
Orientador(es): Mukai, Yûki
Assunto: Aprendizagem - autonomia
Língua japonesa - estudo e ensino
Estudantes universitários - aprendizagem
Data de publicação: 19-Set-2017
Data de defesa: 20-Jan-2017
Referência: NISHIHATA, Saori. Não me considero um aprendiz autônomo em relação à Língua Japonesa: crenças e ações de aprendizagem de estudantes com baixo aproveitamento acadêmico. 2017. xiv, 140 f., il. Dissertação (Mestrado em Linguística Aplicada)—Universidade de Brasília, Brasília, 2017.
Resumo: Esta dissertação apresenta resultados de pesquisa acadêmica realizada com o objetivo de investigar as crenças e ações relacionadas à autonomia na aprendizagem de estudantes universitários de língua japonesa, de nível intermediário e com baixo aproveitamento acadêmico, em curso de licenciatura de uma universidade pública brasileira. Atualmente, principalmente para a área de ensino-aprendizagem de japonês no Brasil, ainda há poucos estudos que tratem concomitantemente sobre o par crença/ação e autonomia na aprendizagem voltada para estudantes com baixo aproveitamento acadêmico. Os pressupostos teóricos que orientam o estudo baseiam-se nos conceitos de crenças discutidos por Barcelos (1995, 2001, 2004, 2006, 2007), Conceição (2004), Kalaja (1995), Mukai (2010, 2011a, 2011b, 2011c, 2014, 2015 em prelo); Mukai e Conceição (2012), Pajares (1992), Woods (1993, 2003) bem como nos conceitos de autonomia na aprendizagem debatidos por Benson (2003), Holec (1981, 2008), Little (1991), Moura Filho (2005, 2009, 2014) e Nicolaides (2003, 2007). A pesquisa qualitativa realizada (CHIZZOTTI, 2006; CROTTY, 1998; DENZIN; LINCOLN, 2006; FLICK, 2009; DIONNE, 1999; SCHWANDT, 2006; SMITH, 2003) orienta-se pelos pressupostos metodológicos do estudo de caso (JOHNSON, 1992; MERRIAM, 2001; NUNAN, 1992; STAKE, 1994; YIN, 2010) de acordo com os seguintes seis instrumentos de coleta de dados: a) observação de aulas com notas de campo; b) ficha digital de registro de atividade dos participantes; c) fontes documentais; d) questionário misto; e) narrativa escrita; f) entrevista semiestruturada. Com esses instrumentos, a investigação trata de crenças e ações sobre a aprendizagem de línguas (BARCELOS, 2006; CONCEIÇÃO, 2004; KALAJA; BARCELOS, 2003) do ponto de vista contextual (BARCELOS, 2001; VIEIRA-ABRAHÃO, 2006). Os resultados obtidos indicam uma estreita relação entre as crenças e as ações dos estudantes relacionadas à autonomia na aprendizagem de língua japonesa que, consequentemente, podem estar correlacionados ao rendimento acadêmico. As análises dos dados sugerem que as crenças e ações dos estudantes recebem influências do contexto de aprendizagem na sala de aula bem como do contato com colegas do curso.
Abstract: This dissertation presents the academic results of a research carried out with the aim to investigate both the beliefs and actions related to the learning autonomy of low academic grade students of Japanese language with intermediate proficiency level enrolled in a licentiate degree course of a Brazilian state university. Currently, mainly for the area of Japanese teaching and learning in Brazil, there are still few studies that deal concomitantly with theme toward students with low academic achievements. The theoretical assumptions that guide the study are based on the concepts of beliefs discussed by Barcelos (1995; 2001; 2004; 2006; 2007), Conceição (2004), Kalaja (1995), Mukai (2010; 2011a; 2011b; 2011c; 2014; 2015 in press); (2005), Mukai and Conceição (2012), Pajares (1992), Woods (1993; 2003) and the concepts of learning autonomy discussed by Benson (2003; 2009; 2014) and Nicolaides (2003; 2007). The qualitative research carried out (CHIZZOTTI, 2006; DENZIN; LINCOLN, 2006; FLICK, 2009; DIONNE, 1999; SCHWANDT, 2006; SMITH, 2003) is based on the methodological assumptions of the case study (JOHNSON, 1992; MERRIAM, 2001; NUNAN, 1992; STAKE, 1994; YIN, 2010) according to the six data collection instruments as follow: a) observation of classes with field notes; b) digital registers of participants' activities; c) documentary sources; d) mixed questionnaire; e) written narrative; f) semi-structured interview. With these research instruments, this work deals with beliefs and actions on language learning (BARCELOS, 2006; CONCEIÇÃO, 2004; KALAJA; BARCELOS, 2003) from a contextual point of view (BARCELOS, 2001; VIEIRA-ABRAHÃO, 2006). The results indicate a close relationship between the beliefs and the actions of the students related to the Japanese language learning autonomy that, accordingly, may be correlated to their academic performance. The data analysis also suggests that students' beliefs and actions are influenced by the learning context in the classroom as well as by the contact with their pears.
Informações adicionais: Dissertação (mestrado)—Universidade de Brasília, Instituto de Letras, Departamento de Linguística Aplicada, 2017.
Licença: A concessão da licença deste item refere-se ao termo de autorização impresso assinado pelo autor com as seguintes condições: Na qualidade de titular dos direitos de autor da publicação, autorizo a Universidade de Brasília e o IBICT a disponibilizar por meio dos sites www.bce.unb.br, www.ibict.br, http://hercules.vtls.com/cgi-bin/ndltd/chameleon?lng=pt&skin=ndltd sem ressarcimento dos direitos autorais, de acordo com a Lei nº 9610/98, o texto integral da obra disponibilizada, conforme permissões assinaladas, para fins de leitura, impressão e/ou download, a título de divulgação da produção científica brasileira, a partir desta data.
Aparece nas coleções:PGLA - Mestrado em Linguística Aplicada (Dissertações)

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
2017_SaoriNishihata.pdf2,3 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.