Skip navigation
Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unb.br/handle/10482/24569
Files in This Item:
File Description SizeFormat 
2017_WélereGomesBarbosaSilveira.pdf2,67 MBAdobe PDFView/Open
Title: Aptidão física, nível de atividade física e qualidade de vida de policiais militares em início de carreira : um estudo longitudinal
Authors: Silveira, Wélere Gomes Barbosa
Orientador(es):: Porto, Luiz Guilherme Grossi
Coorientador(es):: Fontana, Keila Elizabeth
Assunto:: Aptidão física
Formação profissional
Policiais militares - qualidade de vida
Issue Date: 19-Sep-2017
Citation: SILVEIRA, Wélere Gomes Barbosa. Aptidão física, nível de atividade física e qualidade de vida de policiais militares em inicio de carreira: um estudo longitudinal. 2017. xii , 114 f., il. Dissertação (Mestrado em Educação Física)—Universidade de Brasília, Brasília, 2017.
Abstract: O serviço policial caracteriza-se por ser inerentemente arriscado e associado a elevadas exigências físicas e psicológicas, o que representa aumento no risco global e cardiovascular. O objetivo deste estudo foi avaliar a aptidão física, o nível de atividade física, a qualidade de vida e fatores associados, em policiais militares de um estado da Região Norte do Brasil, durante o curso de formação e no período inicial da carreira profissional. A pesquisa teve duas fases longitudinais de análise, sendo uma de mais curto prazo (6 meses - durante o curso de formação, que compreendia 3 sessões semanais obrigatórias de exercício físico vigoroso) e outra mais longa (2 anos e 7 meses - fase de início de carreira). A amostra da primeira fase foi composta por 219 candidatos a policiais militares, do sexo masculino, com idade entre 18 e 32 anos e IMC de 24,4±2,5 kg/m2 . A segunda etapa contou com 70 policiais participantes da fase anterior e que foram acompanhados nos seus dois anos e sete meses iniciais da carreira militar. A primeira fase de acompanhamento compreendeu as análises do teste de corrida de 12 minutos (teste de Cooper), para avaliar a aptidão cardiorrespiratória (ACR), os testes de flexão abdominal, flexão de braço em barra fixa e flexão de braço no solo, para avaliação de força e resistência musculares, além do IMC como indicador de composição corporal, com avaliações no início e no final da qualificação profissional. A avaliação inicial da segunda fase (início de carreira) coincidiu com o final do curso de formação e contou com indicadores sociodemográficos e avaliações da flexibilidade (teste sentar e alcançar), da qualidade de vida (QV, por meio do questionário WHOQOL) e da composição corporal por meio de medidas antropométrica de massa corporal, estatura, circunferências de cintura e percentual de gordura (Pollock com 3 dobras), além da pressão arterial de repouso. Após 2 anos e 7 meses as mesmas variáveis medidas no início da carreira foram reavaliadas, acrescidas do nível de atividade física por meio do IPAQ, da avaliação do tempo sentado por questionário e da estimativa de ACR sem a de realização de exercícios físicos (Questionário de Jackson et al, 1990). Devido à normalidade dos dados (teste de Shapiro-Wilk), empregou-se teste t-Student pareado para comparações longitudinais, teste t-Student para amostras independentes, bem como o teste qui-quadrado e a correlação de Pearson para as associações entre as variáveis, conforme cada caso, sempre ao nível de 5%. Ao final do curso todos os voluntários eram fisicamente ativos e se observou aumento significativo em todos os componentes da aptidão física avaliados (p<0,001), com incremento médio de 46% nos 4 testes físicos. Não houve associação entre o IMC e os componentes de aptidão física (r <0,08; p> 0,22). A idade foi correlacionada positivamente com o IMC (r = 0,25; p <0,001). Ao final do curso de formação os valores de QV mostraram-se baixos, variarando entre 55,5 e 73,6 nos 4 domínios do WHOQOL. Na análise de longo prazo, observou-se que após 2 anos e 7 meses de carreira policial houve diminuição de 34% no percentual de policiais ativos. Observou-se ainda redução de 7,11 ± 8,33cm (21,4±15,4.%) na flexibilidade e aumento do IMC em 0,80 ± 1,8 kg/m2 (2,9 ± 6,72%), de 5,14 ± 4,01 (55,7 ± 54,19 %) no percentual de gordura, de 5,48 ± 12,5 mmHg (5,4 ± 11,4%) na PA sistólica e de 5,85 ± 9,08 mmHg (8,8 ± 13,9%) na diastólica (p<0,01). Houve ainda aumento de 7% na proporção de militares obesos e um total de 60% que declararam permanecer sentados mais da metade do dia. Após dois anos e sete meses observou-se variação significativa da QV, com média de aumento de 17,5% em todos os domínios do WHOQOL (p<0,01) a exceção do domínio psicológico (p=0,17). Conclui-se que o curso de formação inicial para ingresso na carreira foi eficaz para promover aumento da ACR, da força e resistência musculares em recrutas previamente bem condicionados. Entretanto, após pouco tempo de exercício profissional (2 anos e 7 meses) houve significativo prejuízo em todos os indicadores de composição corporal, da flexibilidade, aumento na proporção de obesos e redução na proporção de policiais fisicamente ativos. Quanto à QV, o aumento observado no início da carreira comparativamente ao final do curso de formação reforça a interpretação de que os baixos valores registrados na avaliação inicial tenham relação com a elevada sobrecarga física e psicológica a que os alunos são submetidos durante a formação policial prévia ao ingresso na carreira. Nossos dados suportam a recomendação de incluir o treinamento físico nos cursos de formação para policiais, assim como o de implementação de estratégias de promoção da saúde com foco na adequada composição corporal, na prevenção da obesidade e do excesso de tempo na posição sentada. Os dados sugerem ainda que a inclusão de avaliações anuais obrigatórias da aptidão física e a introdução de treinamento físico sistemático para esses profissionais, ao longo de suas carreiras, possam contribuir para o desenvolvimento e/ou manutenção de bons indicadores de saúde e desempenho profissional.
Abstract: Policing is well recognized by being inherently risky and associated with high physical and psychological demands, which represent an increase on overall and cardiovascular risk. We aimed to evaluate the physical fitness, physical activity level (PAL), quality of life and associated factors in military police officers from a northern state of Brazil during their police training academy and after the initial period of their professional career. The research had two longitudinal phases of analysis, a shorter one (6 months - during the police training course, which comprised 3 mandatory weekly sessions of vigorous physical exercise) and a longer one (2 years and 7 months - initial period of the police career). The sample from the first phase was composed of 219 male police officer recruits with ages from 18 to 32 years and BMI of 24.4 ± 2.5 kg/m². The second phase included 70 police officers who participated in the first phase and were followed for the first two years and seven months of their military career. The first follow-up phase comprised the analysis of the 12-minute running test (Cooper test) to assess cardiorespiratory fitness (CRF), curl up, pullup and pushup tests for muscle strength and endurance evaluation, as well as BMI as an indicator of body composition, with assessments at the beginning and at the end of the training course. The initial evaluation of the second phase (beginning of the career) coincided with the end of the training course and included socio-demographic indicators and assessments of flexibility (sit and reach test), quality of life (QOL, using the WHOQOL questionnaire) and body composition by means of anthropometric measurements of body mass, height, waist circumference and body fat percentage (3-site skinfold assessment by Jackson-Pollock equation), in addition to the resting blood pressure. After 2 years and 7 months, the same variables measured at the beginning of the career were reevaluated and also: PAL through the IPAQ, sitting time using a questionnaire and the estimation of CRF without exercise (Jackson Questionnaire, 1990). Due to data normality (Shapiro-Wilk test), paired Student's t-test for longitudinal comparisons, Student's ttest for independent samples, as well as the chi-square test and the Pearson's correlation were used, always at the level of 5%. At the end of the course, all volunteers were physically active and showed a significant increase in all components of health-related physical fitness (p <0.001), with a mean increase of 46% in the 4 physical tests. There was no association between BMI and physical fitness components (r <0.08; p> 0.22). Age was positively correlated with BMI (r = 0.25, p <0.001). At the end of the training course, QOL values were low (from 55.5 to 73.6 in the 4 domains of the WHOQOL). In the long-term analysis, we observed that after 2 years and 7 months of police career there was a decrease of 34% in the percentage of active police officers. There was also a reduction of 7.11 ± 8.33 cm (21.4 ± 15.4%) in flexibility and increase in BMI of 0.80 ± 1.8 kg/m² (2.9 ± 6.72%) and 5.14 ± 4.01 (55.7 ± 54.19%) in the body fat percentage, 5.48 ± 12.5 mmHg (5.4 ± 11.4%) in systolic BP and 5.85 ± 9.08 mmHg (8.8 ± 13.9%) in diastolic BP (p <0.01). There was also a 7% increase in the proportion of obesity and 60% of the police officers reported high sitting time (half or more of the day). After 2 years and 7 months, there was a significant variation of QOL, with a mean increase of 17.5% in all WHOQOL domains (p <0.01), except for the psychological domain (p = 0.17). The initial training course for career entry was effective in promoting increases in CRF, muscle strength and endurance in previously well-conditioned recruits. However, after a short time of professional performance (2 years and 7 months) there was a significant reduction in all indicators of body composition, flexibility, an increase in the proportion of obesity and a reduction in the proportion of active police officers. Regarding the QOL, the increase observed at the beginning of the career compared to the end of the academy training reinforces the interpretation that the low values recorded in the initial evaluation are related to the high physical and psychological overload that the recruits are subjected to during the police training course. Our data supports the recommendation to include physical training during the academy period, as well as the implementation of health promotion strategies focused on adequate body composition, prevention of obesity and excess of sitting time. Our data also suggest the inclusion of mandatory annual physical fitness assessments and the introduction of systematic physical training throughout the police career aiming to contribute to the development and / or maintenance of good health and professional performance.
Description: Dissertação (mestrado)—Universidade de Brasília, Faculdade de Educação Física, Programa de Pós-Graduação em Educação Física, 2017.
Licença:: A concessão da licença deste item refere-se ao termo de autorização impresso assinado pelo autor com as seguintes condições: Na qualidade de titular dos direitos de autor da publicação, autorizo a Universidade de Brasília e o IBICT a disponibilizar por meio dos sites www.bce.unb.br, www.ibict.br, http://hercules.vtls.com/cgi-bin/ndltd/chameleon?lng=pt&skin=ndltd sem ressarcimento dos direitos autorais, de acordo com a Lei nº 9610/98, o texto integral da obra disponibilizada, conforme permissões assinaladas, para fins de leitura, impressão e/ou download, a título de divulgação da produção científica brasileira, a partir desta data.
Appears in Collections:FEF - Mestrado em Educação Física (Dissertações)

Show full item record Recommend this item " class="statisticsLink btn btn-primary" href="/handle/10482/24569/statistics">



Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.