Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.unb.br/handle/10482/24180
Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
2017_ElianaFerreiraRibeiroDuraes.pdf4,66 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir
Título: Resultado estético e qualidade de vida após mastectomia e reconstrução mamária para tratamento de câncer de mama
Autor(es): Durães, Eliana Ferreira Ribeiro
Orientador(es): Sousa, João Batista de
Coorientador(es): Moreira, Andrea Arnaud
Assunto: Mastectomia
Mamas - cirurgia
Qualidade de vida
Estética corporal
Mamas - câncer
Data de publicação: 18-Ago-2017
Referência: DURÃES, Eliana Ferreira Ribeiro. Resultado estético e qualidade de vida após mastectomia e reconstrução mamária para tratamento de câncer de mama. 2017.81 f., il. Tese (Doutorado em Ciências Médicas)—Universidade de Brasília, Brasília, 2017.
Resumo: INTRODUÇÃO: Nos últimos 16 anos, foi observado um aumento de 35% nos casos de reconstrução mamária nos Estados Unidos, aumentando o interesse em relação à satisfação e à qualidade de vida relacionada à reconstrução mamária. O objetivo deste estudo é avaliar a qualidade de vida e o resultado estético das pacientes submetidas a diferentes técnicas de reconstrução mamária para o tratamento do câncer de mama. MÉTODOS: Foi realizada a análise retrospectiva dos dados demográficos e características clínicas das pacientes submetidas a reconstrução mamária entre 2009 e 2011 na Cleveland Clinic – OH. A qualidade de vida foi avaliada por meio de questionários pré e pós-operatórios de qualidade de vida relacionada a reconstrução mamária, o BreastQ. O resultado estético foi avaliado por meio de análise de fotografias com a utilização de uma escala multi-parâmetro específica para a avaliação da estética da mama. As pacientes que responderam a versão pré-operatória do questionário foram agrupadas entre o grupo que buscava a reconstrução imediata e o grupo que buscava a reconstrução tardia. Os questionários pósoperatórios foram analisados quanto a: tipo de reconstrução (somente implante ou tecido autólogo com ou sem implante); necessidade ou não de radioterapia; presença da placa aréolo papilar (PAP); presença de complicações pós-operatórias e lateralidade. A satisfação com as mamas relatada pelas pacientes foi comparada à avaliação do resultado estético atribuída por profissionais/estudantes da área médica por meio de fotografias de pós-operatório. Foram realizadas análises univariada e multivariada dos dados e p <0,05 foi considerado estatisticamente significativo. RESULTADOS: Ao todo, 153 pacientes responderam o questionário pré-operatório: 141 para a reconstrução imediata e 13 para reconstrução tardia. As pacientes que buscavam a reconstrução imediata apresentaram maior satisfação com as mamas (63,3±22,7 vs. 31,6±18,9; p<0,01), bem-estar psicossocial (73,1±16,8 vs. 53,2±17; p<0,01), bem-estar físico – tórax (61,6±14,2 vs. 66,4±14,1; p<0,03) e bem-estar sexual (58,9±21,5 vs. 31,1±14,1; p<0,01), comparado à reconstrução tardia. Um total de 261 questionários pós-operatórios foram avaliados. Entre as pacientes que responderam os questionários, 147 tiveram suas fotografias avaliadas. A satisfação com as mamas foi maior na reconstrução autóloga (67,5±21,6 vs. 60,4±21,4; p=0,018), quando comparada ao implante. Pacientes submetidas à radioterapia relataram menor satisfação com as mamas (60,1±22,1 vs. 65,4±21,3; p=0,03), menor satisfação com o tratamento (61,3±24,0 vs. 69,4±22,4; p=0,008), menor bem-estar psicossocial (65,9±20,9 vs. 74,2±21,4; p=0,001), menor bem-estar sexual (45,4±22,9 vs. 53,5±24,1; p=0,034) e menor bem-estar físico (72,0±16,5 vs 78,6±16,5; p=0,002), camparadas às pacientes nãoirradiadas. A reconstrução bilateral apresentou maior satisfação com as mamas (66,6±18,9 vs 60,0±24,1; p= 0,028) e com o tratamento (69,4±22,2 vs 63,3±24,2; p=0,035), comparada à unilateral. A presença de complicações pós-operatórias está relacionada a um menor bem–estar físico (73,8±16,4 vs 80,4±16,8; p=0,003). Reoperações devido a complicações estão relacionadas a menor bem-estar psicossocial (67,0±21,8 vs 73,4±21,1; p=0,02) e físico (72,3±16,4 vs 78,3±16,6; p=0,01), em relação às pacientes sem complicações. O resultado estético global foi superior na reconstrução autóloga, comparada ao implante (3,5±0,8 vs. 3,0±0,9; p=0,001); na ausência da radioterapia, comparado às mamas irradiadas (3,4±0,8 vs. 3,0±0,9; p=0,016); na presença da PAP, comparado às mamas sem a PAP (3,3±0,9 vs. 3,0±0,8; p=0,023). Na análise multivariada, a reconstrução autóloga e a bilateralidade influenciaram positivamente a satisfação com as mamas; enquanto a radioterapia, o número de cirurgias e o tempo decorrido entre a reconstrução e o questionário influenciaram negativamente. O resultado estético global foi influenciado positivamente pela reconstrução autóloga e negativamente pelo risco anestésico (ASA), radioterapia e número de cirurgias por paciente. Foi observada uma correlação entre o resultado estético avaliado e a satisfação com as mamas (r=0,329; p<0,001). CONCLUSÃO: A qualidade de vida e o resultado estético das pacientes submetidas a reconstrução mamária são positivamente influenciados pelo uso de tecido autólogo associado ou não a implantes mamários e pela bilateralidade da reconstrução. Fatores que influenciaram negativamente incluem: o uso da radioterapia, um maior número de cirurgias necessárias para a reconstrução, a realização de reoperações devido a complicações, maior índice de massa corporal e um maior tempo decorrido entre a reconstrução e o questionário. A qualidade de vida relatada pelas pacientes nos demais módulos do BreastQ também influencia na satisfação com as mamas. Tanto as pacientes quanto os profissionais avaliam melhor a reconstrução com tecido autólogo. No entanto, as pacientes tendem a avaliar melhor que os profissionais a reconstrução realizada com o uso exclusivo de implantes, enquanto os profissionais da área médica reconstrução autóloga quando comparados avaliam melhor a às pacientes.
Abstract: INTRODUCTION: Over the past 16 years, there has been a 35% increase in breast reconstruction in the United States, increasing the interest in satisfaction and quality of life after to breast reconstruction. The aim of this study is to evaluate the quality of life and aesthetic outcome of patients submitted to different breast reconstruction techniques for the treatment of breast cancer. METHODS: Retrospective analysis of demographic data and clinical characteristics of patients undergoing breast reconstruction between 2009 and 2011 at Cleveland Clinic – OH was performed. Quality of life related to breast reconstruction was assessed using pre and post-operative quality of life questionnaires, the BreastQ. The aesthetic result was evaluated by means of photographic analysis using a specific multi-parameter scale for the evaluation of breast aesthetics. The patients who answered the preoperative version of the questionnaire were grouped between the group that sought immediate reconstruction and the group that sought the delayed reconstruction. The postoperative questionnaires were analyzed for: type of reconstruction (implant only or autologous tissue with or without implant); need for radiation therapy; presence of nipple-areolar complex (NAC); presence of postoperative complications; and laterality. Patient-reported breast satisfaction was compared to the aesthetic result graded by medical professionals / students through postoperative photographs. Univariate and multivariate data analyzes were performed and p <0.05 was considered statistically significant. RESULTS: A total of 153 patients answered the preoperative questionnaire: 141 for immediate reconstruction and 13 for delayed. Patients who sought immediate reconstruction had higher satisfaction with breasts (63.3 ± 22.7 vs. 31,6 ± 18.9; p <0.01), higher psychosocial well-being (73.1 ± 16.8 vs. 53.2 ± 17; p <0.01), higher physical – thorax well-being (61.6 ± 14.2 vs. 66.4 ± 14.1; p <0.03), and sexual wellbeing (58.9 ± 21.5 Vs. 31.1 ± 14.1; p <0.01) compared to delayed reconstruction. A total of 261 post-operative questionnaires were evaluated. Among the patients who answered the questionnaires, 147 had their photographs graded. Breast satisfaction was higher in the autologous reconstruction (67.5 ± 21.6 vs. 60.4 ± 21.4; p = 0.018) when compared to implant. Radiated patients reported lower satisfaction with breasts (60.1 ± 22.1 vs. 65.4 ± 21.3; p = 0.03), lower satisfaction with the treatment (61.3 ± 24.0 vs. 69.4 ± 22.4; p = 0.008), lower psychosocial well-being (65.9 ± 20.9 vs. 74.2 ± 21.4; p = 0.001), lower sexual well-being (45.4 ± 22.9 vs. 53.5 ± 24.1; p = 0.034) and lower physical wellbeing (72.0 ± 16.5 vs. 78.6 ± 16.5; p = 0.002), compared to non-radiated patients. Bilateral reconstruction patients presented higher satisfaction with breasts (66.6 ± 18.9 vs 60.0 ± 24.1; p = 0.028) and with treatment (69.4 ± 22.2 vs 63.3 ± 24.2; P = 0.035), compared to unilateral. The presence of postoperative complications is related to lower physical well-being (73.8 ± 16.4 vs 80.4 ± 16.8; p = 0.003). Reoperations due to complications are related to lower psychosocial (67.0 ± 21.8 vs 73.4 ± 21.1; p = 0.02) and physical well-being (72.3 ± 16.4 vs 78.3 ± 16.6; p = 0.01), in relation to patients without complications. The overall aesthetic result was higher in the following groups: autologous reconstruction compared to the implant (3.5 ± 0.8 vs. 3.0 ± 0.9; p = 0.001); in the absence of radiation therapy, compared to non-radiated (3.4 ± 0.8 vs. 3.0 ± 0.9; p = 0.016); and in the presence of NAC, compared to breasts without NAC (3.3 ± 0.9 vs. 3.0 ± 0.8; p = 0.023). In the multivariate analysis, autologous reconstruction and bilaterality positively influenced the satisfaction with breasts; whereas the radiation therapy, the number of surgeries, and the time elapsed between the reconstruction and the questionnaire negatively influenced satisfaction with breasts. The overall aesthetic result was positively influenced by autologous reconstruction and negatively influenced by higher anesthetic risk (ASA), radiation therapy, and number of surgeries per patient. A correlation was observed between the aesthetic result evaluated and the satisfaction with breasts (r = 0.329, p <0.001). CONCLUSION: The quality of life and aesthetic outcome of breast reconstruction patients are positively influenced by the use of autologous tissue associated or not with breast implants, and bilateral reconstruction. Factors that negatively influenced include: the use of radiation therapy, a bigger number of surgeries required for the reconstruction, reoperations due to complications, a higher body mass index and a longer time elapsed between reconstruction and the questionnaire. The patient-reported quality of life in other domains of the BreastQ also influences the satisfaction with breasts. Both patients and practitioners better evaluate autologous tissue reconstruction. However, the patients tend to evaluate better than the professionals the reconstruction performed with the exclusive use of implants, while the medical professionals evaluate better the autologous reconstruction, compared to the patients’ evaluation.
Informações adicionais: Tese (doutorado)—Universidade de Brasília, Faculdade de Medicina, Programa de Pós-Graduação em Ciências Médicas, 2017.
Licença: A concessão da licença deste item refere-se ao termo de autorização impresso assinado pelo autor com as seguintes condições: Na qualidade de titular dos direitos de autor da publicação, autorizo a Universidade de Brasília e o IBICT a disponibilizar por meio dos sites www.bce.unb.br, www.ibict.br, http://hercules.vtls.com/cgi-bin/ndltd/chameleon?lng=pt&skin=ndltd sem ressarcimento dos direitos autorais, de acordo com a Lei nº 9610/98, o texto integral da obra disponibilizada, conforme permissões assinaladas, para fins de leitura, impressão e/ou download, a título de divulgação da produção científica brasileira, a partir desta data.
Aparece nas coleções:FMD - Doutorado em Ciências Médicas (Teses)

Mostrar registro completo do item Recomendar este item Visualizar estatísticas



Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.