Skip navigation
Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unb.br/handle/10482/23967
Files in This Item:
File Description SizeFormat 
ARTIGO_EtnoterminologiaLinguaMunduruku.pdf798,91 kBAdobe PDFView/Open
Full metadata record
DC FieldValueLanguage
dc.contributor.authorCosta, Nathalia Martins Peres-
dc.contributor.authorGomes, Dioney Moreira-
dc.date.accessioned2017-07-31T15:44:05Z-
dc.date.available2017-07-31T15:44:05Z-
dc.date.issued2013-
dc.identifier.citationCOSTA, Nathalia Martins Peres; GOMES, Dioney Moreira. A etnoterminologia da língua Mundurukú - Tupí e as contribuições da Ecolinguística. Cadernos de Linguagem e Sociedade, v. 14, n. 1, p. 252-274, 2013. Disponível em: <http://periodicos.unb.br/index.php/les/article/view/9176/6890>. Acesso em: 26 jul. 2017.pt_BR
dc.identifier.urihttp://repositorio.unb.br/handle/10482/23967-
dc.description.abstractA etnoterminologia estuda os termos encontrados nos discursos de especialidade de uma comunidade autóctone). Em cada contexto étnico, haverá diferentes termos (etnotermos), cultural comunitariamente variável. Por exemplo, a concepção do termo “alma” na cultura greco- romana é diferente da forma como ele é concebido na maioria das culturas orientais e indígenas. Para postular uma etnoterminologia a partir do estudo de comunidades autóctones, é preciso reconhecer que elas são detentoras de conhecimentos especializados, presentes em um discurso de especialidade. Desde 2009, pesquisamos os etnotermos do rico sistema de cura e cuidado do povo Mundurukú, fortemente atrelados ao meio ambiente. Além da fundamentação teórica e metodológica dos dois campos que compõem a Etnoterminologia, que são a Etnolinguística e a Terminologia, recentemente começamos a considerar a Ecolinguística, posto que ela contempla as relações entre língua e meio ambiente, compreendendo a língua como componente de um ecossistema, entendido este como o produto da relação Território (T) + Povo (P) + Língua (L). Como o Território é determinante na construção do conhecimento especializado dos pajés, uma vez que é o seu meio de atuação científica torna-se um componente necessário na análise linguística. Não há dúvidas de que os etnotermos empregados nessa medicina sofrem influência direta dos recursos disponíveis. Assim, perdas ambientais e territoriais implicam perdas linguístico-culturais. Aqui, encontramos uma contribuição da Ecolinguística, que também «(...) luta pela preservação das línguas minoritárias e/ou ameaçadas de extinção» (COUTO, 2007: 41). O construto Léxico da Ecolinguística também passa a integrar o nosso construto Etnotermo e a epistemologia da nossa Etnoterminologia.pt_BR
dc.language.isoPortuguêspt_BR
dc.publisherUniversidade de Brasíliapt_BR
dc.rightsAcesso Abertopt_BR
dc.titleA etnoterminologia da língua Mundurukú - Tupí e as contribuições da Ecolinguísticapt_BR
dc.title.alternativeThe ethnoterminology of Mundurukú Tupi-language and the contributions of ecolinguisticspt_BR
dc.typeArtigopt_BR
dc.subject.keywordEcolinguísticapt_BR
dc.subject.keywordÍndios Munduruku - Amazonaspt_BR
dc.rights.licenseCadernos de Linguagem e Sociedade do Programa de Pós-Graduação em Linguística da UnB é licenciado sob uma Licença Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-Vedada a criação de obras derivadas 3.0 Unported. Fonte: http://periodicos.unb.br/index.php/les/article/view/9176/6890. Acesso em: 26 jul. 2017.pt_BR
dc.description.abstract1Ethnoterminology studies the terms found in the discourses of an autochthon community’s expertise. For each ethnic context, there will be different terms, or ethnoterms. In order to do this, it is necessary to recognize that these communities have their own expert knowledge. Since 2009, we research the ethnoterms of the rich healing and care systems of Mundurukú people. Besides the theoretic and methodological grounding of the two fields that compose Ethnoterminology (Ethnolinguistics and Terminology), recently we began to consider the Ecolinguistics, since it embraces the relationship between language and environment, understanding language as a component of an ecosystem, which is seen as the product of the relationship Territory (T) + People (P) + Language (L). When we analyze a language and its ethnoterminology, we dapart from a cultural linguistic proposal and include the ecological view of Ecolinguistics, mainly because our object is a people’s traditional medical wisdom, which necessarily involves natural resources, offered by its own Territory. In addition, there is no doubt that the ethnoterms employed in this medicine undergo direct influence of the available resources; thus, environmental and territorial losses imply cultural and linguistic losses. For this reason, the Lexical construct of Econlinguistcs must integrate our Ethnoterm construct and the epistemology of our Ethnoterminology.pt_BR
Appears in Collections:LIP - Artigos publicados em periódicos

Show simple item record Recommend this item " class="statisticsLink btn btn-primary" href="/handle/10482/23967/statistics">



Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.