RIUnB >
14. FEF - Faculdade de Educação Física >
FEF - Programa de Pós-graduação  >
FEF - Mestrado em Educação Física (Dissertações) >

Utilize este link para identificar ou citar este item: http://repositorio.unb.br/handle/10482/22923

Arquivos neste item:

Arquivo Descrição TamanhoFormato
2016_CamilaSodréMendesBarros.pdf1,83 MBAdobe PDFver/abrir

Título: Efeito do circuito de equilíbrio em pacientes com artroplastia total de quadril ou joelho – ensaio clínico controlado randomizado e cego
Autor(es): Barros, Camila Sodré Mendes
Orientador(es): Safons, Marisete Peralta
Assunto: Artroplastia total - quadril
Artroplastia total - joelho
Equilíbrio
Quedas (acidentes)
Data de publicação: 16-Mar-2017
Data de defesa: 12-Dez-2016
Referência: BARROS, Camila Sodré Mendes. Efeito do circuito de equilíbrio em pacientes com artroplastia total de quadril ou joelho – ensaio clínico controlado randomizado e cego. 2016. 69 f., il. Dissertação (Mestrado em Educação Física)—Universidade de Brasília, Brasília, 2016.
Resumo: Introdução: A Artroplastia total de quadril (ATQ) e joelho (ATJ) tem bons resultados na melhora do quadro álgico, rigidez, função e qualidade de vida, porém, dados da literatura mostram que os pacientes apresentam desempenho funcional inferior e maior risco de quedas quando comparados com grupo controle (GC) pareado pela idade. Os poucos estudos que avaliaram os benefícios do treino de equilíbrio no programa de reabilitação após ATQ e ATJ encontraram melhores resultados quando comparados com exercícios convencionais. No entanto, as amostras foram restritas a seis meses de pós-operatório (PO) e as intervenções foram individuais. O Circuito de Equilíbrio (CE) é uma intervenção para treino de equilíbrio, realizado em grupo, com bons resultados observados em idosas saudáveis. Objetivo: Avaliar a melhora no equilíbrio, estático e funcional, no risco de quedas, na autoeficácia em relação as quedas e no desempenho funcional, após o CE, em pacientes com mais de um ano de PO de ATQ ou ATJ e comparar com GC. Métodos: Pacientes submetidos a ATQ ou ATJ, no Hospital Sarah Brasília, entre 2009 e 2013 foram convidados a participar da pesquisa. Os participantes foram randomizados entre grupo intervenção (GI) e GC. O GI participou do CE por 12 semanas e o GC seguiu a rotina usual. Ambos foram avaliados, antes e após o período do CE, por examinadores cegos, com a Escala de Equilíbrio Funcional de Berg (EEFB), o Teste do Timed Up and Go (TUG), o equilíbrio estático na plataforma de força, o QuickScreen e os três testes de desempenho que o compõe (Teste do semitandem, Teste do degrau e Teste do sentar e levantar) e o Falls Efficacy Scale – International (FES-I). Foram realizadas análises por intenção-de-tratar e por-protocolo. Nas análises intragrupos foi utilizado o Teste t para amostra em pares. Nas análises intergrupos foi utilizado o Teste t para amostras independentes. Resultados: 69 participantes foram randomizados em GI (n=35) e GC (n=34) sendo que houve 4 perdas em cada grupo ao longo do estudo. Na análise intragrupos, por intenção-de-tratar, foram observadas diferenças estatísticas no GI para a EEFB (p=0,007), TUG (p=0,02), QuickScreen (p=0,005), Teste do Degrau (p=0,001) e Teste do Sentar e Levantar (p=0,001). Tanto o GI (p=0,019) quanto o GC (p=0,028) apresentaram melhora no Teste do Semitandem. Na análise por-protocolo, quando nove pacientes foram eliminados por terem comparecido a menos de 75% das sessões do CE, foram observadas diferenças estatísticas no GI na EEFB (p=0,011), TUG (p=0,016), FES-I (p=0,014), Teste do Degrau (p=0,000) e Teste do Sentar e Levantar (p=0,001). Não foram observadas diferenças na análise intergrupos e na plataforma de força. Conclusão: o CE promove benefícios no equilíbrio, risco de quedas e desempenho funcional em pacientes com mais de um ano de ATQ ou ATJ, mas não o suficiente para diferencia-los no GC.
Abstract: Background: Total hip arthroplasty (THA) and knee (TKA) has good results in improving pain, stiffness, function and quality of life, however, the literature shows that patients have lower functional performance and increased risk of falls compared with control group (CG) paired by age. The few studies that evaluated the benefits of balance training in the rehabilitation program after THA and TKA found better results when compared to conventional exercises. However, the samples were restricted to six months after surgery and interventions were individual. The Balance Exercise Circuit (BEC) is an intervention to balance training group with good results observed in healthy elderly. Objective: To evaluate the improvement in static and functional balance, the risk of falls, the self-efficacy in relation to falls and the functional performance after BEC, in patients with more than one year of THA or TKA and to compare with GC. Methods: Patients undergoing THA or TKA in Brasilia Sarah Hospital between 2009 and 2013 were invited to participate. Participants were randomized between intervention group (IG) and CG. The IG attended the CE for 12 weeks and the CG followed the usual routine. Both were evaluated before and after the CE, by blind examiners, with the Functional Balance Scale Berg (BBS), the Timed Up and Go Test (TUG), static balance in the force platform, the Quickscreen and the three performance tests that compose it (near tandem stand test, alternate step test and sit-to-stand test) and the Falls Efficacy Scale - International (FES-I). Intention-to-treat and per-protocol analyzes were performed. In the intragroup analysis, the t-test for paired sample was used. In the intergroup analyzes, the t-test for independent samples was used. Results: 69 subjects were randomized into IG (n = 35) and control group (n = 34) wherein there were four losses in each group throughout the study. In the intragroup analysis by intention to treat, improvements were observed in IG for BBS (p = 0.007), TUG (p = 0.02), QuickScreen (p = 0.005), Alternate step test (p = 0.001) and Sit-to-stand test (p = 0.001). Both IG (p = 0.019) as the CG (p = 0.028) improved in near tandem stand test. In the per-protocol analysis, when nine patients were eliminated for attending less than 75% of CE sessions, there was improvement in IG in BBS (p = 0.011), TUG (p = 0.016), FES-I (p = 0.014) Alternate step test (p = 0.000) and Sit-to-stand test (p = 0.001). No differences were observed in the intergroup analysis and force platform. Conclusion: BEC is a well-tolerated intervention in patients with more than one year of THA or TKA with benefits in the balance, risk of fall and functional performance tests that are related to a lower risk of falls.
Informações adicionais: Dissertação (mestrado)—Universidade de Brasília, Faculdade de Educação Física, Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Educação Física, 2016.
Licença : A concessão da licença deste item refere-se ao termo de autorização impresso assinado pelo autor com as seguintes condições: Na qualidade de titular dos direitos de autor da publicação, autorizo a Universidade de Brasília e o IBICT a disponibilizar por meio dos sites www.bce.unb.br, www.ibict.br, http://hercules.vtls.com/cgi-bin/ndltd/chameleon?lng=pt&skin=ndltd sem ressarcimento dos direitos autorais, de acordo com a Lei nº 9610/98, o texto integral da obra disponibilizada, conforme permissões assinaladas, para fins de leitura, impressão e/ou download, a título de divulgação da produção científica brasileira, a partir desta data.
Aparece na Coleção:FEF - Mestrado em Educação Física (Dissertações)

Todos os itens no repositório estão protegidos por copyright. Todos os direitos reservados.

 

Site Creative Commons Site Oaister Sítio IBICT Universidade de Brasília
Sobre o Repositório  |  FAQ  |  Estatísticas |  Termo de Autorização do Autor
Copyright © 2008 MIT & HP. Todos os direitos reservados.