Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.unb.br/handle/10482/2227
Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
2006_Marcos Felipe Pinheiro Lima.pdf623,77 kBAdobe PDFVisualizar/Abrir
Título: Do americanismo ao universalismo : as transformações nas relações internacionais do Brasil, de 1902 a 1964
Autor(es): Lima, Marcos Felipe Pinheiro
Orientador(es): Lessa, Antônio Carlos
Assunto: Brasil - política e governo
Relações internacionais
Brasil - relações exteriores
Estados Unidos
Data de publicação: 19-Nov-2009
Referência: LIMA, Marcos Felipe Pinheiro. Do americanismo ao universalismo: as transformações nas relações internacionais do Brasil, de 1902 a 1964. 2006. 117 p. Dissertação (Mestrado em Relações Internacionais)-Universidade de Brasília, Brasília, 2006.
Resumo: Os Estados, em suas relações internacionais, necessitam definir estratégias de atuação, as quais podem resultar em aproximação ou distanciamento em relação a determinados países. A política externa, portanto, denota o posicionamento adotado por um determinado país para o alcance do seu objetivo, agindo internacionalmente de acordo com sua estratégia racionalmente escolhida. O caso brasileiro é ilustrativo, tendo-se como base as relações internacionais do país entre 1902 e 1964. De uma política externa que tinha os Estados Unidos como centro de sua formulação para o alcance do principal desígnio da nação, qual seja, o desenvolvimento, o Brasil evoluiu para uma política de caráter universalista, iniciada com maior precisão na Política Externa Independente, que vislumbrava o alcance do desenvolvimento não apenas por meio de uma política de aproximação com a potência norteamericana, mas sim diversificando as possibilidades de atuação do país no cenário internacional. As idéias dos principais formuladores de política externa como o Barão do Rio Branco, Osvaldo Aranha, San Tiago Dantas e Araújo Castro também contribuíram para essa evolução nas relações internacionais do Brasil, servindo de estrutura cognitiva para o deslocamento do americanismo para o universalismo como paradigma da política externa brasileira. _______________________________________________________________________________ ABSTRACT
States, in their international relations, must define action strategies, which can bring them closer or move them away from other states. In this sense, a state’s foreign policy denotes that state’s position towards a well-defined goal, which leads it to act internationally according to a rationally chosen strategy. The international relations of Brazil between 1902 and 1964 constitute an illustrative case. The Brazilian foreign policy evolved from a model in which the United States had a central role in promoting the country’s development to a universalistic model, initiated with the Política Externa Independente (Brazilian Independent Foreign Policy), which envisaged the strategy towards development not only in terms of Brazil’s relationship with the United States, but by diversifying the country’s possibilities of action in the international arena. The ideas of the main foreign policymakers, such as Rio Branco, Osvaldo Aranha, San Tiago Dantas, and Araújo Castro, also contributed to the evolution of the Brazilian international relations, acting as a cognitive framework to change the foreign policy paradigm from Americanism to Universalism.
Informações adicionais: Dissertação (mestrado)—Universidade de Brasília, Instituto de Relações Internacionais, Programa de Pós-Graduação em Relações Internacionais, 2006.
Aparece nas coleções:IREL - Mestrado em Relações Internacionais (Dissertações)

Mostrar registro completo do item Recomendar este item Visualizar estatísticas



Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.