Skip navigation
Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unb.br/handle/10482/21721
Files in This Item:
File Description SizeFormat 
ARTIGO_AgentesImperfeitasContribuicoes.pdf688,99 kBAdobe PDFView/Open
Title: Agentes imperfeitas : contribuições do feminismo para a análise da relação entre autonomia, preferências e democracia
Authors: Tokarski, Flávia Millena Biroli
Assunto:: Autonomia
Opressão
Feminismo
Issue Date: Sep-2012
Publisher: Universidade de Brasília. Instituto de Ciência Política
Citation: BIROLI, Flávia. Agentes imperfeitas: contribuições do feminismo para a análise da relação entre autonomia, preferências e democracia. Revista Brasileira de Ciência Política, Brasília, n. 9, p. 07-38, set./dez 2012. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-33522012000300001&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 09 set. 2016. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-33522012000300001.
Abstract: O artigo discute a noção de autonomia e o processo de formação das preferências, considerando abordagens distintas na teoria política feminista. O respeito às crenças e preferências individuais tem sido considerado um aspecto central da democracia pela tradição liberal. Mas mesmo nessa tradição, há entendimentos distintos de como essas preferências são definidas, como elas estão relacionadas às posições sócio-estruturais dos indivíduos e às oportunidades abertas ou limitadas por essas posições. As análises feministas consideram os constrangimentos, mas também os incentivos e interpelações que constituem as preferências e as identidades em contextos nos quais há desigualdades sociais. O artigo enfoca as tensões entre o valor da autonomia individual, tomado como premissa epistemológica e política, e o entendimento crítico da opressão e da dominação como a base para a produção social das identidades. _______________________________________________________________________________________________ ABSTRACT
The article discusses the issue of autonomy and preferences considering different approaches in feminist political theory. The respect for individual beliefs and preferences has been considered a main feature for democracy within liberal tradition. But even in this tradition there are distinct understandings of how those preferences are defined, how they are connected to individual structural positions and the opportunities that those positions open or constrain. Feminist analysis considers constraints, but also evocations and interpellations, constituting preferences and identities in contexts of social inequalities. The work focuses on the tensions between the value of individual autonomy, taken as an epistemological and a political framework, and the critical understanding of oppression and domination as the basis for socially produced identities.
Licença:: Revista Brasileira de Ciência Política - All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International (CC BY-NC 4.0). Fonte: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-33522012000300001&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 09 set. 2016.
DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0103-33522012000300001
Appears in Collections:IPOL - Artigos publicados em periódicos

Show full item record Recommend this item " class="statisticsLink btn btn-primary" href="/handle/10482/21721/statistics">



Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.