Skip navigation
Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unb.br/handle/10482/2143
Files in This Item:
File Description SizeFormat 
2006_David Neves.pdf1,63 MBAdobe PDFView/Open
Title: Metiltioadenosina fosforilase de trypanosoma cruzi, um alvo potencial para quimioterapia da doença de chagas, apresenta ampla especificidade a substratos e elevada estabilidade estrutural
Authors: Neves, David
Orientador(es):: Santana, Jaime Martins de
Freitas, Sônia Maria de
Assunto:: Biologia molecular
Chagas, Doença de
Issue Date: 10-Nov-2009
Citation: NEVES, Metiltioadenosina fosforilase de trypanosoma cruzi, um alvo potencial para quimioterapia da doença de chagas, apresenta ampla especificidade a substratos e elevada estabilidade estrutural. 2006. 91 f. Tese (Doutorado em Patologia Molecular)-Universidade de Brasília, Brasília, 2006.
Abstract: Esta tese descreve a identificação do gene mtaf (metiltioadenosina fosforilase) de T. cruzi, o qual contém uma fase aberta de leitura de 921 pb, sendo que sua a seqüência traduzida exibe a assinatura da família 2 das purina nucleosídeo fosforilase/MTAP. A seqüência da TcMTAF é 59% e 58% idêntica às seqüências MTAF do Trypanosoma brucei and Leishmania major, respectivamente, mas apresentando apenas 35% de identidade com a seqüência da MTAF humana. Além disso, o gene está representado como cópia única por genoma haplóide do parasita. A TcMTAF recombinante migra como um monômero de 33 kDa em gel de “SDS-PAGE” sob condições redutoras, mas se associa em oligômeros na ausência de agentes redutores. A MTAF nativa é expressa pelas três formas de desenvolvimento do T. cruzi. Apesar da enzima ser ativa em uma ampla faixa de pH e temperatura, ela exibe atividade máxima à 50 °C e um pH ótimo na faixa neutra. Ao contrário da MTAF humana, que degrada apenas MTA, a TcMTAF catalisa a clivagem de MTA, adenosina, deoxiadenosina e guanosina. Devido ao fato da TcMTAF e da MTAF humana possuírem diferentes parâmetros cinéticos e especificidade a substratos, a TcMTAF pode ser explorada como um novo alvo para o desenvolvimento de quimioterapia tripanocída. A rTcMTAP foi submetida a caracterização fisicoquímica. A enzima foi submetida à desnaturação térmica, visualizada por dicroísmo circular, em uma ampla faixa de pH, contudo não se observou uma relação entre a estabilidade da proteína e as condições de ionização do meio. A enzima demonstrou uma considerável resistência à desnaturação térmica, desdobrando-se em temperaturas acima de 79 °C. O conteúdo de estruturas secundárias da enzima é significativamente composto por α-hélices. Contudo, mesmo após a desnaturação térmica, a percentagem das α-hélices exibe pouca variação, principalmente no pH 7.4 e 9.0. Desnaturação química, induzida por hidrocloreto de guanidina e uréia, foi monitorada tanto por dicroísmo circular como por espectroscopia de fluorescência. A enzima suportou concentrações de até 3.6 M de hidrocloreto de guanidina e até 8 M de uréia sem alterar sua estrutura terciária. Os parâmetros termodinâmicos calculados a partir dos experimentos de desnaturação química e térmica demonstraram estar em harmonia. Em pH 6.0 e na presença de CTAB a enzima demonstrou uma resistência ainda maior à desnaturação térmica.
Description: Tese (doutorado)—Universidade de Brasília, Faculdade de Medicina, 2006.
Appears in Collections:FMD - Doutorado em Patologia Molecular (Teses)

Show full item record Recommend this item " class="statisticsLink btn btn-primary" href="/handle/10482/2143/statistics">



Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.