Skip navigation
Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unb.br/handle/10482/2139
Files in This Item:
File Description SizeFormat 
dissert_Vanessa Cunha Taveira.pdf4,2 MBAdobe PDFView/Open
Title: Aspectos farmacológicos e nutricionais do fungo Agaricus sylvaticus no tumor sólido de Walker 256
Authors: Taveira, Vanessa Cunha
Orientador(es):: Novaes, Maria Rita Carvalho Garbi
Assunto:: Câncer - aspectos nutricionais
Fungos - farmacologia
Issue Date: 10-Nov-2009
Citation: TAVEIRA, Vanessa Cunha. Aspectos farmacológicos e nutricionais do fungo Agaricus sylvaticus no tumor sólido de Walker 256. 2007. 91 f. Dissertação (Mestrado em Nutrição Humana)- Universidade de Brasília, Brasília, 2007.
Abstract: INTRODUÇÃO: O câncer é considerado a segunda principal causa de morte em vários países do mundo apesar dos avanços da terapêutica. Em países Orientais cogumelos comestíveis especialmente os da família Agaricaceae fazem parte da medicina tradicional e são extensamente utilizados no tratamento do câncer devido às suas propriedades nutricionais que atuam na melhora das alterações metabólicas constantemente presentes em pacientes portadores de tumores malignos e também devido às suas propriedades farmacológicas que atuam principalmente no aumento da resposta imunológica. OBJETIVOS: Avaliar os efeitos farmacológicos e nutricionais do fungo Agaricus sylvaticus (Agaricaceae) em animais inoculados com tumor sólido de Walker 256. MATERIAIS E MÉTODOS: Foram utilizados 120 ratos machos adultos separados em 6 grupos, sendo 2 grupos controle não inoculados com tumor de Walker: Grupo I – tratado com solução placebo por gavagem a cada 12 horas por 12 dias e Grupo II- tratado com solução de A. sylvaticus por gavagem a cada 12 horas por 12 dias. Quatro grupos foram inoculados com tumor de Walker e tratados da seguinte forma: Grupo III – tratado com solução placebo por gavagem a cada 12 horas por 12 dias; Grupo IIIS – tratado com solução placebo por gavagem a cada 12 horas até o dia do óbito para avaliação do tempo de sobrevida; Grupo IV tratado com solução de A. sylvaticus a cada 12 horas por 12 dias e Grupo IVS – tratado com solução A. sylvaticus a cada 12 horas até a data do óbito. Para a análise das variáveis estudadas, foram realizadas avaliações clínicas, hemograma completo, exame bioquímico, medição dos tumores, necropsia e avaliação do tempo de sobrevida. RESULTADOS: Todos os animais inoculados com tumor apresentaram anemia normocítica, alteração das taxas de creatinina, uréia, triglicerídeos, glicose e proteína C reativa, perda de peso, sinais clínicos e mudança de comportamento característico de dor, sofrimento e desconforto. Os animais inoculados com tumor tratados com A. sylvaticus apresentaram valores de hematócrito e hemoglobina mais próximos dos valores de referência comparados aos animais inoculados com tumor tratados com placebo (p < 0,05) indicando uma melhora do quadro anêmico. Os exames bioquímicos mostraram que as taxas de uréia, triglicerídeos e proteína C reativa foram mais próximas do normal nos animais inoculados com tumor tratados com A. sylvaticus comparados aos animais inoculados com tumor tratados com placebo (p < 0,05). Na avaliação clínica os animais com tumor tratados com o fungo apresentaram menor incidência de sinais característicos de dor e sofrimento comparados aos tratados com placebo (p < 0,01). O volume tumoral também foi menor no grupo tratado com cogumelo comparado ao grupo não tratado (p < 0,05). Não foi observado aumento da sobrevida dos animais tratados com A. sylvaticus (p > 0,05). Os animais controle tratados com A. sylvaticus não apresentaram alterações hematológicas, bioquímicas ou clínicas, comparados aos animais controle tratados com placebo o que indica que este fungo apresenta boa tolerabilidade. CONCLUSÃO: Estes resultados sugerem que o fungo A. sylvaticus pode ser utilizado como adjuvante no tratamento do câncer atuando na melhora do quadro clínico. _________________________________________________________________________________________ ABSTRACT
INTRODUCTION: Cancer is the second cause of death in a great number of countries despite therapeutic advances. In Oriental countries such as Japan and China, edible mushrooms, specially the ones belonging to Agaricaceae family are ingredients of traditional medicine and are widely used as adjuvants in the treatment of cancer due to its nutritional properties that improve metabolic alterations and also to its pharmacological properties that increase the immunological response. AIM: The aim of the present study was to evaluate the pharmacological and nutritional properties of the mushroom Agaricus sylvaticus (Agaricaceae) in animals inoculated with Walker 256 tumor. MATERIALS AND METHODS: 120 male Wistar rats, adults were separated in 6 groups. Two control groups: Group I- treated with placebo solution by gavage every 12 hours for 12 days and Group II- treated with A. sylvaticus solution by gavage every 12 hours for 12 days. Four groups of animals were inoculated with Walker 256 tumor and separated as following: Group III – treated with placebo solution by gavage every 12 hours for 12 days; Group IIIS – treated with placebo solution by gavage every 12 hours until the day of death to evaluate animal's surviving time; Grupo IV- treated with A. sylvaticus solution by gavage every 12 hours for 12 days and Group IV- treated with A. sylvaticus solution by gavage every 12 hours until the day of death. RESULTS: The control animals treated with A. sylvaticus presented no alterations in clinical, hematological and biochemical analyses compared to control animals treated with placebo indicating that this fungus is well tolerated. The animals inoculated with tumor presented normocitic anemia, alteration in creatinine, urea, triglicerides, glucose and C reactive protein rates, weight loss, clinical signs and behavioural changes that are characteristics of pain and suffering. Cancer animals treated with A. sylvaticus presented hematocrit and hemoglobin rates nearer the normal values when compared to animals treated with placebo ( p < 0,05), indicating an improvement of anemic state. The biochemical exams showed an improvement of urea, triglicerides and C reactive protein rates in the animals treated with A. sylvaticus, compared to animals treated with placebo ( p < 0,05). In clinical evaluation the animals treated with the fungus presented less incidence of characteristic signs of pain and suffering compared to the ones treated with placebo ( p < 0,01). The tumoral volume was also smaller in the group treated with mushroom compared to the no treated group ( p < 0,05). It was not observed an improvement in surviving time in the animals treated with A. sylvaticus ( p > 0,05). CONCLUSION: These results suggest that the edible mushroom A. sylvaticus can be used as an adjuvant in cancer treatment to improve patient’s clinical state.
Description: Dissertação (mestrado)—Universidade de Brasília, Faculdade de Ciências da Saúde, Departamento de Nutrição, 2007.
Appears in Collections:NUT - Mestrado em Nutrição Humana (Dissertações)

Show full item record Recommend this item " class="statisticsLink btn btn-primary" href="/handle/10482/2139/statistics">



Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.