Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.unb.br/handle/10482/21255
Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
2016_IsisPiresThomé.pdf1,72 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir
Título: Síntese, caracterização e avaliação da atividade citotóxica de Indazolium trans[tetrachlorobis (1H-indazole) ruthenate (III)] (KP1019) em células de carcinoma mamário
Autor(es): Thomé, Isis Pires
Orientador(es): Carneiro, Marcella Lemos Brettas
Assunto: Carcinoma
Mamas - câncer - tratamento
Quimioterapia
Data de publicação: 19-Ago-2016
Referência: THOMÉ, Isis Pires. Síntese, caracterização e avaliação da atividade citotóxica de Indazolium trans[tetrachlorobis (1H-indazole) ruthenate (III)] (KP1019) em células de carcinoma mamário. 2016. 72 f., il. Dissertação (Mestrado em Ciência de Materiais)–Universidade de Brasília, Planaltina, 2016.
Resumo: O câncer é uma doença muito agressiva que atinge milhões de pessoas no mundo. Entre os vários tipos de câncer, o carcinoma mamário é o segundo mais frequente no mundo e o que mais acomete as mulheres. A quimioterapia é uma abordagem terapêutica bastante empregada, especialmente no caso de doença metastática. Contudo, este tipo de tratamento apresenta limitações como falta de especificidade às células tumorais e ocorrência de quimioresistência. Por isso, faz-se necessário o desenvolvimento de tratamentos mais eficazes contra esta doença. Com o objetivo de melhorar a eficácia da quimioterapia para aumentar a expectativa de vida dos pacientes, várias propostas têm sido sugeridas. Os complexos metálicos vêm se mostrando agentes antitumorais promissores. Dentre eles, os complexos de Rutênio (Ru), como o KP1019, têm se destacado, pois apresentam (1) capacidade em se ligar à biomoléculas como transferrina; (2) considerável labilidade química; (3) atuação em células que desenvolveram resistência à cisplatina e (4) capacidade em participar de reações de oxirredução permitindo a existência dos mais importantes estados de oxidação em meio biológico. No presente trabalho, foi realizada a síntese do KP1019 e sua caracterização por ressonância magnética nuclear (RMN). Além disso, avaliou-se o efeito citotóxico deste complexo em células murinas de carcinoma mamário (4T1) e normais de fibroblastos (NIH-3T3). A citotoxicidade do KP1019 foi avaliada por testes de viabilidade celular por meio do método colorimétrico de MTT. As células foram tratadas com doses que variaram de 1,25 a 200 μM de KP1019 e cisplatina por períodos de 24, 48 e 72 horas. O KP1019 foi sintetizado e depois caracterizado por RMN e avaliado quanto à sua toxicidade. Após 24 h de tratamento, KP1019 induziu citotoxicidade semelhante à cisplatina em ambas as linhagens celulares. Além disso, notou-se que as linhagens 4T1 e NIH-3T3 tiveram a mesma sensibilidade ao tratamento com KP1019. No período de 48 horas, o KP1019 induziu diferente citotoxicidade nas duas linhagens, sendo que este não apresentou citotoxicidade para 4T1, enquanto que a cisplatina foi mais citotóxica para esta linhagem (doses acima de 12,5 μM). Em contrapartida, o KP1019 foi mais citotóxico para NIH-3T3 em doses a partir de 25 μM. Já no período de 72 horas, ambos os complexos foram similarmente citotóxicos em ambas as linhagens celulares a partir das doses 12,5 μM. Além disso, o efeito citotóxico de KP1019 e cisplatina foram diferentes na linhagem 4T1 (doses 1,25 e 2,5 μM). Ademais, a morfologia das células 4T1 foi analisada em microscópio óptico após tratamento por 24 horas com 20 μM de KP1019 ou cisplatina (IC50) e observou-se várias alterações relacionadas à citotoxicidade como arredondamento das células e aumento na quantidade de vesículas citoplasmáticas. Dessa forma, sugere-se que o efeito citotóxico de KP1019 foi dependente da dose, linhagem celular e tempo avaliados e, esta citotoxicidade está associada a alterações morfológicas provenientes de processo de morte celular, o que reforça o excelente potencial de KP1019 para uso na quimioterapia do câncer de mama. ________________________________________________________________________________________________ ABSTRACT
Cancer is a very aggressive disease that affects millions of people worldwide. Among the various types of cancer, breast cancer is the second most frequent in the world and that most affects women. Chemotherapy is fairly a therapeutic approach employed, particularly for metastatic disease. However, this treatment has limitations such as lack of specificity for tumor cells and occurrence of chemoresistance. Therefore, it is necessary to develop more effective treatments for this disease. In order to improve the effectiveness of chemotherapy to increase the life expectancy of patients, various proposals have been suggested. The metal complexes have shown to be promising antitumor agents. Among them, the complexes of ruthenium (Ru) as the KP1019, have been highlighted as present (1) the ability to bind to biomolecules such as transferrin; (2) substantial chemical lability; (3) operating in cells that have developed resistance to cisplatin and (4) the ability to participate in redox reactions allowing the existence of the most important oxidation states in biological medium. In the present work, the synthesis of KP1019 and its characterization by nuclear magnetic resonance imaging was performed (NMR). In addition, it evaluated the cytotoxic effect of this complex on murine mammary carcinoma cells (4T1) and normal fibroblasts (NIH-3T3). The cytotoxicity of KP1019 was evaluated by cell viability tests using the MTT colorimetric method. Cells were treated with doses ranging from 1.25 to 200 mM of KP1019 and cisplatin for periods of 24, 48 and 72 hours. The KP1019 was synthesized and then characterized by NMR and evaluated for their toxicity. After 24 h of treatment, KP1019 induced cytotoxicity similar to cisplatin in both cell lines. Furthermore, it was observed that the 4T1 and NIH-3T3 lines showed the same sensitivity to treatment with KP1019. Within 48 hours, the KP1019 induced cytotoxicity in two different strains, and this showed no cytotoxicity for 4T1, while cisplatin was more cytotoxic to this strain (over 12.5 uM doses). In contrast, KP1019 was more cytotoxic to NIH-3T3 at doses from 25 uM. In the 72-hour period, both complexes were cytotoxic similar in both cell lines from 12.5 uM doses. Additionally, the cytotoxic effect of cisplatin were KP1019 and different in lineage 4T1 (doses 1.25 and 2.5 uM). Furthermore, the morphology of 4T1 cells was examined under an optical microscope after treatment for 24 hours with 20 uM of KP1019 or cisplatin (IC50) and observed several changes related to cytotoxicity and rounding of the cells and increasing the amount of cytoplasmic vesicles. Thus, it is suggested that the cytotoxic effect of KP1019 was dose-dependent cell line and evaluated time and this cytotoxicity is associated with morphologic changes from cell death process, which enhances the excellent potential KP1019 for use in cancer chemotherapy breast cancer.
Informações adicionais: Dissertação (mestrado)–Universidade de Brasília, Universidade UnB de Planaltina, Programa de Pós-Graduação em Ciência de Materiais, 2016.
Licença: A concessão da licença deste item refere-se ao termo de autorização impresso assinado pelo autor com as seguintes condições: Na qualidade de titular dos direitos de autor da publicação, autorizo a Universidade de Brasília e o IBICT a disponibilizar por meio dos sites www.bce.unb.br, www.ibict.br, http://hercules.vtls.com/cgi-bin/ndltd/chameleon?lng=pt&skin=ndltd sem ressarcimento dos direitos autorais, de acordo com a Lei nº 9610/98, o texto integral da obra disponibilizada, conforme permissões assinaladas, para fins de leitura, impressão e/ou download, a título de divulgação da produção científica brasileira, a partir desta data.
Aparece nas coleções:FUP - Mestrado em Ciência de Materiais

Mostrar registro completo do item Recomendar este item Visualizar estatísticas



Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.