Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.unb.br/handle/10482/19894
Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
2015_AndréSilvaPinedo.pdf4,93 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir
Título: Anatomia foliar de Allagoptera Nees (Arecaceae) como subsídio à taxonomia
Autor(es): Pinedo, André Silva
Orientador(es): Gomes, Sueli Maria
Assunto: Filogenia
Fitogeografia
Imuno-histoquímica
Coqueiro - anatomia foliar
Anatomia foliar
Data de publicação: 7-Abr-2016
Referência: PINEDO, André Silva. Anatomia foliar de Allagoptera Nees (Arecaceae) como subsídio à taxonomia. 2015. xii, 77 f., il. Dissertação (Mestrado em Botânica)—Universidade de Brasília, Brasília, 2015.
Resumo: O gênero Allagoptera, pertencente à família Areaceae (Cocoseae, Attaleinae), é constituído por seis espécies ainda pouco exploradas quanto à anatomia foliar. Neste estudo, foi realizada uma descrição detalhada da anatomia foliar de todas as espécies de Allagoptera, bem como uma análise das relações filogenéticas entre as mesmas. Secções paradérmicas e cortes transversais dos segmentos foliares foram obtidos, tendo estes últimos sido realizados em micrótomo de mesa. Os caracteres anatômicos foram observados e registrados sob fotomicroscópio com sistema de captura de imagens. As descrições anatômicas foram utilizadas para a elaboração de uma chave de identificação. Considerando a peculiaridade anatômica do mesofilo observado em algumas espécies, é proposta uma nova categoria de classificação, denominada mesofilo dorsiventral gradativo. Diferentemente do mesofilo homogêneo – onde não há variação significativa no tamanho das células – e do mesofilo dorsiventral – onde há duas camadas de parênquima bem definidas –, no mesofilo dorsiventral gradativo há uma variação gradativa no tamanho das células do mesofilo. A abundância de compostos fenólicos no mesofilo é uma característica do gênero, que parece realocar grande parte de seus recursos para a defesa contra possíveis herbívoros. Observou-se a presença de bordos salientes nas células subsidiárias, uma característica anatômica ainda não descrita na literatura e aqui denominada cristas subsidiárias, em analogia às cristas estomáticas. É também apresentado um Esquema Vascular (EV) para a representação da anatomia foliar das plantas estudadas, com base na Fórmula Vascular (FV) que tem sido aplicada às gramíneas. Ambas as ferramentas provaram ser úteis para a distinção e comparação das espécies analisadas. A filogenia do gênero, baseada em caracteres morfo-anatômicos, destacou como espécies mais basais A. caudescens e A. arenaria. Tendo em vista que as espécies mais basais se restringem às regiões litorâneas brasileiras, o gênero possivelmente se originou neste ambiente, conquistando gradualmente biomas mais interioranos do continente sul americano.
Abstract: The genus Allagoptera, belonging to the family Arecaceae (Cocoseae, Attaleinae), is comprised by six species still little explored as to the leaf anatomy. In this study, a detailed description of the leaf anatomy of all Allagoptera species was accomplished, as well as an analysis of the phylogenetic relationships between them. Paradermic and transverse sections of the leaf segments were obtained, the later ones accomplished in a table microtome. The anatomic characters were observed and registered under photomicroscope with image capture system. The anatomical descriptions were used to the elaboration of an identification key. Given the anatomical peculiarity of the mesophyll observed in some species, a new classification category called gradative dorsiventral mesophyll is proposed. Differently from the homogeneous mesophyll – where there is no significant variation in the cell sizes – and the dorsiventral mesophyll – where there are two parenchyma layers clearly defined –, in the gradative dorsiventral mesophyll there is a gradative variation in the mesophyll cell sizes. The abundance of phenolic compounds in the mesophyll is a genus characteristic, which seems to relocate much of their resources for defence against potential herbivorous. The presence of prominent sides on the subsidiary cells was observed, an anatomical characteristic still not described in the literature and called here as subsidiary ledges, in analogy to the stomatal ledges. The Vascular Scheme (VS) is also presented to the representation of the leaf anatomy of the studied plants, based on the Vascular Formula (VF), which has been applied to grasses. Both tools have proven useful for the distinction and comparison of the analysed species. The phylogeny of the genus, based on morphological and anatomical characters, highlighted A. caudescens and A. arenaria as the most basal species. In view of the most basal species are restricted to the Brazilian coastal regions, the genus possibly was originated in this environment, conquering gradually more landlocked biomes of the South American continent.
Informações adicionais: Dissertação (mestrado)—Universidade de Brasília, Instituto de Ciências Biológicas, Departamento de Botânica, Programa de Pós-Graduação em Botânica, 2015.
Licença: A concessão da licença deste item refere-se ao termo de autorização impresso assinado pelo autor com as seguintes condições: Na qualidade de titular dos direitos de autor da publicação, autorizo a Universidade de Brasília e o IBICT a disponibilizar por meio dos sites www.bce.unb.br, www.ibict.br, http://hercules.vtls.com/cgi-bin/ndltd/chameleon?lng=pt&skin=ndltd sem ressarcimento dos direitos autorais, de acordo com a Lei nº 9610/98, o texto integral da obra disponibilizada, conforme permissões assinaladas, para fins de leitura, impressão e/ou download, a título de divulgação da produção científica brasileira, a partir desta data.
DOI: http://dx.doi.org/10.26512/2015.04.D.19894
Aparece nas coleções:BOT - Mestrado em Botânica (Dissertações)

Mostrar registro completo do item Recomendar este item Visualizar estatísticas



Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.