Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.unb.br/handle/10482/18929
Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
2015_WellingtonAguiardeMelo.pdf4,43 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir
Título: Influência da prática do xadrez escolar no raciocínio infantil
Autor(es): Melo, Wellington Aguiar de
Orientador(es): Sá, Antônio Villar Marques de
Coorientador(es): Pasquali, Luiz
Assunto: Raciocínio (Psicologia)
Xadrez
Crianças - raciocínio (Psicologia)
Data de publicação: 15-Dez-2015
Referência: MELO, Wellington Aguiar de. Influência da prática do xadrez escolar no raciocínio infantil. 2015. 126 f., il. Dissertação (Mestrado em Educação)—Universidade de Brasília, Brasília, 2015.
Resumo: O xadrez é considerado pelo senso comum uma poderosa ferramenta para se desenvolver a concentração, a paciência e a perseverança, assim como a criatividade, o raciocínio, a intuição, a memória etc. Porém, muitos põem em xeque esses benefícios, devido à carência de suporte empírico e dos graves problemas metodológicos de estudos anteriores. Em meio a esse fogo cruzado, o presente trabalho teve como objetivo avaliar se a prática do xadrez tem influência no desenvolvimento do raciocínio em crianças. Foram selecionados aleatoriamente 36 sujeitos com idade entre 7 e 8 anos de uma escola pública da zona rural do Distrito Federal. Os sujeitos selecionados foram divididos em três grupos com 12 sujeitos cada. O grupo experimental (GEX) frequentou duas aulas de xadrez por semana, com duração de uma hora cada, enquanto o grupo controle 1 (GC1) frequentou aulas de reforço e o grupo controle 2 (GC2) não recebeu nenhuma intervenção. Os sujeitos foram avaliados antes e após a intervenção por meio do Teste Não Verbal de Raciocínio Infantil (PASQUALI, 2005), visando confirmar ou rejeitar a hipótese de que o GEX irá obter ganhos maiores que o GC1 e GC2. Buscou-se também verificar se a expertise enxadrística influencia nos níveis de raciocínio, utilizando como parâmetro a pontuação obtida em um campeonato realizado ao final do estudo. Por último, buscou-se verificar se existem diferenças significativas entre sexo masculino e feminino. Em relação às diferenças entre os sexos, os dados coletados mostraram, adotando um nível de significância de 5%, que as meninas obtiveram ganho significante entre o pré e o pós-teste (p<0,0213). O mesmo não aconteceu entre os meninos (p<0,0747). Em relação à performance enxadrística, foi possível inferir que não houve correlação entre os dados obtidos, pois o valor encontrado na correlação de Pearson (r) foi de +0,1753. Em relação aos escores obtidos no TNVRI, os indivíduos que frequentaram aulas de xadrez obtiveram ganhos superiores no Fator Geral quando comparados aos indivíduos que frequentaram aulas de reforço e aos indivíduos que não foram submetidos à intervenção extra. O ganho médio no grupo GEX foi de 7,67 pontos. Já nos grupos GC1 e GC2 foi de 3,33 e 2,08, respectivamente. Podemos ver que o GEX obteve um ganho superior ao GC1 e ao GC2. Porém, adotando o nível de significância em 5%, foi possível afirmar que os ganhos obtidos entre o pré e pós-teste, nos três grupos, foram estatisticamente iguais (p<0,129). Ou seja, mesmo que o GEX tenha apresentado uma tendência de ganhos superiores aos demais, os dados não foram suficientes para comprovar estatisticamente a diferença de ganhos entre os três grupos.
Abstract: Chess is considered by common sense a powerful tool to develop concentration, patience and perseverance, as well as creativity, reasoning, intuition, memory etc. However, many put a risk to these benefits, due to the lack of empirical support and serious methodological problems of previous studies. Amid this crossfire, this study aimed to evaluate if the practice of chess influences the development of reasoning in children. We randomly selected 36 subjects aged between 7 and 8 years of a rural public school in Distrito Federal. The selected subjects were divided into three groups of 12 subjects each. The experimental group (GEX) attended two chess lessons per week, lasting one hour each, while the control group 1 (GC1) attended tutoring classes and the control group 2 (GC2) received no intervention. Subjects were evaluated before and after the intervention through the Nonverbal Test of Child Reasoning (Pasquali, 2005), aiming to confirm or reject the hypothesis that the GEX will get greater gains than the GC1 and GC2. We tried to also check if the chess expertise influences the levels of reasoning, using as parameter the score in a championship held at the end of the study. Finally, we sought to determine whether there are significant differences between male and female. Regarding the differences between the sexes, the data collected demonstrated, adopting a 5% significance level, that girls got significant gain between pre and post-test (p <0.0213). Not so among boys (p <0.0747). Regarding chess performance, it was possible to infer that there was no correlation between the data obtained as the value found in the Pearson correlation (r) was +0.1753. As to the scores obtained in TNVRI, individuals who attended chess classes obtained higher gains in General Factor when compared to individuals who attended remedial classes and individuals who did not undergo extra intervention. Average increase in GEX group was 7.67 points. Already in GC1 and GC2 groups was 3.33 and 2.08, respectively. We can see that the GEX obtained a gain higher than the GC1 and GC2. However, adopting the significance level of 5% was possible to state that the gains obtained in the pre and post-test, the three groups were statistically similar (p <0.129). That is, even if the GEX has shown a trend of higher gains to others, the data were not sufficient to statistically prove the earnings difference between the three groups.
Informações adicionais: Dissertação (mestrado)—Universidade de Brasília, Faculdade de Educação, Programa de Pós-Graduação em Educação, 2015.
Licença: A concessão da licença deste item refere-se ao termo de autorização impresso assinado pelo autor com as seguintes condições: Na qualidade de titular dos direitos de autor da publicação, autorizo a Universidade de Brasília e o IBICT a disponibilizar por meio dos sites www.bce.unb.br, www.ibict.br, http://hercules.vtls.com/cgi-bin/ndltd/chameleon?lng=pt&skin=ndltd sem ressarcimento dos direitos autorais, de acordo com a Lei nº 9610/98, o texto integral da obra disponibilizada, conforme permissões assinaladas, para fins de leitura, impressão e/ou download, a título de divulgação da produção científica brasileira, a partir desta data.
DOI: http://dx.doi.org/10.26512/2015.04.D.18929
Aparece nas coleções:FE - Mestrado em Educação (Dissertações)

Mostrar registro completo do item Recomendar este item Visualizar estatísticas



Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.