Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.unb.br/handle/10482/1869
Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
2008_SimoneGoncalvesAlmeida.pdf487,4 kBAdobe PDFVisualizar/Abrir
Título: Avaliação de pacientes hemodialisados, quanto ao estresse oxidativo e estado nutricional - HUB
Autor(es): Almeida, Simone Gonçalves de
Orientador(es): Siqueira, Egle Machado de Almeida
Assunto: Hemodiálise
Insuficiência renal crônica
Ferro no organismo
Anemia
Nutrição
Data de publicação: 2008
Referência: ALMEIDA, Simone Gonçalves de. Avaliação de pacientes hemodialisados, quanto ao estresse oxidativo e estado nutricional - HUB. 2008. 108 f. Tese (Doutorado em Ciências da Saúde)-Universidade de Brasília, Brasília, 2008.
Resumo: Introdução: Devido a seu potencial redox, o ferro tornou-se o metal mais comumente utilizado na maioria dos sistemas biológicos. Entretanto, devido a essa versatilidade química, o ferro pode transferir elétrons para o oxigênio molecular, capaz de promover a oxidação de diversas moléculas e danos oxidativos celulares. Assim, tanto a deficiência quanto o excesso de ferro no organismo são responsáveis por um amplo espectro de doenças, variando desde a anemia até a sobrecarga. A suplementação com ferro parenteral e a administração de eritropoetina humana recombinante (rHuEPO) é à base do tratamento da anemia nos pacientes com Doença Renal Crônica (DRC) terminal em tratamento dialítico. A administração intravenosa repetida de ferro aumenta o estresse oxidativo nesse grupo de indivíduos. Objetivos: Verificar possíveis correlações e/ou associações entre os níveis de estresse oxidativo em pacientes renais, submetidos ou não a ferroterapia; além do estado nutricional. Metodologia: Foram utilizadas as bases de dados Medline, Scielo e Lilacs, além de documentos governamentais e não-governamentais e sites na Internet para a revisão publicada sobre ferro. Para a pesquisa de campo, foram incluídos 35 dos 54 pacientes assistidos no programa de hemodiálise do Hospital Universitário de Brasília, foi realizado um estudo transversal, não probabilístico, com caráter analítico e descritivo. Os níveis séricos de malondialdeído (MDA) e de proteína carbonilada foram utilizados como biomarcadores de estresse oxidativo. O estado oxidativo e de ferro dos pacientes com DRC foi comparado ainda com um grupo controle, constituído de 35 indivíduos saudáveis, pareados pela idade, sexo e situação sócio-econômica. O estado nutricional dos pacientes foi avaliado por meio de parâmetros antropométricos [índice de massa corporal (IMC), adequação da circunferência muscular do braço (CMB) e adequação da prega cutânea tricipital (PCT)], exames bioquímicos (albumina sérica, ferro sérico, transferrina e ferritina séricas) e avaliação do consumo da dieta por meio de recordatório alimentar 24 horas de três dias. Resultados: Anemia e sobrecarga de ferro foi observada nos pacientes hemodialisados, apesar do consumo médio de ferro dietético estar acima da recomendação e da utilização de rHuEPO e de ferro i.v em 80% e 25,70% dos pacientes, respectivamente. Pacientes com ferritina sérica (125,7 ± 21,0 ng/mL) apresentaram níveis mais baixos de proteína carbonilada sérica em relação aos pacientes com ferritina sérica alta (318,5 ± 37,6 ng/mL). Os pacientes renais apresentaram maiores níveis de ferritina sérica, de MDA e de proteína carbonilada sérica em relação a indivíduos sadios. Os resultados evidenciaram prevalência de 34% de desnutrição nos pacientes hemodializados (PCT e/ou CMB ? 5 percentil do padrão de referência). A média do percentual de peso ideal, IMC e da CMB estavam adequados, entretanto, a adequação da PCT indicou desnutrição moderada, evidenciando uma perda de gordura corporal em ambos os sexos dos pacientes. Com relação à dieta, os achados desta pesquisa revelaram consumo de energia de 27,9 ± 8,8 Kcal/kg/d. Quanto aos dados hematimétricos e a idade dos pacientes conforme o estado nutricional; não foi observada diferença significativa entre as variáveis hematimétricas avaliadas neste estudo. Conclusão: Indubitavelmente, a anemia é um dos principais problemas de saúde pública no mundo, que precisa ser combatida. Porém, considerando-se o papel adverso do ferro no organismo e o fino equilíbrio alcançado através do controle de sua absorção e excreção, bem como, da multiplicidade de fatores e nutrientes envolvidos nesta homeostase, estratégias de combate à anemia devem ser pontuais, direcionadas apenas para grupos de risco. Quanto a positiva correlação entre PC e ferritina sérica sugere-se uma relação entre estresse oxidativo e e estado de desnutrição em pacientes hemodialisados.
Informações adicionais: Tese (doutorado)—Universidade de Brasília, Faculdade de Ciências da Saúde, 2008.
Aparece nas coleções:FS - Doutorado em Ciências da Saúde (Teses)
UnB - Brasília 50 anos

Mostrar registro completo do item Recomendar este item Visualizar estatísticas



Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.