Skip navigation
Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unb.br/handle/10482/18110
Files in This Item:
File Description SizeFormat 
2014_EleniceAlvesBarboza.pdf2,69 MBAdobe PDFView/Open
Title: Ocorrência e diversidade de Pythium e Phytophthora em fontes de água utilizada para irrigação na Região do Distrito Federal
Other Titles: Occurrence and diversity of Pythium and Phytophthora in water sources used for irrigation in the Region of the Distrito Federal
Authors: Barboza, Elenice Alves
Orientador(es):: Vale, Helson Mário Martins do
Coorientador(es):: Reis, Ailton
Assunto:: Ecologia aquática
Filogenia
Oomicetos
Tomate
Issue Date: 11-May-2015
Citation: BARBOZA, Elenice Alves. Ocorrência e diversidade de Pythium e Phytophthora em fontes de água utilizada para irrigação na Região do Distrito Federal. 2014. vii, 119 f., il. Dissertação (Mestrado em Fitopatologia)—Universidade de Brasília, Brasília, 2014.
Abstract: A irrigação é um insumo indispensável para a produção de alimentos durante grande parte do ano. Entretanto, a fonte de água utilizada pode carregar propágulos de patógenos que causam doenças em plantas cultivadas. Entre os microrganismos que frequentemente são isolados de ambientes aquáticos, destacam-se os representantes do Filo Oomycota, incluindo espécies de fitopatógenos dos gêneros Pythium e Phytophthora. A detecção e o monitoramento dessas espécies tornou-se um passo chave para o manejo de doenças de plantas, principalmente em países que reciclam a água da irrigação. No Brasil, ainda é muito incipiente o conhecimento sobre a diversidade e os aspectos ecológicos de Pythium spp. e Phytopthora spp. em ecossistemas aquáticos, assim como a disponibilidade de métodos práticos e acessíveis para a detecção das espécies na água. Desta forma, na primeira etapa deste estudo foram avaliadas folhas de diferentes espécies vegetais como iscas para Pythium e Phytophthora em fontes de água usada para irrigação de tomateiro. A patogenicidade dos isolados obtidos foi testada em frutos de tomate verdes. Em todos os locais de coleta e meses foi possível o isolamento de Pythium e Phytophthora da água por meio da utilização de iscas, no entanto a frequência de isolamento variou entre os locais e entre os meses de amostragem. A maior frequência de detecção de Phytophthora foi observada no reservatório do Sítio Cachoeira e no Córrego Capoeira Grande em todos os meses, exceto em setembro em que a frequência foi maior na nascente do Sítio Cachoeira. Para Pythium, houve diferença entre os locis e os meses de coleta dependendo do meio de cultura, com uma menor frequência de detecção no meio BARPNH. A maior frequência de isolamento foi observada no córrego do Roncador e no córrego Capoeira Grande, nos meios de cultura BAPRN e BARPNH, respectivamente. As folhas de tomateiro permitiram uma alta frquência de detecção, independente do local e mês de coleta, e foi considerada promissora como iscas para Pythium e Phytophthora em ambientes aquáticos. Folhas de capim elefante também possibilitaram alta recuperação de isolados de Pythium da água, assim como folhas de manga para Phytophthora. Por fim, os isolados obtidos das fontes de água foram caracterizados por meio da observação dos caracteres morfológicos e do sequenciamento da região ITS1, 5.8S e ITS2 do rDNA. Como resultado, foi possível identificar sete espécies diferentes, das quais cinco pertenciam ao gênero Pythium e duas, ao gênero Phytophthora. A análise filogenética demonstrou que as espécies de Pythium foram separadas de acordo com a morfologia dos esporângios, assim, P. helicoides e P. chamaihyphon, que possuem esporângios globosos, permaneceram no mesmo clado, enquanto as espécies P. catenulatum, P. myriotylum e P. graminicola, com esporângios filamentosos, permaneceram em um clado separado. Todas as espécies de Phytophthora foram incluídas no clado 9, de acordo com a análise das sequências da região ITS, que engloba várias espécies encontradas em ambientes aquáticos. No teste de patogenicidade, apenas para o isolado de P. helicoides foi comprovadamente patogênico, causando podridão de frutos em todas as repetições no segundo dia após a inoculação. Os isolados de Phytophthora não se mostram patogênicos à frutos de tomate. Os resultados observados para os demais isolados foram menos conclusivos devido à maior diferença entre os experimentos conduzidos em diferentes épocas. Dessa forma, foi possível recuperar espécies de fitopatógenos de fontes de água de irrigação por meio do uso de folhas, sendo que as folhas de tomateiro se apresentaram como eficientes iscas para os dois gêneros testados. _________________________________________________________________________________ ABSTRACT
Irrigation is an essential input for the agricultural yeld year round. However, the source of water used for it can carry propagules of pathogens that cause disease in cultivated plants. Among the microorganisms that are frequently isolated from aquatic environments, the representatives of the Phylum Oomycota stand out, including plant pathogen species of the genus Pythium and Phytophthora. The detection and monitoring of these species has become a key step for the management of plant diseases, mainly where irrigation water is recycled. In Brazil, knowledge about the diversity and ecological aspects of Pythium spp. and Phytopthora spp. in aquatic ecosystems is incipient, as well as the availability of practical and affordable methods for the detection of species in water. Thus, in the first stage of this study, leaves of different plant species were tested as bait for Pythium and Phytophthora monitoring in water souces used for irrigation of tomato. The pathogenicity of the obtained oomycete isolates was tested on green tomato fruits. In all sampling places and months it was possible to isolate Pythium and Phytophthora of the water through the use of baits, however the frequency of isolation ranged among the sampling spots and among sampling months. The highest frequency of detection of Phytophthora was observed in the Sítio Cachoeira reservoir and the Capoeira Grande stream in every month, except in september when the isolation rate was highest in the Sítio Cachoeira headspring. For Pythium, there were differences between sampling sites and months depending on the culture medium, with a lowest detection frequency in the BARPNH medium. The highest frequency of isolation was observed in the Roncador stream and Capoeira Grande stream, in the BAPRN and BARPNH culture media, respectively. The tomato leaves enabled a high detection frequency, independent of location and sampling month, and its considered promising as a specie bait for Pythium and Phytophthora in aquatic environments. Napier grass leaves also enabled high recovery of isolates of Pythium from water, as well as mango leaves to Phytophthora. Finally, isolates obtained from water sources were characterized by morphological characters and sequencing of the ITS1, 5.8S e ITS2 region of the rDNA. As a result, seven different species, five from the genus Pythium and two from the genus Phytophthora, were identified. Phylogenetic analysis showed that Pythium species were clustered according to the morphology of the sporangia, thus, P. helicodes and P. chamaihyphon, that have globose sporangia were grouped in the same clade, while P. catenulatum, P. myriotylum and P. graminicola species, with filamentous sporangia, remained in a separate clade. All Phytophthora species were included in the clade 9, according to the sequences of the ITS region, that includes several species found in aquatic environments. In the pathogenicity tests, only the strain of P. helicoides was proven pathogenic, causing rotting of fruits in every replications on the second day after inoculation. Isolates of Phytophthora not show pathogenic to tomato fruits. The results observed for the remaining isolates were less conclusive due to a big difference between the experiments conducted at different times. Thus, it was possible to recover plant pathogens species of water sources of irrigation by using leaves, being the tomato leaves presented to be effective baits for the two genera tested.
Description: Dissertação (mestrado)—Universidade de Brasília, Instituto de Ciências Biológicas, Departamento de Fitopatologia, Programa de Pós-Graduação em Fitopatologia, 2014.
Licença:: A concessão da licença deste item refere-se ao termo de autorização impresso assinado pelo autor com as seguintes condições: Na qualidade de titular dos direitos de autor da publicação, autorizo a Universidade de Brasília e o IBICT a disponibilizar por meio dos sites www.bce.unb.br, www.ibict.br, http://hercules.vtls.com/cgi-bin/ndltd/chameleon?lng=pt&skin=ndltd sem ressarcimento dos direitos autorais, de acordo com a Lei nº 9610/98, o texto integral da obra disponibilizada, conforme permissões assinaladas, para fins de leitura, impressão e/ou download, a título de divulgação da produção científica brasileira, a partir desta data.
Appears in Collections:FIT - Mestrado em Fitopatologia (Dissertações)

Show full item record Recommend this item " class="statisticsLink btn btn-primary" href="/handle/10482/18110/statistics">



Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.