Skip navigation
Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unb.br/handle/10482/17916
Files in This Item:
File Description SizeFormat 
2014_KathiajaMirandaSouza.pdf1,21 MBAdobe PDFView/Open
Title: Infecções parasitárias em pacientes transplantados de órgãos sólidos : o caso da doença de chagas
Authors: Souza, Kathiaja Miranda
Orientador(es):: Araújo, Wildo Navegantes de
Assunto:: Doenças parasitárias
Transplante de órgãos, tecidos, etc.
Chagas, Doença de
Pacientes transplantados - infecções parasitárias
Issue Date: 16-Apr-2015
Citation: SOUZA, Kathiaja Miranda. Infecções parasitárias em pacientes transplantados de órgãos sólidos: o caso da doença de chagas. 2014. 101 f. Dissertação (Mestrado em Saúde Coletiva)—Universidade de Brasília, Brasília, 2014.
Abstract: Introdução: Existe uma tendência de aumento na incidência de infecções parasitárias em pacientes transplantados e o risco de infecção é determinado por fatores relacionados à exposição epidemiológica do indivíduo, ao tipo de órgão transplantado, ao estado de imunossupressão e às complicações cirúrgicas. Neste contexto, dentre as infecções parasitárias, as doenças tropicais negligenciadas têm despertado preocupação. Conhecer a incidência e entender os mecanismos de infecção e as complicações decorrentes destas se fazem necessárias para a mudança da conduta clínica. Procurou-se neste trabalho, começar o estudo pela doença de Chagas considerando o grande volume de informações e particularidades que cada doença parasitária tem no processo de infecção em transplantes. Objetivo: Sintetizar e avaliar, por meio de uma revisão sistemática (RS) da literatura, as evidências disponíveis sobre a doença de Chagas em transplantes de órgãos sólidos. Métodos: Foi realizada uma busca sistemática nas bases de dados MEDLINE (via Pubmed), EMBASE, The Cochrane Library, Centre for Reviews and Dissemination (CRD), Cumulative Index to Nursingand Allied Health Literature (CINAHL), Literatura Latino-Americana e do Caribe em Ciências da Saúde (LILACS), Scopus e Web of Science com o objetivo de encontrar estudos que avaliassem a ocorrência de infecções parasitárias em pacientes após o transplante de órgão sólido. Como recorte, para esta RS, foram incluídos estudos que relataram a ocorrência de doença de Chagas em receptores de órgãos sólidos por reativação da doença nos receptores ou por transmissão de doadores infectados. A última busca foi concluída em março de 2014. Resultados: Foram recuperados 4633 artigos e, após triagem por título e resumo por dois revisores independentes, 478 estudos que tratavam das infecções parasitárias foram considerados elegíveis. Desses, 109 artigos que abordavam a doença de Chagas foram separados para leitura de texto completo. Ao final, foram incluídos 74 estudos, dos quais 31 tratavam de estudos observacionais e 43 eram relatos de casos. A incidência de reativação da infecção por T. cruzi foi de 43,0 % (IC95% 34,0 – 52,0; I2 = 67,4%). Dentre os pacientes que receberam órgãos infectados (principalmente coração, fígado e rim), a incidência de infecção foi de 25,0% (IC95% 14,0 – 41,0; I2 = 43,6%). A sorologia foi o método mais utilizado para triagem pré-transplante tanto de doadores quanto de receptores, destacando-se as técnicas de Imunofluorescência Indireta, Hemaglutinação, Reação de Fixação de Complemento e ELISA. Na fase pós-transplante, observou-se a predominância da utilização de métodos parasitológicos diretos e indiretos e biópsias dos tecidos, com destaque para xenodiagnóstico, exame direto no sangue, hemocultura, biópsia endomiocárdica e de lesões da pele e PCR. Conclusão: A incidência de reativação e nova infecção por T. cruzi em receptores de órgãos sólidos é elevada nos países da América Latina, especialmente no Brasil e há maior necessidade de desenvolvimento de novas plataformas de diagnóstico que possibilite a detecção rápida de doadores infectados, seja para evitar a transmissão da doença de Chagas, bem como para monitorar a resposta à terapia na ocorrência de transmissão ou reativação.
Abstract: Background: There is a trend of increased incidence of parasitic infections in transplant patients and the risk of infection is determined by factors related to the epidemiological exposure of the individual, the type of transplanted organ, the state of immunosuppression and surgical complications. In this context, among parasitic infections, neglected tropical diseases have aroused concern. Knowing the incidence and understand the mechanisms of infection and complications of these are necessary to change the clinical management. This work began the study by Chagas disease considering the large volume of information and circumstances that each parasitic disease is in the process of infection in transplantation. Objective: To summarize and evaluate, through a systematic review (SR) of literature, the available evidence on Chagas disease in solid organ transplantation. Methods: A systematic search was performed in databases MEDLINE (via PubMed), EMBASE, The Cochrane Library, Centre for Reviews and Dissemination (CRD), Cumulative Index to Nursingand Allied Health Literature (CINAHL), Latin American and Caribbean Health Sciences (LILACS), Scopus and Web of Science with the aim of finding studies that assessed the occurrence of parasitic infections in patients after solid organ transplantation. Specifically for this SR were included studies that reported the occurrence of Chagas disease in solid organ recipients by reactivation of the disease in recipient or by transmission from infected donors. The last search was completed in March 2014. Results: 4633 articles were recovered and after sorting by title and abstract by two independent reviewers, 478 studies dealing with the parasitic infections were eligible. Of these, 109 articles that addressed Chagas disease were separated for full-text reading. In the end, 74 studies, 31 of which these were observational studies and 43 were case reports were included. The incidence of reactivation of T. cruzi infection was 43.0% (95% CI 34.0 to 52.0; I2 = 67.4%). Among patients who received infected organs (mainly heart, liver and kidney), the incidence of infection was 25.0% (95% CI 14.0 to 41.0; I2 = 43.6%). Serology was the most used method for pre-transplant screening of donors and recipients, highlighting the techniques of indirect immunofluorescence, hemagglutination, complement fixation reaction and ELISA. In the post-transplant phase, there was a predominance of the use of direct and indirect parasitological methods and biopsies of tissue, especially xenodiagnosis, direct examination in the blood, blood culture, and endomyocardial biopsy of skin lesions and PCR. Conclusion: The incidence of reactivation and new T. cruzi infection in solid organ recipients is high in Latin America, especially in Brazil and there is greater need for development of new diagnostics platforms that enables the rapid detection of infected donors whether to prevent the transmission of Chagas disease and for to monitor response to therapy in the event of transmission or reactivation.
Description: Dissertação (mestrado)—Universidade de Brasília, Faculdade de Ciências da Saúde, Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva, 2014.
Licença:: A concessão da licença deste item refere-se ao termo de autorização impresso assinado pelo autor com as seguintes condições: Na qualidade de titular dos direitos de autor da publicação, autorizo a Universidade de Brasília e o IBICT a disponibilizar por meio dos sites www.bce.unb.br, www.ibict.br, http://hercules.vtls.com/cgi-bin/ndltd/chameleon?lng=pt&skin=ndltd sem ressarcimento dos direitos autorais, de acordo com a Lei nº 9610/98, o texto integral da obra disponibilizada, conforme permissões assinaladas, para fins de leitura, impressão e/ou download, a título de divulgação da produção científica brasileira, a partir desta data.
DOI: http://dx.doi.org/10.26512/2014.12.D.17916
Appears in Collections:DSC - Mestrado Acadêmico em Saúde Coletiva (Dissertações)

Show full item record Recommend this item " class="statisticsLink btn btn-primary" href="/handle/10482/17916/statistics">



Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.