Skip navigation
Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unb.br/handle/10482/17860
Files in This Item:
File Description SizeFormat 
2014_CristianeFeitosaSalviano.pdf1,42 MBAdobe PDFView/Open
Title: Sintomas do Trato Urinário Inferior em escolares de uma região administrativa do Distrito Federal : estudo de prevalência e fatores associados
Other Titles: Lower Urinary Tract symptoms in school age children from an administrative region of the Federal District : study of prevalence and associated factors
Simtomas de Trato Urinário Inferior em escolares de uma região administrativa do Distrito Federal : estudo de prevalência e fatores associados
Authors: Salviano, Cristiane Feitosa
Orientador(es):: Martins, Gisele
Assunto:: Aparelho urinário - doenças
Enfermagem pediátrica
Crianças - saúde e higiene
Escolas - Brasília (DF)
Issue Date: 2-Apr-2015
Citation: SALVIANO, Cristiane Feitosa. Sintomas do Trato Urinário Inferior em escolares de uma região administrativa do Distrito Federal: estudo de prevalência e fatores associados. 2014. xiv, 84 f., il. Dissertação (Mestrado em Enfermagem)—Universidade de Brasília, Brasília, 2014.
Abstract: INTRODUÇÃO: As crianças em idade escolar sào consideradas um grupo vulnerável para a manifestação de Sintomas do Trato Urinário Inferior (STUI). especialmente devido ao pico de prevalência desses sintomas ocorrer por volta dos 7 anos. Considerando-se a possibilidade de complicações como infecções do trato urinário, refluxo vesicoureteral e lesões renais, a adoção de estratégias de prevenção de STUI na infância é mandatòria. Desse modo. o ambiente escolar tem se mostrado como um espaço privilegiado para a detecção precoce e prevenção de STUI. além de promoção de hábitos de miccionais saudáveis. OBJETIVO: Determinar a prevalência e os fatores associados aos STUI em crianças em idade escolar, especificamente dentro da faixa etária de 6 a 12 anos. METODO: Tratou-se de um estudo transversal de base populacional, realizado em 8 escolas (públicas e particulares, de zona urbana e rural) da região administrativa do Riacho Fundo (DF). A amostra foi composta por 86 crianças selecionadas de fonna aleatória e estratificada. Para a coleta de dados foram utilizados os seguintes instrumentos: o Dysfimctional Voiding Scor/ng System (DVSS) e dois questionários sobre STUI e fatores associados, sendo um questionário parental e outro direcionado á criança. RESULTADOS: Das 86 crianças entrevistadas, 42% (n=36) eram meninos e 58% (n=50) meninas, com idade média de 8 anos. A prevalência geral de STUI foi de 26% e 23%, calculada sob a perspectiva da criança e dos responsáveis, respectivamente. A variável sexo foi estatisticamente significativa, sendo que as meninas apresentaram quase 34 vezes mais chance de relatar STUI do que os meninos (p-valor = 0.001). A concordância do escore total obtido pelo DVSS dos responsáveis e das crianças foi classificada como boa pelo coeficiente intraclasse (CCI= 0.66). Quanto aos fatores associados, a enurese noturna e a presença de fezes do tipo 4 da escala Bristol foram as variáveis estatisticamente significativas para a manifestação de STUI na infancia. Quanto ao dominio escolar. 73% (n=63) das crianças afinnaram ir ao toalete da escola diariamente e 66% (n=57) afirmaram ter permissão para utilizá-lo a qualquer momento. CONCLUSÃO: Os STUI tem uma prevalência significativa na população de crianças escolares, apontando para a importância de identificação precoce. Crianças do sexo feminino, que reportaram enurese noturna e aspecto fecal mais constipado estão em maior risco de apresentar STUI. A escola pode vista como um microssistema relevante para identificação precoce de STUI e para a promoção de hábitos miccionais saudáveis.
Abstract: INTRODUCTION: Children at school age could be considered as vulnerable group to the occurrence of the Lower Urinary Tract Symptoms (LUTS), especially because the prevalence peak of these symptoms occurs around 7 years of age. Considering the possibility of complications such as urinary tract infections, vesicoureteral reflux and renal injuries, the adoption of LUTS prevention strategies in childhood is mandatory. Thus, the school setting has been pointed out as an ideal place for early detection and prevention of LUTS, as well as promoting healthy urinary habits. ADI: To determine the prevalence and factors associated with LUTS in children at school age. specifically between the ages of 6 up to 12 years old. METHOD: It was a cross-sectional and populational-based study conducted in S schools (public and private, urban and rural) from the administrative region of Riacho Fundo. Federal District. Brazil. The sample was composed by 86 children which were randomly selected and stratified. The following questionnaires were used to collect data: Dysfunctional Voiding Scoring System (DVSS) and two questionnaires with regard to LUTS and associated factors, one directed to the parents and another one to the child. RESULTS: Out of S6 children interviewed. 42% (n = 36) were boys and 58% (n = 50) girls with mean age of 8 years old. The overall LUTS prevalence was 26% and 23%, calculated on the child's and parents' perspective, respectively. The gender was statistically significant, and the girls were nearly 34 times more likely to report LUTS than boys (p = 0.001). The concordance of the total score obtained by DVSS of parents and children was rated as good by the intra-class coefficient (ICC = 0.66). Nocturnal enuresis and the presence of Bristol scale type 4 feces were the associated factors statistically significant to the occurrence of LUTS in childhood. Regarding the school domain. 73% (n = 63) of children reported going to the school toilet on a daily basis and 66% (n = 57) reported having permission to go at any time. CONCLUSION: LUTS has a significant prevalence in children at school age. highlighting the importance of early detection. Female children, who reported having nocturnal enuresis and more constipated feces are at higher risk for LUTS. The school setting could be seen as a relevant microsystem for early identification of LUTS and to promote healthy urinary habits.
Resumen: INTRODUCCIÓN: Los niños de la esaiela se consideran un grupo vulnerable para la manifestación de los sintomas del tracto urinario inferior (STUI), sobre todo debido a la prevalencia máxima de estos sintomas ocurren aproximadamente a los 7 años de edad. Teniendo en cuenta la posibilidad de complicaciones tales como infecciones de las vías urinarias, reflujo vesicoureteral y lesiones renales, la adopción de estrategias de prevención STUI en la infancia es obligatorio. Por lo tanto, el ambiente escolar ha demostrado ser una oportunidad ideal para la detección y prevención temprana de los STUI. así como la promoción de hábitos urinarios saludables. OBJETIVOS: Determinar la prevalencia y los factores asociados con STUI en escolares, especificamente en el grupo de edad de 6 a 12 años. METODOS: Se realizó un estudio transversal poblacional en 8 escuelas (públicas y privadas, urbanas y rurales) de una región administrativa del Riacho Fundo (DF). La muestra fiie compuesta por 86 niños seleccionados aleatoria y de manera estratificada. Para recoger los datos se utilizaron los siguientes instrumentos: el o Dysfimctional Voiding Scormg System (DVSS) y dos cuestionarios sobre los STUI y sus factores asociados, siendo un cuestionario de los padres y otra dirigida a los niños. RESULTADOS: De los 86 niños entrevistados, el 42% (n = 36) eran varones y el 58% (n = 50) las niñas con una edad media de 8 años. La prevalencia global de STUI fue del 26% y el 23%. calculado sobre la perspectiva del niño y responsable, respectivamente. El sexo fue estadísticamente significativa, y las chicas tenian casi 34 veces más probabilidad de reportar STUI que los varones (p = 0.001). La concordancia de la puntuación total obtenida por el DVSS de responsables y los niños fue calificada como buena por el coeficiente intracla.se (CC'I = 0.66). Acerca de los factores asociados, ennresis nocturna y la presencia de Bristol Tipo de escala 4 heces fueron variables estadísticamente significativas para la manifestación de los STUI en la infancia. Sobre el dominio de la escuela, el 73% (n = 63) de los niños dijo que ir al baño de la escuela todos los días y el 66% (n = 57) informaron tener penniso para usarlo en cualquier momento. CONCLUSIÓN: STUI tiene una prevalencia significativa de la población de niños en edad escolar, que apunta a la importancia de la identificación temprana. Las niñas, que infonnaron tener enuresis nocturna y aspecto fecal más estreñido están en mayor riesgo de STUI. La escuela puede ser vista como un microsistema relevante para la identificación temprana de los STUI y promover hábitos urinarios saludables.
Description: Dissertação (mestrado)—Universidade de Brasília, Faculdade de Ciências da Saúde, Programa de Pós-Graduação em Enfermagem, 2014.
Licença:: A concessão da licença deste item refere-se ao termo de autorização impresso assinado pelo autor com as seguintes condições: Na qualidade de titular dos direitos de autor da publicação, autorizo a Universidade de Brasília e o IBICT a disponibilizar por meio dos sites www.bce.unb.br, www.ibict.br, http://hercules.vtls.com/cgi-bin/ndltd/chameleon?lng=pt&skin=ndltd sem ressarcimento dos direitos autorais, de acordo com a Lei nº 9610/98, o texto integral da obra disponibilizada, conforme permissões assinaladas, para fins de leitura, impressão e/ou download, a título de divulgação da produção científica brasileira, a partir desta data.
DOI: http://dx.doi.org/10.26512/2014.12.D.17860
Appears in Collections:ENF - Mestrado em Enfermagem (Dissertações)

Show full item record Recommend this item " class="statisticsLink btn btn-primary" href="/handle/10482/17860/statistics">



Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.