Skip navigation
Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unb.br/handle/10482/1781
Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Tese_Daniela Yglesias.pdf709,72 kBAdobe PDFView/Open
Title: Indicadores de proteção e de risco para suicídio por meio de escalas de auto-relato
Authors: Prieto, Daniela Yglesias de Castro
Orientador(es):: Tavares, Marcelo da Silva Araújo
Assunto:: Suicídio
Comportamento de risco (Psicologia)
Issue Date: 2007
Citation: PRIETO, Daniela Yglesias de Castro. Indicadores de proteção e de risco para suicídio por meio de escalas de auto-relato. 2007. 155 f. Tese (Doutorado em Psicologia)-Universidade de Brasília, Brasília, 2007.
Abstract: Estimar o risco de suicídio envolve a avaliação tanto de indicadores de risco quanto de proteção para crise suicida. Os indicadores de risco mais freqüentemente citados na literatura são: existência de transtorno mental, história de tentativa de suicídio, ideação suicida, sintomas depressivos e ansiosos, impulsividade, desesperança entre outros. Os principais indicadores protetivos destacados são: satisfação com a vida, auto-imagem positiva, recursos de enfrentamento, otimismo, estabilidade emocional, existência de um projeto de vida. O presente estudo objetivou estimar o risco de suicídio. Os instrumentos utilizados foram: Suicide Behavior Questionnaire Revised (SBQR), Positive and Negative Suicide Ideation (PANSI), Suicide Resilience Inventory (SRI), Child Abuse and Trauma Scale (CAT) e Minnesota Multiphasic Personality Inventory 2 (MMPI-2), e uma lista de Eventos Estressores (EVES). Esses instrumentos avaliam, respectivamente: comportamento suicida; ideação suicida e recursos de enfrentamento; resiliência ao suicídio; percepção de abuso e negligência na infância e adolescência; indicadores psicológicos (depressão, ansiedade, problemas de relacionamento e indicadores psicóticos) e existência de eventos adversos recentes. A amostra foi composta de 458 sujeitos inscritos na lista de espera de um serviço de psicologia de uma unidade pública de referência em saúde mental do Distrito Federal. A Regressão Logística foi utilizada para prever pertencimento ao grupo de sujeitos com ou sem risco de suicídio. O grupo de risco foi definido com tendo escores no SBQR maiores que um desvio padrão acima da média. Dois modelos forneceram as melhores estimativas de risco: (1) as escalas de Ideação Negativa (PANSI) e Depressão e Ideação Suicida (MMPI-2) com fatores de risco e Estabilidade Emocional (SRI) e Reação Negativa ao Tratamento (MMPI-2) como fatores de proteção; (2) Ideação Negativa (PANSI) como fator de risco e Estabilidade Emocional (SRI) e Ideação Positiva (PANSI) como fatores de proteção. O primeiro modelo é composto por variáveis que avaliam: ideação suicida, depressão, estabilidade emocional, rejeição ou descrença no suporte de terceiros. As variáveis do segundo modelo avaliam ideação suicida, estabilidade emocional e capacidade de enfrentamento de situações estressantes. Este dois modelos confirmam expectativas já demonstradas em estudos anteriores. Revelam também como outros covariantes do risco são preteridos por variáveis mais relevantes, como ideação suicida ou depressão. A escala de Reação Negativa ao Tratamento surpreendeu ao contribuir como fator de proteção; supomos poder haver nesta escala uma parcela de variância relacionada à independência e autonomia. O presente estudo ressalta a importância de indicadores como ideação suicida, história de comportamento suicida anterior, estados depressivos, auto-imagem negativa como importantes indicadores de risco. Os indicadores protetivos que se destacam são estabilidade emocional, auto-imagem positiva e recursos de enfrentamento. ________________________________________________________________________________________ ABSTRACT
The prediction of suicidal risk involves the assessment of risk and protective factors for suicidal crisis. Frequently cited suicide risk factors include: mental disorders, history of suicide attempts, suicidal ideation, depressive and anxious symptoms, impulsiveness, hopelessness and others. Among the main protective factors are: satisfaction with life, positive self-image, coping styles, optimism, emotional stability, existence of a life project. The objective of this study is to predict suicide risk. The instruments used: Suicide Behavior Questionnaire Revised (SBQR), Positive and Negative Suicide Ideation (PANSI), Suicide Resilience Inventory (SRI), Child Abuse and Trauma Scale (CAT), the Minnesota Multiphasic Personality Inventory 2 (MMPI-2) and a list of Stressors Events (EVES). These instruments assess, respectively: suicidal behavior; suicidal ideation and coping resources; resilience to suicide; perception of abuse and carelessness in childhood and adolescence; psychological indicators (depression, anxiety, relational problems and psychotic indicators) and recent adverse life events. The sample was constituted by 458 subjects in a waiting list for psychotherapy in a public mental health service in Distrito Federal. Logistic Regression was used to predict membership to group with or without suicide risk. Suicide risk group was defined as having SBQR scores over one standard deviation above average. Two models provided the best prediction of risk: (1) Negative Ideation (PANSI) and Depression and Suicide Ideation (MMPI-2) as risk factors and Emotional Stability (SRI) and Negative Reaction to Treatment (MMPI-2) as protective factors; (2) Negative Ideation (PANSI) as risk factor and Emotional Stability (SRI) and Positive Ideation (PANSI) as protective factors. The first model is composed of variables that assess: suicidal ideation, depression, emotional stability, rejection or disbelief in the support from others. The variables in the second model assess suicidal ideation, emotional stability and coping with stressful situations. These two models confirm expectations previously supported by other studies. They also reveal how other covariants of risk become secondary to more relevant variables such as suicidal ideation and depression. The scale Negative Reaction to Treatment unexpectedly contributed to prediction as a protective factor; it was hypothesized that the scale may have a portion of variance related to independence and autonomy. The present study points out the relevance of suicidal ideation, history of previous suicidal behavior, depressive states negative self-image as important risk factors for suicide behavior. The most important protective factors in this research are emotional stability, positive self-image, copping styles.
Description: Tese (doutorado)—Universidade de Brasília, Instituto de Psicologia, Departamento de Psicologia Clínica, 2007.
Appears in Collections:PCL - Doutorado em Psicologia Clínica e Cultura (Teses)

Show full item record Recommend this item " class="statisticsLink btn btn-primary" href="/handle/10482/1781/statistics">



Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.