Skip navigation
Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unb.br/handle/10482/16956
Files in This Item:
File Description SizeFormat 
2014_AlanAinerBoccatoFranco.pdf804,74 kBAdobe PDFView/Open
Title: Decrescimento e economia solidária : existem elementos para uma plataforma comum?
Authors: Franco, Alan Ainer Boccato
Orientador(es):: Nascimento, Elimar Pinheiro do
Assunto:: Economia solidária
Crise econômica
Issue Date: 20-Nov-2014
Citation: FRANCO, Alan Ainer Boccato. Decrescimento e economia solidária: existem elementos para uma plataforma comum?. 2014. 166 f. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento Sustentável)—Universidade de Brasília, Brasília, 2014.
Abstract: A emergência da problemática ambiental, as crises econômicas e o desmoronamento das experiências do socialismo real que caracterizaram as últimas décadas do Século XX proporcionaram um contexto para o surgimento de movimentos alternativos tanto no Norte como no Sul do planeta. Um desses é o Decrescimento, surgido na França e com protagonismo maior no continente Europeu, defende o abandono da ideologia do crescimento econômico, já que ela gera desigualdades e colocou a humanidade sob risco de um colapso ambiental. Alguns autores têm desenhado a possibilidade de convergências entre o Decrescimento e movimentos sociais do Sul, cujo foco tem sido a análise dos problemas enfrentados pelo Sul decorrentes do modelo de desenvolvimento do Norte. A presente pesquisa se insere neste debate propondo um caminho adicional: os elementos teóricos que orientam grupos sociais presentes nos países do Sul, com foco no Brasil, em particular a Economia Solidária. A pergunta que guia esta pesquisa é: existem elementos suficientes entre a Economia Solidária no Brasil e o Decrescimento que permitem formar uma plataforma comum? Para respondê-la, partiu-se de aspectos teórico-conceituais presentes em amostras de textos de cada um dos movimentos. Como resultado, verificou-se que os elementos que distinguem os movimentos predominaram, numericamente, sobre os comuns; e estes sobre os antagônicos. Dentre os antagonismos, a Economia Solidária incorpora, qualificando, as noções de crescimento econômico e de desenvolvimento, enquanto que o Decrescimento rejeita-os. Estes antagonismos e algumas distinções foram discutidos a partir: da problematização e da qualificação que a Economia Solidária lança mão sobre esses temas; dos diferentes contextos históricos, composição de atores e demandas imediatas dos movimentos; das experiências práticas que acumulam e da (in)consistência de dados que apresentam, dentre outros. Dentre os elementos comuns, destacam-se: autonomia, democracia e igualdade; noção de bem-estar baseada em atributos qualitativos, relacionais e na harmonia entre os seres humanos e destes com a natureza; oposição ao consumismo e ao sentido de vida baseado em termos quantitativos e materialistas; diferenciam as necessidades essenciais, ou básicas, das necessidades criadas e atribuem valor positivo às primeiras; e se aproximam do Buen Vivir, identificam os movimentos por justiça ambiental como aliados e atores considerados como parte de cada um dos movimentos estudados fazem parte de uma mesma rede. A conclusão geral desta dissertação é que os elementos comuns apontam para a possibilidade de uma plataforma comum, vez que os antagônicos e distintos não inviabilizam o diálogo entre os movimentos. Conclui-se, por fim que o FBES é um ator da Economia Solidária que pode favorecer o diálogo com o Decrescimento. ______________________________________________________________________________ ABSTRACT
The emergence of the environment issue, economic crises and the decay of the real socialism experiences that characterized the twentieth century latest decades, created a context for the emergence of alternative social movements both in the North and South of the planet. Degrowth is one of those movements and it first emerged in France and with great relevance in Europe. It defends the abandonment of economic growth ideologies that generate inequalities and has put humanity under the threat of an environmental collapse. Authors have outlined possibilities of convergences between Degrowth and social movements in the South that has focused on the analysis of problems faced in the South caused by the economic growth model in the North. This research takes part on this debate and proposes an additional path: theoretical guiding elements of the social groups existing in the South countries, in particular Solidarity Economy in Brazil. The research´s question is: are the sufficient elements between Solidarity Economy in Brazil and Degrowth enough to build a common platform? In order to answer this question, it was used theoretical-conceptual aspects present on text samples of each movement. As a result, it was verified that the movements distinguishing elements outnumbered the common elements, which outnumbered the antagonistic ones. When it comes to the antagonisms, Solidarity Economy incorporates notions of economic growth and development, while, on the other hand, Degrowth rejects them. The discussion of those antagonisms and other differences started off from the questioning and qualification of Solidarity Economy on those themes; different historical contexts, actors and immediate demands of the movements; accumulated practical experiences and (in) consistency of data, among others. Common elements that stand out are: autonomy, democracy and equality; notions of well-being based on qualitative and relational attributes and the harmony between human beings and their relationship to nature; opposition to consumerism and the meaning of life based on quantitative and materialist terms; they differentiate basic needs from created needs and attribute positive value to the basic ones; they approximate themselves to Buen Vivir, they identify movements for environmental justice as allies; and actors from both movements integrate the same network. The general conclusion is that common elements point out to the possibility of a common platform, once the antagonisms and differences do not hinder a dialog between the movements. Finally, it is concluded that FBES is a subject of Solidarity Economy that can benefit the dialog with Degrowth.
Description: Dissertação (mestrado)—Universidade de Brasília, Centro de Desenvolvimento Sustentável, 2014.
Licença:: A concessão da licença deste item refere-se ao termo de autorização impresso assinado pelo autor com as seguintes condições: Na qualidade de titular dos direitos de autor da publicação, autorizo a Universidade de Brasília e o IBICT a disponibilizar por meio dos sites www.bce.unb.br, www.ibict.br, http://hercules.vtls.com/cgi-bin/ndltd/chameleon?lng=pt&skin=ndltd sem ressarcimento dos direitos autorais, de acordo com a Lei nº 9610/98, o texto integral da obra disponibilizada, conforme permissões assinaladas, para fins de leitura, impressão e/ou download, a título de divulgação da produção científica brasileira, a partir desta data.
Appears in Collections:CDS - Mestrado Acadêmico em Desenvolvimento Sustentável (Dissertações)

Show full item record Recommend this item " class="statisticsLink btn btn-primary" href="/handle/10482/16956/statistics">



Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.