Skip navigation
Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unb.br/handle/10482/16858
Files in This Item:
File Description SizeFormat 
2014_EulerAlvesCardoso.pdf1,38 MBAdobe PDFView/Open
Title: Efeitos crônicas do treinamento de força com pré-ativação antagonista da musculatura do joelho : respostas no desempenho neuromuscular e funcional de indivíduos jovens
Authors: Cardoso, Euler Alves
Orientador(es):: Carregaro, Rodrigo Luiz
Assunto:: Aptidão física
Músculos - treinamento técnico
Exercício isocinético
Issue Date: 13-Nov-2014
Citation: CARDOSO, Euler Alves. Efeitos crônicas do treinamento de força com pré-ativação antagonista da musculatura do joelho: respostas no desempenho neuromuscular e funcional de indivíduos jovens. 2014. vi, 73 f., il. Dissertação (Mestrado em Educação Física)—Universidade de Brasília, Brasília, 2014.
Abstract: Introdução: O treinamento de força (TF) é considerado um dos meios mais eficazes para melhorar a capacidade funcional do sistema neuromuscular. Dentre seus efeitos específicos estão o aumento da força muscular, melhora do equilíbrio e coordenação motora. Deste modo, verifica-se a importância da inserção do TF no contexto da saúde, desempenho humano e reabilitação da função musculoesquelética. Estudos sugerem que benefícios do TF com pré-ativação da musculatura antagonista podem ser transferidos para atividades funcionais. No entanto, estudos crônicos utilizando a pré-ativação no desempenho neuromuscular e nas atividades funcionais são escassos. Objetivo: Comparar os efeitos de doze sessões de treinamento de força com ações recíprocas e um modelo tradicional no desempenho neuromuscular, funcional e proprioceptivo de indivíduos sadios jovens. Métodos: Quarenta e oito homens sadios com a idade compreendida entre 18 a 35 anos foram aleatorizados em 2 grupos: 1) treinamento recíproco (TRE, 3 séries; 10 repetições; flexão do joelho imediatamente seguida pela extensão do joelho); 2) treinamento tradicional (TRA, 3 séries; 10 repetições; extensão do joelho). Foi adotado 60ºs-1 de velocidade e 1 minuto de descanso entre as séries. Como aquecimento, realizou-se 2 séries; 5 repetições submáximas utilizando 60ºs-1 de velocidade, com 30 segundos de descanso entre as séries. As avaliações pré e pós foram caracterizadas por testes de força isocinética, (2 séries; 5 repetições; 1 minuto de descanso; 60ºs-1velocidade) equilíbrio, salto unipodal em distância (SUD) e corrida em formato de "8" (CR8). Aplicou-se uma ANOVA 2X2 de modelos mistos para analisar diferenças entre as condições pré e pós e entre os grupos. Resultados: Houve diferenças significantes no pico de torque (PT) entre as modalidades TRE e TRA (p=0,00), não houve diferenças significantes entre as modalidades (p=0,33). Entre os momentos pré e pós-treinamento houve diferenças significantes para os grupos TRE e TRA (p=0,00). No tempo até o pico de torque foram encontrados diferenças significantes (p=0,23) em ambos os grupos pós-treinamento. Na analise intergrupos não houve diferença significantes (p=0,99). No equilíbrio global e anteroposterior, não foram encontradas diferenças significantes entre os grupos TRE e TRA (p>0,05). Do mesmo modo, não foram encontradas diferenças pós-treinamento. O equilíbrio mediolateral no membro dominante não demonstrou diferenças significantes pós-treinamento (p=0,94), mas o membro não dominante demonstrou diferença significante entres os grupos (p<0,01). No SUD houve aumentos significantes pós-treinamento nos grupos (p<0,01), mas sem diferença entre ambos (p=0,90). A CR8 apresentou diferença entre grupos (p=0,03), com melhor tempo de corrida no grupo TRA pós-treinamento. Considerações finais: O TF realizado no dinamômetro isocinético proporcionou aumento de força muscular, mensurado pelo pico de torque e tempo até atingir o pico de torque nos dois grupos no pós-treinamento. O TF gerou transferências no equilíbrio e testes funcionais, e o TRE apresentou melhores indicativos para o SUD e equilíbrio mediolateral do joelho. No entanto, o TRA apresentou melhores indicativos no desempenho da corrida. __________________________________________________________________________ ABSTRACT
Introduction: Strength training () is considered one of the most effective strategies to improve the functional capacity of the neuromuscular system. Among its specific effects, are the increased muscle strength improved balance and coordination. Thus, there is the importance of integrating the ST in the context ofhealth, human performance and rehabilitation muscle function. Studies suggest that benefits of with preactivation of antagonist musclesmay be transferred to functional activities. However, chronic studies using activation in neuromuscular performance and functional activities are scare. Objective: To compare the effects of twelve sessions of ST with reciprocal actions and a traditional model in neuromuscular, functional and proprioceptive performance in young healthy individuals. Methods: Forty-eight healthy male volunteers with ages between 18 and 35 years were randomized into 2 groups: 1) reciprocal training (TRE, 3 sets; 10 repetitions of knee flexion immediately followed by knee extension); 2) traditional training (TRA, 3 sets; 10 repetitions of knee extension). A velocity of 60ºs-1 and 1 minute of rest between sets were adopted. AS warm up, 2 sets of 5 repetitions using sub maximum exercise at 60ºs-1 and 30 seconds of rest between sets were adopted. Pre- and Post-training evaluations were characterized by isokinetic strength testing (2 sets; 5 reps, 1 minute rest, 60ºs-1 speed) balance, hop test and race “8” format (CR8). An 2x2 mixed ANOVA was applied to evaluate differences between pre and post conditions and between groups. Results: There were significant differences in peak torque (PT) between TRE and TRA (p=0.00) modalities post-training in the first set, however, for the second set there were no significant differences between the methods (p=0.33). Between pre and post-training there were significant differences in the two series for the TRE and TRA (p=0.00) groups. In time to peak torque, no significant differences were found (p=0.23) after the training for the TRE and TRA groups in first grade. However, there were significant differences (p=0.04) in both groups after training in the seconds series. In the analysis there were no significant intergroup differences between modalities in two series (p=0.86 and p=0.99 respectively). Anterior and posterior in the global balance, no significant differences were found between the TRE and TRA (p>0.05) groups. The mediolateral balance in the dominant limb showed no significant differences post-training (p=0.94), but the non-dominant limb showed significant differences between groups (p<0.01). For the hop test there were no significant increases in post-training, for both groups (p<0.01) and there were no differences between them (p=0.90). The CR8 differed between groups (p=0.03), with better values for the TRA group, post-training. Conclusions: The ST performed in the isokinetic dynamometer provided increases in muscle strength, measured by peak torque and times to reach peak torque in both groups at post-training. The ST generated transferences in balance and functional tests, and TRE presented best predictors for SUD and mediolateral balance of the knee. However, the TRA presented a better performance for the race test.
Description: Dissertação (mestrado)—Universidade de Brasília, Faculdade de Educação Física, Programa de Pós-Graduação Strictu-Sensu em Educação Física, 2014.
Licença:: A concessão da licença deste item refere-se ao termo de autorização impresso assinado pelo autor com as seguintes condições: Na qualidade de titular dos direitos de autor da publicação, autorizo a Universidade de Brasília e o IBICT a disponibilizar por meio dos sites www.bce.unb.br, www.ibict.br, http://hercules.vtls.com/cgi-bin/ndltd/chameleon?lng=pt&skin=ndltd sem ressarcimento dos direitos autorais, de acordo com a Lei nº 9610/98, o texto integral da obra disponibilizada, conforme permissões assinaladas, para fins de leitura, impressão e/ou download, a título de divulgação da produção científica brasileira, a partir desta data.
Appears in Collections:FEF - Mestrado em Educação Física (Dissertações)

Show full item record Recommend this item " class="statisticsLink btn btn-primary" href="/handle/10482/16858/statistics">



Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.