Skip navigation
Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unb.br/handle/10482/16747
Files in This Item:
File Description SizeFormat 
2014_RicardoCamargo.pdf4,64 MBAdobe PDFView/Open
Title: Interação Trypanosoma cruzi-hospedeiro : influência da infecção na via de apresentação de antígenos MHC de classe I
Authors: Camargo, Ricardo
Orientador(es):: Lima, Beatriz Dolabela de
Coorientador(es):: Sá, Cezar Martins de
Assunto:: Trypanosoma cruzi - hospedeiro
Chagas, Doença de
Antígenos
Issue Date: 4-Nov-2014
Citation: CAMARGO, Ricardo. Interação Trypanosoma cruzi-hospedeiro: influência da infecção na via de apresentação de antígenos MHC de classe I. 2014. 68 f., il. Tese (Doutorado em Biologia Molecular)—Universidade de Brasília, Brasília, 2014.
Abstract: Ao longo da evolução o Trypanosoma cruzi (agente etiológico da doença de Chagas) desenvolveu estratégias bastante eficientes para evadir-se do sistema imune de seu hospedeiro mamífero. Como consequência, a infecção por este organismo tende a ser crônica, sugerindo que o T. cruzi escapa da vigilância do sistema imune por meio da regulação negativa das vias de processamento de antígenos. Na via de apresentação de antígenos intracelulares MHC de classe I, a grande maioria dos peptídeos antigênicos é gerada pelo proteassoma, um complexo proteico multicatalítico responsável pela degradação de proteínas. Entretanto, sob estimulação com interferon-γ (IFN-γ), as subunidades catalíticas β1, β2 e β5 do proteassoma constitutivo são substituídas pelas subunidades β1i/LMP2, β2i/MECL-1 e β5i/LMP7, formando o imunoproteassoma. O imunoproteassoma tem a sua atividade proteolítica modificada e especializada na geração de peptídeos apresentados pelas moléculas de MHC de classe I. Nesse cenário, nós avaliamos se a expressão e a atividade do proteassoma constitutivo, do imunoproteassoma e também de outros componentes da via de MHC classe I são alteradas pela infecção com T. cruzi em linhagem de célula não imune. Em análises por RT-PCR e géis bidimensionais, foi demonstrado que a expressão e a composição do proteassoma constitutivo não são afetadas pelo parasita. Em contraste, nós mostramos que a biossíntese das subunidades do imunoproteassoma β1i, β2i, β5i, de PA28β, de TAP1 e da molécula de MHC de classe I foi inibida em culturas de células infectadas e tratadas com IFN-γ. Nessas culturas, as atividades proteolíticas do proteassoma também foram drasticamente reduzidas. Em experimentos de citometria de fluxo e microscopia de fluorescência, nós constatamos que a infecção com T. cruzi reduz a densidade de moléculas de MHC de classe I na superfície da célula hospedeira. Tomados em conjunto, os nossos resultados sugerem que o protozoário Trypanosoma cruzi é capaz de modular especificamente a sua infecção por meio de um mecanismo pós-transcricional que inibe a expressão dos componentes da via de MHC de classe I.
Description: Tese (doutorado)—Universidade de Brasília, Instituto de Ciências Biológicas,Departamento de Biologia Celular, Pós-Graduação em Biologia Molecular, 2014.
Licença:: A concessão da licença deste item refere-se ao termo de autorização impresso assinado pelo autor com as seguintes condições:Na qualidade de titular dos direitos de autor da publicação, autorizo a Universidade de Brasília e o IBICT a disponibilizar por meio dos sites www.bce.unb.br, www.ibict.br, http://hercules.vtls.com/cgi-bin/ndltd/chameleon?lng=pt&skin=ndltd sem ressarcimento dos direitos autorais, de acordo com a Lei nº 9610/98, o texto integral da obra disponibilizada, conforme permissões assinaladas, para fins de leitura, impressão e/ou download, a título de divulgação da produção científica brasileira, a partir desta data.
Appears in Collections:CEL - Doutorado em Biologia Molecular (Teses)

Show full item record Recommend this item " class="statisticsLink btn btn-primary" href="/handle/10482/16747/statistics">



Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.