Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.unb.br/handle/10482/15809
Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
ARTIGO_AvaliacaoBacteriasExtremofilas.pdf429,38 kBAdobe PDFVisualizar/Abrir
Título: Avaliação de bactérias extremófilas facultativas na produção de fitomassa do híbrido "urograndis" de eucalipto, a partir de sementes
Outros títulos: Evaluation of facultative extremophile bacteria in the phytomass production of the hybrid "urograndis" of eucalyptus from seeds
Autor(es): Marques, Eder
Uesugi, Carlos Hidemi
Assunto: Biomassa
Eucalipto - sementes
Bactéria não-patogênica
Data de publicação: Jan-2013
Editora: Sociedade de Investigações Florestais
Referência: MARQUES, Eder; UESUGI, Carlos Hidemi. Avaliação de bactérias extremófilas facultativas na produção de fitomassa do híbrido urograndis de eucalipto, a partir de sementes. Revista Árvore, Viçosa, v. 37, n. 1, p. 41-47, jan./fev. 2013. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-67622013000100005&lng=en&nrm=iso&tlng=pt>. Acesso em: 09 jun. 2014.
Resumo: Atualmente, a árvore mais plantada no Brasil é o Eucalyptus spp., ocupando 81,6% das florestas plantadas. Sua produtividade em 2009 foi de 44,2 m3 de eucalipto com casca/ha, gerando aproximadamente 46.850 empregos diretos. Estudos de bactérias benéficas, como as Rizobactérias Promotoras de Crescimento de Plantas (RPCPs), vêm sendo desenvolvidos há mais de um século. Este trabalho objetivou avaliar estirpes de bactérias extremófilas facultativas que possuam potencial na promoção de crescimento do eucalipto. As sementes do híbrido “urograndis” foram microbiolizadas com uma suspensão de 109 UFC/mL das 10 estirpes bacterianas, através da agitação a 150 rpm, em incubador rotativo a 28 ºC, por 24 h. Em seguida, foram plantadas em sementeiras e mantidas em casa de vegetação. Após 60 dias, avaliou-se o peso de matéria seca da parte aérea e das raízes. O peso de matéria seca da parte aérea revelou que todas as estirpes bacterianas resultaram em ganhos quando comparado com o da testemunha, variando entre 11,3 e 78,0%. Entretanto, as estirpes UnB 1366, UnB 1371, UnB 1375, UnB 1370 e UnB 1373 foram as que se diferiram significativamente. Em contrapartida, a estirpe UnB 1368 (Bacillus sp.) destacou-se individualmente no incremento (130,0%) da biomassa radicular. Tais estirpes devem ser mais bem estudadas, quanto a formas de veiculação, combinações, formulações etc., para que possam ser utilizadas na otimização da produção de mudas.
Abstract: Currently, Eucalyptus spp. is the tree that is most widely planted in Brazil, occupying 81.6% of planted forests. In 2009 its productivity was 44.2 m3 of eucalyptus with bark/hectare, generating about 46,850 direct jobs. Studies of beneficial bacteria, such as plant growth-promoting rhizobacteria (PGPRs), have been carried out for more than a century. The objective of this work was to evaluated strains of facultative extremophile bacteria that show potential in promoting eucalyptus growth. Seeds from the hybrid “urograndis” were microbiolized with a suspension of 109 UFC/mL from 10 bacterial strains, by means of shaking at 150 rpm in a rotating incubator, at 28 ºC for 24 h. Next, they were planted in seed-trays and kept in the greenhouse. After 60 days seed germination and dry weight of the aerial part and roots were evaluated.. The dry weight of the aerial part revealed that all the bacterial strains produced gains when compared to the control, varying from 11.3 to 78.0%. However, strains UnB 1366, UnB 1371, UnB 1375, UnB 1370 and UnB 1373 were the ones that differed significantly. In contrast, the UnB 1368 strain (Bacillus sp.) stood out individually in promoting an increase of 130.0% in root biomass. These strains should be more thoroughly studied with regard to vehicle, combinations, formulations and others, so that they may be used in optimizing seedling production.
Licença: Revista Árvore - Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons BY NC. Fonte: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_serial&pid=0100-6762&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 09 jun. 2014.
DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0100-67622013000100005
Aparece nas coleções:FIT - Artigos publicados em periódicos

Mostrar registro completo do item Recomendar este item Visualizar estatísticas



Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.