Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.unb.br/handle/10482/15786
Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
ARTIGO_EstabilidadeResistenciaCapsicum.pdf3,48 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir
Título: Estabilidade da resistência de capsicum spp. ao oídio em telado e casa de vegetação
Outros títulos: Stability of resistance of capsicum spp. genotypes to powdery mildew in protected cropping
Autor(es): Lima, Milton Luiz da Paz
Lopes, Carlos Alberto
Café Filho, Adalberto Corrêa
Assunto: Pimentão
Pimenta
Fitopatologia
Fungos na agricultura
Data de publicação: Set-2004
Editora: Sociedade Brasileira de Fitopatologia
Referência: LIMA, Milton L. Paz; LOPES, Carlos A.; CAFE FILHO, Adalberto C.. Estabilidade da resistência de Capsicum spp. ao oídio em telado e casa de vegetação. Fitopatologia Brasileira, Brasília, v. 29, n. 5, p. 519-525, set./out. 2004. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_pdf&pid=S0100-41582004000500008&lng=en&nrm=iso&tlng=pt>. Acesso em: 31 mar. 2014.
Resumo: Oídio (Oidiopsis taurica) é uma importante doença do pimentão (Capsicum annuum) e outras espécies de Capsicum. O objetivo deste trabalho foi identificar fontes de resistência no germoplasma de Capsicum spp. e relatar suas reações ao oídio em ambientes de telado e de casa de vegetação. Em telado, com inoculação artificial, testaram-se 104 genótipos de C. annuum, C. chinense, C. baccatum e C. frutescens. A avaliação foi repetida em canteiros de casa de vegetação com inoculação natural. Em telado, inoculou-se via atomização de 104 conídios/ml e em casa de vegetação manteve-se como fonte de inóculo plantas de pimentão previamente infetadas. Os genótipos foram agrupados em cinco níveis de resistência, a partir de leituras periódicas de incidência, esporulação, severidade e intensidade total da doença, e da determinação das respectivas áreas abaixo das curvas de progresso da doença. Cerca de 77% dos genótipos avaliados em telado foram altamente (AS) ou moderadamente suscetíveis (MS); 8% moderadamente resistentes (MR); 11% resistentes (R); e 4% foram altamente resistentes (AR). Cerca de 72% dos genótipos avaliados em casa de vegetação foram AS ou MS; 11% MR; 9% R; e 8% foram AR. Todos os genótipos classificados como AS tanto em telado quanto em casa de vegetação pertencem à espécie C. annuum. De modo geral, o ranking de resistência ao oídio permaneceu constante nos dois ambientes. Capsicum baccatum, C. frutescens e C. chinense apresentaram maior número de genótipos resistentes. Os principais genótipos AR foram CNPH 39, 161, 363 e 601 (C. baccatum); CNPH 579, 596 e 597 (C. frutescens); CNPH 55 (C. chinense); CNPH 280, 289, 434, 570 e 600 (C. chinense) e CNPH 1424 (C. annuum).
Abstract: This work reports the resistance of Capsicum spp. genotypes to Oidiopsis taurica. Experiments were first conducted with artificial inoculation in pots in a screenhouse, with a set of 104 genotypes. A similar test was carried out with transplants in soil beds in a greenhouse, with 93 genotypes, selected from those previously tested in the screenhouse. In the screenhouse, plants were spray-inoculated with a conidial suspension of 104 conidia/ml. The source of inoculum in the greenhouse consisted of previously-infected sweet-pepper (Capsicum annuum) plants. Genotypes were separated into five resistance groups, following measurements of four disease variables: disease incidence, sporulation index, leaf severity index, and total disease intensity. In addition, the areas under disease progress curves were determined for each variable. About 77% of the genotypes tested in the screenhouse were highly (HS) or moderately susceptible (MS); 8% moderately resistant (MR); 11% resistant (R); and 4% were highly resistant (HR). About 72% of the genotypes tested in the greenhouse were HS or MS; 11% MR; 9% R and 8% HR. Capsicum annuum was the most susceptible species to O. taurica. Classification of most genotypes according to their resistance remained the same in the two experiments. Capsicum baccatum, C. frutescens and C. chinense had higher frequencies of resistant genotypes, and therefore, are considered to be good sources of resistance to the disease. The best sources of resistance (HR genotypes) were CNPH 39, 161, 363 and 601 (C. baccatum); CNPH 579, 596 and 597 (C. frutescens); CNPH 55 (C. annuum); CNPH 280, 289, 434, 570 and 600 (C. chinense) and CNPH 1424 (C. annuum).
Licença: Fitopatologia Brasileira - Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons (Attribution-NonCommercial 3.0 Unported (CC BY-NC 3.0)). Fonte: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_pdf&pid=S0100-41582004000500008&lng=en&nrm=iso&tlng=pt. Acesso em: 31 mar. 2014.
Aparece nas coleções:FIT - Artigos publicados em periódicos

Mostrar registro completo do item Recomendar este item Visualizar estatísticas



Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.