Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.unb.br/handle/10482/15311
Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
ARTIGO_AnatomiaFoliarPlantas.pdf826,85 kBAdobe PDFVisualizar/Abrir
Título: Anatomia foliar de plantas micropropagadas de abacaxi
Outros títulos: Leaf anatomy of micropropagated pineapple plants
Autor(es): Barboza, Sarah Brandão Santa Cruz
Ribeiro, Dalva Graciano
Teixeira, João Batista
Portes, Tomás Aquino
Souza, Luiz Augusto Copati
Assunto: Abacaxi - reprodução
Botânica - morfologia
Micropropagação
Anatomia vegetal
Data de publicação: Fev-2006
Editora: Embrapa Informação Tecnológica Pesquisa Agropecuária Brasileira
Referência: BARBOZA, Sarah Brandão Santa Cruz et al. Anatomia foliar de plantas micropropagadas de abacaxi. Pesquisa Agropecuária Brasileira, Brasília, v. 41, n. 2, p. 185-194, fev. 2006. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0100-204X2006000200002&script=sci_arttext>. Acesso em: 7 jan. 2014. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0100-204X2006000200002.
Resumo: O objetivo deste trabalho foi indicar caracteres anatômicos em folhas de plantas micropropagadas de abacaxizeiro, visando ao aperfeiçoamento do protocolo de aclimatação. Utilizaram-se plântulas micropropagadas in vitro e aclimatadas por seis e dez meses, apresentando, em média, 3,1, 50,2 e 65 g, respectivamente. A densidade estomática foi determinada na face abaxial da epiderme, nas regiões basal, mediana e apical da folha, usando o delineamento inteiramente casualizado em esquema fatorial de 2x3 (dois ambientes de cultivo e três regiões da folha), em seis repetições. A espessura da hipoderme, parênquimas aqüífero e clorofilado foi determinada na região mediana da folha, usando-se o delineamento inteiramente casualizado com três tratamentos em quatro repetições. A estrutura básica da folha do abacaxizeiro não se modificou, entretanto, ocorreram diferenças na freqüência estomática, no espessamento da cutícula e paredes da epiderme, formato e sinuosidade das paredes das células do tecido aqüífero e presença de células papilosas nos diferentes ambientes de cultivo, indicando plasticidade fenotípica.
Abstract: The objective of this work was to study leaf anatomy of pineapple plants in order to improve acclimatization protocols. In vitro plantlets weighting an average of 3.1 g and greenhouse plantlets derived from in vitro stock material, after six and ten months of culture, weighting an average of 50.2 and 65 g, respectively, were used. Stomatal density was determined on the abaxial epidermis, at the basal, median, and apical portions of the leaf, using a completely randomized design under 2x3 factorial (two culture environments and three leaf regions) with six replicates. Thickness of the hypodermis, aquiferous and photosynthetic parenchyma were determined at the median portion of the leaf using a totally randomized design with three treatments and four replicates. The basic structure of the pineapple leaf under in vitro conditions did not change. However, stomatal frequency, cuticular and epidermal wall thickening, shape and sinuosity of the cell walls of aquiferous parenchyma and the presence of papillary cells were verified as a result of environmental conditions during culture, indicating phenotypic plasticity.
Licença: Pesquisa Agropecuária Brasileira - Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons (Attribution-NonCommercial 3.0 Unported (CC BY-NC 3.0)). Fonte: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0100-204X2006000200002&script=sci_arttext. Acesso em: 7 jan. 2014.
DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0100-204X2006000200002
Aparece nas coleções:BOT - Artigos publicados em periódicos



Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.