Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.unb.br/handle/10482/14084
Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
2013_ElieneNovaesRocha.pdf2,1 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir
Título: Das práticas educativas às políticas públicas : tramas e artimanhas pela educação do campo
Autor(es): Rocha, Eliene Novaes
Orientador(es): Sá, Laís Maria Borges de Mourão
Assunto: Educação do campo
Política pública
Prática de ensino
Educação e Estado
Data de publicação: 6-Set-2013
Data de defesa: 25-Abr-2013
Referência: ROCHA, Eliene Novaes. Das práticas educativas às políticas públicas: tramas e artimanhas pela educação do campo. 2013. 326 f., il. Tese (Doutorado em Educação)—Universidade de Brasília, Brasília, 2013.
Resumo: A trajetória da educação do campo é marcada pela luta dos movimentos e organizações sociais e sindicais do campo que têm a terra e a educação como bases de suas lutas. O ponto de partida para este estudo foram as práticas educativas desses movimentos e organizações do campo, que são transformadas em instrumento de pressão para a construção de políticas públicas de educação do campo, definidas como aquelas práticas educativas desenvolvidas para sua organização interna, na construção de princípios e metodologias que colocam a educação como estratégia de formação e transformação humana e ainda contribuem para um processo de organização social dos sujeitos coletivos na luta por direitos. Neste sentido, nosso objetivo central é estudar as categorias “campo”, “políticas públicas” e “desenvolvimento” na sua relação com as práticas educativas dos movimentos sociais do campo, identificando as contribuições para a construção da política pública de educação do campo e sua implementação pelo Estado. Esta é uma pesquisa de caráter qualitativo, tendo a pesquisa bibliográfica como matriz orientadora, permeada por diversos instrumentos que possibilitaram ampliação e melhor compreensão do objeto de estudo. A experiência vivenciada pela Bolsa da CAPES e da Fundação Carolina para conhecer as formas de organização da escola rural na Comunidade Autônoma da Catalunha, na Espanha, possibilitou ampliar o olhar sobre os movimentos educativos para além do Brasil, qualificando esta experiência. As contribuições e os resultados identificados neste processo de aproximação entre Brasil e Espanha permitiram identificar a resistência e as lutas pela educação para os povos que vivem no campo, visando garantir o direito a escola e educação. No Brasil os resultados deste estudo podem ser agrupados em três dimensões: na constituição de espaços dentro da própria sociedade civil, enquanto sujeito coletivo que luta por direitos; na institucionalização de espaços de diálogo e proposição com o objetivo de construir políticas públicas por dentro do Estado com a participação dos movimentos sociais do campo e, ainda, na construção de programas e ações voltados para a educação do campo que se propõem como frente de resistência a uma educação hegemônica. Apesar das disputas dentro do próprio Estado pela sua total inserção num modelo capitalista de produção, foi possível identificar políticas de educação do campo contra hegemônicas que se contrapõem ao modelo que exclui e expulsa os povos do campo do seu ambiente, de sua cultura, de suas identidades. ______________________________________________________________________________ ABSTRACT
The development of rural education is marked by the fight of rural social and union movements and organizations which count on land and education as basis of their fights. The educational practices of these rural movements and organizations were the starting point of this study. These practices are taken as instruments for pressing in order to build rural education public policies, which are educative practices developed for its own inner organization. They build principles and methodologies and consider education as a strategy for human training and transformation; they also contribute to the process of social organization of collective subjects in the fight for their rights. From this perspective, our main aim is that of studying the categories “land”, “public policies” and “development” as associated with the educational practices of social rural movements, identifying the State contributions for the construction and implementation of public policies for rural education. This is a qualitative research that takes the bibliographic research as a guiding matrix; several instruments are also used that permitted a widespread and a better understanding of the object under study. The experience of knowing the types of school organization in Catalonia, Spain, was achieved thanks to the CAPES and Carolina Foundation Grant, and it made it possible to open perspectives over the educative movements out of Brazil, giving quality to this study. The contributions and results obtained in this process of approximation between Brazil and Spain made it possible to identify a certain resistance of the fight for educations between the populations living in the rural area, trying to warrant the right to going to school and being given a proper education. The results of this study in Brazil can be gathered in three dimensions: first, in the constitution of spaces inside the civil society itself, as a collective subject fighting for their rights; second, in the institutionalization of spaces for dialogue and proposals with the goal of building public policies inside the State and counting on the participation of rural social movements; and third, in the construction of programs and actions directed to the rural education, that are proposed as a resistance front against the hegemonic education. In spite of the disputes that take place inside the State for its total insertion in a capitalist production model, it was possible to identify those rural educational policies that oppose to that other model that excludes and expel rural populations from their own backgrounds, their culture and their own identities. ______________________________________________________________________________ Resumen
La trayectoria de la educación rural está marcada por la lucha de los movimientos y organizaciones rurales sociales y sindicales que tienen la tierra y la educación como bases de sus luchas. El punto de partida para este estudio fueron las prácticas educativas de estos movimientos y organizaciones rurales, que son transformadas en instrumento de presión para la construcción de políticas públicas de educación rural. Las prácticas educativas desarrolladas para su organización interna, mediante la construcción de principios y metodologías, colocan la educación como estrategia de formación y transformación humana e incluso contribuyen al proceso de organización social de los sujetos colectivos en la lucha por derechos. En este sentido, nuestro principal objetivo es estudiar las categorías ‘campo’, ‘políticas públicas’ y ‘desarrollo’ en su relación con las prácticas educativas de los movimientos sociales rurales identificando sus contribuciones a la construcción de la política pública de educación rural y su implementación por parte del Estado. Esta es una investigación de carácter cualitativo que cuenta con investigación bibliográfica como matriz orientadora, y emplea diversos instrumentos para la ampliación y mejor comprensión del objeto de estudio. La experiencia vivida gracias a la Beca de la CAPES y Fundación Carolina para conocer las formas de organización de la escuela rural en la Comunidad Autónoma de Cataluña, en España, permitió ampliar nuestra perspectiva sobre los movimientos educativos fuera de Brasil, dando así mayor calidad a este estudio. Las contribuciones y resultados obtenidos en este proceso de aproximación entre Brasil y España permitieron identificar la resistencia de la lucha por la educación de los pueblos que viven en el campo y que persiguen garantizar el derecho a escuela y a educación. En Brasil los resultados de este estudio pueden ser agrupados en tres dimensiones: la constitución de espacios dentro de la propia sociedad civil, en cuanto que sujeto colectivo que lucha por derechos; la institucionalización de espacios de diálogo y propuestas, con el objetivo de construir políticas públicas dentro del Estado que incluyan la participación de los movimientos sociales rurales y en tercer lugar, la construcción de programas y acciones dirigidos a la educación rural, propuestos como un frente de resistencia a la educación hegemónica. A pesar de las disputas dentro del propio Estado por la total inserción en un modelo capitalista de producción, fue posible identificar políticas de educación rural que se contraponen al modelo que excluye y expulsa a los pueblos rurales de su ambiente, de su cultura, de sus identidades.
Informações adicionais: Tese (doutorado)—Universidade de Brasília, Faculdade de Educação, Programa de Pós-Graduação em Educação, 2013.
Licença: A concessão da licença deste item refere-se ao termo de autorização impresso assinado pelo autor com as seguintes condições: Na qualidade de titular dos direitos de autor da publicação, autorizo a Universidade de Brasília e o IBICT a disponibilizar por meio dos sites www.bce.unb.br, www.ibict.br, http://hercules.vtls.com/cgi-bin/ndltd/chameleon?lng=pt&skin=ndltd sem ressarcimento dos direitos autorais, de acordo com a Lei nº 9610/98, o texto integral da obra disponibilizada, conforme permissões assinaladas, para fins de leitura, impressão e/ou download, a título de divulgação da produção científica brasileira, a partir desta data.
Coorientador(es): Boix Tomás, Róser
Aparece nas coleções:FE - Doutorado em Educação (Teses)



Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.